Anti-histamínico H2

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Os anti-histamínicos H2 ou antagonistas do receptor H2 são um grupo de fármacos, que são usados no tratamento de úlceras gastrointestinais. Foram substituídos largamente na última década pelos inibidores da bomba de protões (IBP), com menos efeitos secundários, nessa função.

Foram entre 1970 e 1990 os fármacos mais prescritos em todo o mundo. Hoje têm uso mais limitado.

Usos clínicos[editar | editar código-fonte]

Em todas as indicações, são preferíveis os inibidores da bomba de prótons. Só em indivíduos intolerantes dos efeitos secundários destes últimos, ou em que eles foram ineficazes, continuam a ser usados.

  • Úlcera péptica duodenal
  • Úlcera péptica gástrica
  • Dispepsia
  • Prevenção de gastrite devido ao stress em doentes com condições dolorosas crónicas.
  • Doença gastroesofágica de refluxo (azia recorrente) se pouco frequente são bastante utilizados, mas se muito frequente os IBP são preferíveis.

Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

São antagonistas competitivos (bloqueadores) do receptor da histamina das células parietais e nos mastócitos do estômago. Aparentemente a gastrina, hormona que regula a secreção ácida gástrica, activa a libertação de histamina pelos mastócitos da submucosa e é ela que vai ter os efeitos estimuladores da secreção de ácido a nível local, e não a gastrina directamente.

Não afectam muito os receptores H1 e H3 noutros órgãos.

  • Administração: oral, duas vezes por dia.
  • Efeitos úteis: diminuem a secreção de ácido entre as refeições mais do que imediatamente após ingestão de comida.

Aumentam o pH devido à diminuição até 70% da secreção ácida. Permitem a reparação das úlceras e outros danos gástricos, duodenais e esofágicos devidos à acidez, proporcionando um ambiente menos agressivo. Previnem o aparecimento de úlceras. Menos eficazes que os inibidores da bomba de protões. Reduzem a secreção da enzima gástrica pepsina.

Efeitos adversos[editar | editar código-fonte]

Podem ocorrer devido aos efeitos noutros receptores de histamina em outros órgãos:

Fármacos do grupo[editar | editar código-fonte]