Anábase

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Anábase (em grego: Ἀνάβασις, transl. Anábasis, lit. "subida", "ascenso") é a obra mais famosa do historiador e soldado profissional grego antigo Xenofonte.[1] Composta em sete livros, narra a jornada épica descrita pelo historiador americano Will Durant como "uma das maiores aventuras na história humana".[2]

O termo grego Anábase refere-se a uma expedição desde a costa para o interior de um território. Na realidade, apenas o Livro I dos sete que a obra contém respeita estritamente este título. Os livros II a IV abordam a marcha desde o campo de batalha de Cunaxa até ao mar, correspondendo ao termo grego Catábase, sendo que os restantes três livros narram a marcha ao longo da costa desde Trapezunte até à zona do Helesponto (Parábase).

A narrativa[editar | editar código-fonte]

Percurso seguido por Xenofonte e os Dez Mil.

Xenofonte junta-se a uma força de cerca de Dez Mil mercenários gregos reunida por Ciro, o jovem, o qual deseja apoderar-se do trono Persa ocupado pelo seu irmão, Artaxerxes II. O exército de Ciro inicia a sua marcha em Sardes na Primavera de 401 a.C. e avança até Cunaxa, perto de Babilónia, onde é travada uma batalha entre os exércitos dos dois irmãos. Nesse recontro, Ciro é morto, tornando a vitória no campo de batalha obtida pelos gregos irrelevante.

O exército grego fica assim isolado no meio de território hostil. Uma trégua negociada com os persas é quebrada quando o general espartano Clearco e outros comandantes gregos são capturados à traição, para posteriormente serem executados, pelo sátrapa persa Tisafernes.

A Anábase narra em seguida como o exército grego recupera a sua organização, ocasião em que Xenofonte desempenha um papel importante, e como força a sua marcha para norte até o Mar Negro, enfrentando continuamente as forças persas de Tisafernes, de outros sátrapas e de tribos indígenas à medida que marcham através do Curdistão e da Arménia, realizando decisões de acordo com as circunstâncias acerca do seu comando, das suas tácticas e do seu destino final.

Por fim, o exército alcança as margens do Mar Negro em Trapezunte.

A narrativa contém ainda a posterior marcha do exército para regressar à Grécia, período que inclui um Inverno em que o exército esteve ao serviço do trácio Seutes, até que é incorporado na força do general espartano Tíbron para uma planeada campanha contra a Pérsia.

O filme The Warriors (br: Os Selvagens da Noite), teve como base a história da Anábase; contudo, para se tornar atual (para a época do filme), o roteiro foi mudado para as gangues adolescentes de Nova Iorque. Contudo, o membro morto no inicio do filme tem o mesmo nome do personagem do livro: Cyrus (Ciro).

Edições em português[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. A obra já foi intitulada, em traduções, como A Marcha dos Dez Mil ou A Marcha para o Interior.
  2. Durant, The Life of Greece, 1939:460-61.