Arritmias de origem sinusal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Arritmias de origem sinusal são aquelas originadas no nó sinusal ou sino-atrial.

Bradicardia sinusal[editar | editar código-fonte]

Nesta situação o coração tem freqüência de batimentos menor do que 60 por minuto, com comando pelo nó sinusal.

Taquicardia sinusal[editar | editar código-fonte]

Nesta situação o coração tem freqüência de batimentos maior do que 100 batimentos por minuto, com comando pelo nó sinusal.

Arritmia sinusal[editar | editar código-fonte]

Aqui ocorre variação na freqüência do ritmo sinusal. Conforme sua relação com a respiração, pode ser fásica (relacionada à respiração) ou não fásica (sem relação com a respiração). Comum em jovens, costuma ser sem significado clínico (não causando problemas, nem requerendo tratamento).

Parada sinusal[editar | editar código-fonte]

Nesta arritmia existe uma pausa na atividade sinusal superior a 1,5 vezes o ciclo PP básico. O ciclo PP corresponde ao intervalo entre duas sístoles elétricas atriais.1

Bloqueio de saída sino-atrial[editar | editar código-fonte]

É uma alteração da condução do estímulo do nó sinusal ao tecido atrial. Pode ser classificada em três graus:2

1º grau: prolongamento anormal do tempo de condução sino-atrial. Não pode ser registrado no eletrocardiograma de superfície.

2º grau: caracteriza-se pela falha periódica do impulso sinusal, por não alcançar o tecido atrial. Pode ser de dois tipos:

  • Tipo Mobitz 1 ou Wenckebach - Nesta arritmia, ocorre um encurtamento progressivo dos intervalos P-P antes da pausa, a qual tem duração menor do que duas vezes a do intervalo P-P mais curto. Essa diminuição progressiva do ciclo PP culmina com um bloqueio de saída e, com isso, há ausência de inscrição eletrocardiográfica de onda P no traçado. Neste momento o nó sinusal sofre despolarização normal, mas, como a saída do estímulo para o restante do átrio está bloqueada, não existe atividade elétrica de suficiente amplitude para o surgimento da onda P no eletrocardiograma convencional.
  • Tipo Mobitz 2 - Nesta arritmia, a interrupção não é precedida por encurtamento progressivo do intervalo P-P, e a pausa ou intervalo tende a ser múltipla do intervalo P-P. Assim, o ciclo PP é constante, ocorrendo a ausência de uma onda P, e o intervalo, até a próxima onda P, tem valores de aproximadamente duas vezes o ciclo PP básico prévio. É devida a um bloqueio de saída perissinusal.

3º grau: há interrupção total da condução do estímulo gerado pelo nó sinusal, sendo, portanto, indistinguível da parada sinusal no eletrocardiograma.

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz de interpretação de eletrocardiograma de repouso. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, vol.80 - suplemento II, 2003, p.4s.
  2. GOTTSCHALL, Carlos A.M.; DUTRA, Oscar P.; NONOHAY, Nelson C.;SARMENTO-LEITE, Rogério (orgs.). Manual de Condutas. Instituto de Cardiologia do Rio Grande do Sul. Fundação Universitária de Cardiologia. Porto Alegre: FUC, 2002.


Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.