Asma al-Assad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Asma al-Assad
Nascimento 11 de Agosto de 1975 (39 anos)
Londres, Inglaterra
Nacionalidade Síria síria
Cônjuge Bashar al-Assad (2000 - atualmente)
Filho(s) Hafez
Karim
Zein

Asma al-Assad, em árabe: أسماء الأسد (Londres, 11 de agosto de 1975) é a primeira-dama da Síria. Nascida em Acton, Londres, em uma família que havia imigrado para o Reino Unido a partir de Homs, na Síria. Casou-se com o presidente Bashar al-Assad, em dezembro de 2000, tendo desenvolvido a sua carreira em bancos de investimento.

Nascida Asma Fawaz al-Akhras (em árabe: أسماء فواز الأخرس), Asma é filha do cardiologista Fawaz Akhras e da diplomata aposentada Sahar Otri al-Akhras. Asma cresceu em Acton, onde frequentou uma escola da Igreja Anglicana.[1] Terminou seus estudos no Queen's College, em Londres. Seu ensino superior foi concluído no King's College de Londres e graduou-se em 1996 com uma licenciatura em Ciência da Computação e um diploma em literatura francesa.[2] Depois da faculdade, Asma começou a trabalhar para a Deutsche Bank na divisão de gestão de fundos com clientes na Europa e no Extremo Oriente. Em 1998, juntou-se a divisão do banco de investimentos da J. P. Morgan, especializada em fusões e aquisições de empresas farmacêuticas e de biotecnologia. Durante seu tempo na JP Morgan, trabalhou principalmente no escritório de Nova York, onde realizou quatro grandes fusões para clientes americanos e europeus.[3] [4]

Asma regressou para a Síria em novembro de 2000 e se casou com o presidente em dezembro. Eles se conheceram na faculdade, em Londres.[5] O casal têm três filhos: Hafez, Karim e Zein.[3]

No início da sangrenta Guerra Civil Síria, em que as forças da oposição lutavam para tentar derrubar a família Assad do poder, sua popularidade caiu vertiginosamente, com denúncias de que, alheia ao que acontecia no país, ela mantinha seu estilo de vida "extravagante", com enormes despesas pessoais.[6] Suas aparições públicas durante o conflito seguiam raras, o que levou a imprensa a especular se ela havia deixado a Síria, o que era negado pelo governo.[7] [8] Então, em março de 2013, ela fez uma aparição pública (a primeira em quase um ano) na Casa de Ópera de Damasco em um evento chamado "Encontro de Mães".[9] Ela fez outra aparição em outubro de 2013, em um encontro com cidadãos que perderam familiares na guerra. No evento, ela negou que tivesse intensões de deixar a Síria.[10]

Referências

  1. «The road to Damascus (all the way from Acton)(en inglés)», BBC News, 31 de octubre de 2001. Consultado el 1 de abril de 2011.
  2. Harvey, Oliver. «Sexy Brit bringing Syria in from the cold (en inglés)», The Sun, 3 de julio de 2009. Consultado el 26 de marzo de 2011.
  3. a b Buck, Joan Juliet. «Asma al-Assad: A Rose in the Desert», Vogue (en inglés), 25 de febrero de 2011. Consultado el 26 de marzo de 2011.
  4. The First Lady, Embajada de Siria en Washington D.C.
  5. Bar, Shmuel. (2006). "Bashar's Syria: The Regime and its Strategic Worldview". Comparative Strategy 25.
  6. Agence France-Presse. Syria's First Lady Asma al-Assad Falling from Grace Vancouver Sun. Página visitada em 14 de fevereiro de 2012.
  7. "Hunt for Assad is on amid claims of wife Asma's exit to Russia", The Independent (London, UK), 20 de julho de 2012. Página visitada em 26 de julho de 2012.
  8. Free Syrian Army move HQ from Turkey to Syria France 24 (23 de setembro de 2012). Página visitada em 8 de outubro de 2012.
  9. Surrounded by children, Syria's first lady makes rare appearance Cnn.com. Página visitada em 23 de janeiro de 2014.
  10. "Asma al-Assad denies leaving Syria", telegraph.co.uk. Página visitada em 30 Nov 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Asma al-Assad
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Asma al-Assad