Bashar al-Assad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bashar al-Assad
بشار حافظ الأسد
Presidente da Síria Síria
Mandato 17 de julho de 2000
a atualidade
Vice-presidente Najah al-Attar[1]
Antecessor(a) Abdul Halim Khaddam (interino)
Sucessor(a)
Vida
Nascimento 11 de setembro de 1965 (48 anos)
Damasco, Distrito de Damasco
 Síria
Dados pessoais
Primeira-dama Asma al-Assad
Partido Partido Baath
Profissão Médico

Bashar Hafez al-Assad (em árabe: بشار حافظ الأسد‎) (Damasco, 11 de setembro de 1965) é um político sírio e o atual presidente de seu país e Secretário Geral do Partido Baath desde 17 de julho de 2000. Sucedeu a seu pai, Hafez al-Assad, que governou a Síria por 30 anos até sua morte, no comando do país.

Al-Assad se formou na Faculdade de Medicina da Universidade de Damasco em 1988, e começou a trabalhar como médico no exército. Quatro anos mais tarde, ele participou de estudos de pós-graduação do Hospital Ocidental Eye, em Londres, especializando-se em oftalmologia. Em 1994, depois de seu irmão mais velho Bassel ser morto em um acidente de carro, Bashar foi chamado para a Síria para assumir o seu papel como herdeiro aparente. Ele entrou na academia militar, assumiu o comando da ocupação da Síria no Líbano em 1998. Em dezembro de 2000, Assad se casou com Asma al-Assad, nascida Akhras. Al-Assad foi reconfirmado pelo eleitorado nacional como o presidente da Síria em 2000 e 2007, após o Conselho Popular da Síria ter votado para propor o titular de cada vez.[2] [3]

Inicialmente visto pela comunidade nacional e internacional como um potencial reformador, essas expectativas cessaram quando ele ordenou uma repressão em massa e cercos militares contra manifestantes pró-rebeldes em meio a uma guerra civil recente, descrito por alguns comentaristas como relacionados ao amplo movimento da "Primavera Árabe". A grande parte da oposição doméstica sunita do país, os Estados Unidos, Canadá, a União Europeia e os Estados membros da Liga Árabe, que posteriormente pediram a renúncia de al-Assad da presidência.[4] [5] Ele pertence à seita minoritária alauita e seu governo tem sido descrito como secular.[6]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Damasco, Bashar al-Assad veio de uma família muito envolvida com política, sendo seu pai o próprio Presidente da Síria. Ele estudou oftalmologia em sua cidade natal e depois foi para Londres concluir os estudos. Inicialmente tinha poucas aspirações políticas e seu pai educara seu irmão mais velho, Basil al-Assad, para ser o futuro presidente. Porém a morte deste em um acidente de automóvel mudou a situação e Bashar converteu-se no herdeiro político de seu pai, que viria a falecer em 10 de junho de 2000. Bashar al-Assad tornou-se então General do Estado Maior e Chefe Supremo das Forças Armadas Sírias. Nomeado candidato único pelo Partido Árabe Socialista Baath (único partido do regime) para a Presidência da República, foi eleito mediante referendo em 10 de julho de 2000, tomando posse em 17 de julho. Em dezembro de 2000 casou-se com Asma al-Assad.

O começo de seu mandato foi marcado por uma esperança de mudanças democráticas, que foi frustrada com a continuidade da política de seu antecessor. Ante à ameaça da ideia de guerra preventiva levada a cabo pela administração norte-americana, a instabilidade do Líbano, na qual a Síria mantinha uma forte presença militar e as constantes tensões com seu vizinho Israel, Bashar al-Assad procurou manter um discurso reformista que poderia satisfazer os anseios da União Europeia e dos Estados Unidos, mas que na prática não produziu nenhuma concessão ao movimento de oposição do país. A forte pressão internacional sobre Bashar al-Assad após a morte do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, cuja autoria foi atribuída aos serviços de inteligência sírios, fez com que as tropas mantidas no Líbano fossem retiradas.

Bashar al-Assad foi reeleito em um referendo convocado no dia 27 de maio de 2007 onde conseguiu 97% de aprovação, mas ele concorreu sozinho. No dia 25 de junho de 2010, iniciou uma série de viagens pela América Latina, visitando Cuba, Venezuela, Brasil e Argentina.

Em 2011, frente a vários protestos no mundo árabe por reformas democráticas, o governo de al-Assad prometeu abrir mais a política do país para o povo. Porém frente a lentidão dessas mudanças, ou o não cumprimento da promessa, opositores ao seu regime começaram uma série de protestos pedindo a derrubada do Presidente, que respondeu aos manifestantes com o envio de tropas do Exército para áreas em protesto. A violência da repressão do governo fez com que vários países pelo mundo, como os Estados Unidos, Canadá e União Europeia adotassem sanções contra a Síria. Com as manifestações se transformando em revolta armada contra o seu governo, seus exércitos foram acusados, repetidas vezes, de crimes contra a humanidade, e a comunidade internacional e a oposição interna do seu país começaram a pedir a sua renúncia imediata da presidência, mas ele se recusou e afirmou que continuaria na luta para se manter no poder.[7] Por diversas vezes, o ditador afirmou que seu país é vitima de uma "conspiração estrangeira", envolvendo terrorismo, com o objetivo de desestabilizar a Síria.[8] [9]

Em 2014, mesmo em meio a uma brutal guerra civil, com 191 mil mortos entre março de 2011 e abril de 2014[10] [11] , com quase metade da nação deslocada de suas casas e um-terço do país nas mãos da oposição, o governo Assad levou a cabo as eleições gerais para presidente.[nota 1] Com 88,7% dos votos, o líder sírio foi declarado vitorioso da eleição,[13] cujo resultado foi considerado duvidoso por grupos opositores anti-Assad e criticada por observadores internacionais do Ocidente.[14] [15]

Relações exteriores[editar | editar código-fonte]

Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes.

Bashar al-Assad mantém relações com a França desde sua primeira visita oficial ao exterior, quando encontrou-se com o primeiro-ministro francês à época Jacques Chirac. A despeito das tensas relações com Israel, Assad buscou a retomada de negociações de paz para a devolução das Colinas de Golã, ocupadas por Israel desde 1967. Em 2003, Assad se opôs à invasão do Iraque pelo exército dos Estados Unidos.[16]

Condecorações Estrangeiras[editar | editar código-fonte]

Presidente da Síria Bashar al-Assad usando "Grande Collar" da Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, acompanhado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Junho 30, 2010

Notas

  1. Foi o primeiro em quase 50 anos a ter mais de um candidato a presidência, embora não ameaçassem a reeleição de al-Assad.[12]

Referências

  1. http://i-r-p.ru/page/stream-event/index-4399.html
  2. Syrians Vote For Assad in Uncontested Referendum (em inglês). Associated Press. The Washington Post (28 de maio de 2007). Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  3. Syria's Assad wins another term (em inglês). BBC. BBC (29 de maio de 2007). Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  4. Bassem Mroue (18 de abril de 2011). Bashar Assad Resignation Called For By Syria Sit-In Activists (em inglês). The Huffington Post. Página visitada em 22 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de maio de 2011.
  5. Arab League to offer 'safe exit' if Assad resigns. Página visitada em 22 de novembro de 2013.
  6. Peace Out of Reach: Middle Eastern Travels and the Search for Reconciliation, Stephen Bronner - 2007 - p 63
  7. Bassem Mroue. "Bashar Assad Resignation Called For By Syria Sit-In Activists", The Huffington Post. Página visitada em 20 de abril de 2011.
  8. Opposition: 127 Dead As Syrian Forces Target Civilians. Thedenverchannel.com. Página visitada em 8 de julho de 2012.
  9. correiodobrasil.com.br (11 de janeiro de 2012). Correio do Brasil - Síria: al-Assad reaparece para denunciar “conspiração estrangeira” (em português).
  10. http://blogs.estadao.com.br/jamil-chade/2014/08/22/siria-quase-200-mil-mortos-em-um-conflito-abandonado/
  11. http://www.lemonde.fr/proche-orient/article/2014/08/22/le-conflit-syrien-a-fait-plus-de-191-000-morts-selon-l-onu_4475250_3218.html
  12. EFE (1 de junho de 2014). Após décadas, Síria terá mais de um candidato a presidente. Terra. Página visitada em 9 de junho de 2014.
  13. Parlamento confirma vitória de Bashar al-Assad nas eleições na Síria. G1. Página visitada em 5 de junho de 2014.
  14. Oposição síria considera 'ilegítima' a eleição de Assad. G1. Página visitada em 5 de junho de 2014.
  15. Euronews.pt (3 de junho de 2014). Síria organiza hoje presidenciais classificadas de “farsa” pelo Ocidente. Euronews.pt. Página visitada em 9 de junho de 2014.
  16. "Erdogan thinks he's Caliph, new sultan of the Ottoman", RT. Página visitada em 9 de novembro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Precedido por
Abdul Halim Khaddam
(interino)
Presidente da Síria
2000atualidade
Sucedido por