Arma nuclear de uso tático

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Teste de lançamento de uma arma nuclear tática lançada por artilharia, em 1953, na operação Upshot-Knothole Grable. O canhão M65 ficou conhecida como "canhão atômico".

Armas nucleares táticas ou armas nucleares de uso tático são armas nucleares de pequeno poder explosivo, geralmente na faixa de 0,5 a 5 kilotons, destinadas a alvos específicos, como tropas, agrupamentos de blindados, bases militares, grupos de navios ou porta-aviões.

Geralmente seu uso tático é muito específico e envolve utilizar apenas uma das principais formas de energia liberada pela bomba: ou o poder de destruição e calor ou o pulso eletromagnético.

Navio estadunidense testa uma carga de profundidade nuclear lançada por foguete anti-submarino (1962)

Mesmo com poder explosivo reduzido estas armas têm efeito radioativo, o que sempre dificultou seu amplo emprego.

O uso de armas nucleares táticas seria destinado principalmente para o emprego contra as forças armadas do adversário. Esta função seria de imporância maior se as forças-alvo se encontrassem próximas às forças que estão lançando a bomba, já que isto impediria o uso de uma arma de grande poder destrutivo, que ao explodir, pudesse atingir também a força lançadora.

Também podem ser empregadas como ogivas de cargas de profundidade nucleares, para uso anti-submarino, a grandes profundidades. A Argentina sempre acusou a Inglaterra de ter utilizado cargas de profundidade nucleares durante a Guerra das Malvinas, o que continua sendo negado pelo governo britânico, que apenas admitiu ter deslocado tais armas para o cenário de conflito.[1] [2]

Video do teste da operação Upshot-Knothole Grable, no deserto de Nevada.

Durante a Guerra Fria este tipo de arma chegou a ser usada como ogiva em mísseis ar-ar pelas forças armadas dos Estados Unidos e URSS, que pretendiam utilizar esses mísseis para destruir bombardeiros nucleares do adversário.

Operação Plumbbob: Teste do míssil ar-ar nuclear AIR-2 Genie, em 19 de Julho de 1957, o primeiro míssil ar-ar com carga nuclear, lançado de um F-89J sobre o deserto de Nevada a uma altitude de 15,000 pés, ou cerca de 4,5 km

.

O primeiro míssil ar-ar nuclear foi o AIR-2 Genie, carregado pelo F-89 e posteriormente pelos caça-bombardeiros F-101B e F-106A da USAF. O objetivo deste tipo de míssel era danificar ou destruir bombardeiros estratégicos que voam a altas altitudes, utilizando o pulso eletromagnético (PEM) da arma. O PEM era mais eficaz para danificar os equipamentos eletrônicos dos bombardeiros adversários do que a própria onda de choque da explosão da bomba, pois esta era minimizada pelo ar rarefeito.

Armas nucleares táticas versus novas armas convencionais[editar | editar código-fonte]

Atualmente as armas nucleares táticas são substituídas com vantagens por outras armas convencionais que produzem pulsos eletromagnéticos ou grande quantidade de calor e pressão. As bombas de pulso eletromagnético, ou bombas de energia direta como o JSOW, que produz uma descarga eletromagnética utilizando microondas direcionadas, capazes de substituir as armas nucleares táticas na função de danificar equipamentos eletrônicos, de computação ou comunicação em pequenas áreas.

Quando o objetivo é simplesmente destrutivo, podem ser substituídas pelas bombas termobáricas mais poderosas, que mesmo sendo armas convencionais, produzem poder de destruição equivalente a 1 kiloton, sendo que EUA e Rússia já anunciaram possuir armas termobáricas com poder destrutivo equivalente a 5 e 11 kilotons respectivamente. A Rússia já utilizou armas termobáricas contra bunkers subterrâneos na Chechênia, e os Estados Unidos utilizaram armas termobáricas no Afeganistão e no Iraque.

Referências

  1. NewsMax "Margaret Thatcher Threatened to Use Nukes During Falkland Islands War Newsmax.com, 21 de novembro de 2005
  2. CNN. "Argentina demands UK nuke apology", CNN News, 07 de dezembro de 2003

Ligações externas[editar | editar código-fonte]