Slobodan Milošević

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Slobodan Milošević
Слободан Милошевић
Presidente da Iugoslávia Iugoslávia
Período de governo 23 de julho de 1997
a 5 de outubro de 2000
Antecessor(a) Zoran Lilić
Sucessor(a) Vojislav Koštunica
Presidente da  Sérvia
Período de governo 8 de maio de 1989
a 23 de julho de 1997
Sucessor(a) Milan Milutinović
Vida
Nascimento 20 de agosto de 1941
Požarevac
Iugoslávia
Morte 11 de março de 2006 (64 anos)
Haia
 Países Baixos
Dados pessoais
Partido Partido Socialista da Sérvia

Slobodan Milošević, em sérvio Слободан Милошевић; AFI Loudspeaker.svg? [sloˈbodan miˈloʃevitɕ], (Požarevac, 20 de agosto de 1941Haia, 11 de março de 2006) foi presidente da Sérvia de 1989 a 1997 e da República Federal da Jugoslávia de 1997 a 2000. Também foi o principal líder do Partido Socialista da Sérvia desde a sua fundação, em 1990.

Milošević renunciou à presidência iugoslava entre manifestações que se seguiram à concorrida eleição presidencial de 24 de setembro de 2000. Foi preso pelas autoridades federais iugoslavas em 31 de março do ano seguinte, sob suspeita de corrupção, abuso de poder e apropriação indébita. Foi também preso pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia (TPII), um comitê das Nações Unidas, sob a acusação de crimes contra a humanidade, de violar as leis e costumes de guerra, violações graves às Convenções de Genebra e genocídio, por seu papel durante as guerras na Croácia, Bósnia e Kosovo.[1] [2] A investigação inicial a respeito de Milošević não foi adiante, por falta de evidências concretas. Por isso, o primeiro-ministro sérvio, Zoran Đinđić, enviou-o a Haia, Países Baixos, sede do Tribunal Penal Internacional, para ser julgado por crimes de guerra.[3]

Milošević foi responsável por sua própria defesa; o julgamento terminou, no entanto, sem qualquer veredito, já que ele acabou morrendo durante o seu decorrer, depois de quase cinco anos encarcerado na Prisão de Criminosos de Guerra, em Haia.[4] Milošević sofria de doenças cardíacas e tinha hipertensão arterial, e morreu em decorrência de um enfarte do miocárdio.[5] [6] O Tribunal negou qualquer responsabilidade sobre a morte de Milošević, alegando que ele se recusara a tomar os medicamentos que lhe foram receitados, e preferiu medicar-se por conta própria.[7]

Antes de sua atividade política[editar | editar código-fonte]

Slobodan Milošević nasceu em Pozarevac (Sérvia) em 1941 no seio de uma família abastada. Seu pai era teólogo e, segundo algumas fontes [carece de fontes?], chegou a consagrar-se sacerdote da Igreja Ortodoxa, sem haver chegado a exercer. Sua mãe era professora.

Em 1953, afiliou-se à Liga dos Comunistas da Iugoslávia, o nome em que ficou conhecido o Partido Comunista da Iugoslávia a partir de 1952. Estudou Direito na Universidade de Belgrado, formando-se em 1964, e iniciou sua atividade profissional na administração da República Socialista da Sérvia, mais precisamente em Belgrado, como assessor do prefeito, no início, e depois como chefe do serviço de informação do município.

Em 1965, casou-se com Mirjana (Mira) Markovic, que veio de uma família de Partisans e ocupava o cargo de professora de Teoria Marxista na Universidade de Belgrado.

Em 1968, passou para o mundo empresarial, onde ocupou diversos cargos em empresas de autogestão, características do sistema econômico de autogestão das empresas socialistas iugoslavas. Começou a trabalhar na companhia energética estatal (Technogas), da qual foi nomeado diretor-geral em 1973. Dez anos depois de haver deixado a administração municipal, em 1978, ascendeu para a direção do maior banco iugoslavo – o Beogradska Banka (Banco de Belgrado).

Atividade Política[editar | editar código-fonte]

Os primórdios e sua ascensão à presidência da Sérvia[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Tito (1980), Milošević começou a entrar paulatinamente na política. Apesar de Slobodan Milošević aparecer como um homem introvertido, orador medíocre e sem carisma, em 1983 é eleito para o Presidium do Comitê Central do Partido Comunista da Sérvia e no ano seguinte fez-se Presidente do Comite Municipal do partido, em Belgrado.

Muitos analistas acreditam que o objetivo do governo Milošević seria a Grande Sérvia, que uniria todos os sérvios em um desmoronamento da Iugoslávia.[8] [9]

Sua habilidade na unidade (se não na criação e crescimento de si mesmo) dos mais profundos sentimentos do público da Sérvia, faz Milošević varrer toda a classe política sérvia acusado-a de inércia e inépcia. Em 15 de maio de 1986, substitui Ivan Stambolic na Presidência do Comitê Central do Partido Comunista da Sérvia, e é reeleito em 1988. Em maio de 1989, é eleito presidente da república iugoslava da Sérvia. Este rápido percurso, que, em sete anos, levou-o de mero técnico da administração a Presidente da Sérvia surpreendeu a todos. Milošević possuía um perfil de burocrata. Em 1988, agrava a tensão dentro das fronteiras da Sérvia (Kosovo), e entre a Sérvia e outras repúblicas, principalmente a Eslovênia. Embora Milošević fosse um defensor de um modelo centralista (em termos de instituições de política econômica), cuja liderança seria para a Sérvia, a maior república da Federação, Ljubljana (com o presidente Milan Kučan) apoiavam o direito à autodeterminação das repúblicas e o respeito a todos os grupos étnicos minoritários e a autonomia.

Milošević compreende desfrutar de um enorme apoio popular: os sérvios vê-lo dirigindo uma nação orgulhosa, um líder carismático. Tem o apoio da Igreja Ortodoxa Sérvia. Sua rápida ascensão política coincidiu com a radicalização do nacionalismo, que teve lugar na sociedade sérvia, no momento em que o comunismo soviético perdia força: no mesmo ano de 1989 decidiu transformar o Partido Comunista em Partido Socialista da Iugoslávia. Sob sua direção, teve início uma afirmação institucional da identidade sérvia, em detrimento das demais populações minoritárias. Em 28 de junho de 1989, em plena efervescência nacionalista, Milošević se apresentou em Kosovo Polje, a cena da Batalha do Kosovo, o 600 º aniversário da derrota contra os turcos, onde, perante uma multidão de um milhão de sérvios, pronunciou o famoso discurso de Gazimestan, uma celebração do nacionalismo sérvio que trouxe sérias conseqüências.

Em janeiro de 1990, realiza-se o décimo quarto e último Congresso (convocado em sessão extraordinária) da Liga dos Comunistas da Iugoslávia. O fosso entre a Sérvia e a Eslovênia é incurável, principalmente por causa da intransigência de Milošević. Milan Kucan, que lidera os eslovenos, decidiu retirar a delegação de seu país do Congresso, e o mesmo será feito imediatamente pelo croata Ivica Račan. É o fim da política federal e multiétnica da Iugoslávia. Em Junho de 1990, Milošević renomeia a Liga dos Comunistas da Sérvia para Partido Socialista da Sérvia, da qual é eleito presidente.

Após a realização de referendos em 25 de junho de 1991, Croácia e Eslovênia proclamam independência.

Guerras iugoslavas[editar | editar código-fonte]

A assinatura do Acordo de Dayton.

No contexto da desintegração da Iugoslávia e das guerras que ali ocorreram onde ocorreram episódios de ataques deliberados contra civis, que foram classificados como crimes contra a humanidade, genocídio e limpeza étnica, e a responsabilidade que tinha Milošević por ser o presidente da Sérvia, foi chamado, por alguns meios de comunicação, por grande parte da opinião pública ocidental e pelos seus adversários políticos da Sérvia, como o Carniceiro dos Balcãs .[10]

Guerras na Eslovênia e na Croácia[editar | editar código-fonte]

O Exército federal intervém na Eslovênia. Milošević não tem interesse no país, etnicamente compacto e apoiado pela Áustria e Alemanha. A primeira guerra iugoslava termina após dez dias, em 8 de julho pelos Acordos de Brioni.

A atenção de Milošević se move ao longo de toda a Croácia, em especial nas regiões habitadas por sérvios (as planícies da Eslavônia e a região de Krajina). Milošević não aceita que os sérvios que vivam fora da nova "pequena" Iugoslávia (ou seja, Sérvia e Montenegro). Seu plano é anexar os territórios sérvios da Croácia e uma boa metade da Bósnia e Herzegovina (em 1991, ainda alheio à guerra), criando assim uma "Grande Sérvia". No segundo semestre de 1991, Milošević, o exército federal iugoslavo e tropas paramilitares começaram uma guerra violenta contra a Croácia. O exército iugoslavo penetra profundamente em território croata, chegando a ameaçar Zagreb.

Neste contexto, fez um pacto com o Presidente croata, Franjo Tudjman, o Acordo Karadjordjevo, para a partição da Bósnia (já orientada para a independência) entre sérvios e croatas.[11] Além disso, uma vez em sua nova posição de poder, decide retirar todas as concessões de autonomia de Kosovo e para altera a Constituição para dar mais poder ao presidente. Na oposição, algumas vozes começam a levantar-se contra a ameaça nacionalista (Círculo de Belgrado), mas em 20 de dezembro de 1992, Milošević é novamente reeleito como presidente - desta vez nas eleições com sufrágio universal.

Guerra e Genocídio na Bósnia[editar | editar código-fonte]

Sarajevo destruída durante a Guerra da Bósnia.

Em abril de 1992, a Bósnia e Herzegovina declarou sua independência, depois de um referendo que foi boicotado pelos sérvios bósnios. Com o resultado, surgem episódios de violência e Milošević parte em defesa dos sérvios, minoritários na república separatista (República Sérvia). Milošević apoia militar e politicamente Radovan Karadzic, líder dos sérvios da Bósnia que mancha o pais com crimes de guerra.

A Guerra da Bósnia culmina com o massacre de Srebrenica em Julho de 1995, perpetrado pelas forças sérvias contra os bósnios muçulmanos, precipitando a intervenção da OTAN. Na Croácia, o presidente Franjo Tudjman lança a Operação Tempestade contra os sérvios que vivem na Eslavônia Oriental e na região de Krajina. Esta operação causa mais de 200 000 refugiados sérvios e numerosos crimes de guerra[12] .

A guerra civil dura mais de três anos, tendo o exército de Milošević praticado todo o tipo de atrocidades contra os bósnios croatas e bósnios muçulmanos (Genocídio da Bósnia), naquele que foi o mais sangrento conflito europeu pós-Segunda Guerra Mundial. A saída militar sérvia da condução desses eventos, e os Acordos de Dayton em Dezembro de 1995 põe fim à guerra na Bósnia e Herzegovina e na Croácia

Em outubro de 1995 Milošević é proibido de entrar nos Estados Unidos. Na Conferência de Dayton, para as negociações de paz com a Croácia e a Bósnia e Herzegovina - que pôs fim ao sonho de Milošević em construir uma Grande Sérvia com os territórios das nações da extinta Iugoslávia - os dois inimigos, Milošević e Tudjman, (que haviam se reunido várias vezes, segundo alguns, houve um "telefone vermelho", uma ligação direta entre os dois políticos), os líderes políticos da "limpeza étnica" e massacres de grande porte, seriam descritos como "homens de paz".

As eleições municipais de 1996 foram denunciadas por alguns segmentos como fraudulentas, o que desencadeou uma grande onda de protestos, com manifestações diárias em Belgrado, durante o mês de dezembro até começo de 1997.

Ódios seculares expostos, coube a Milošević e à Sérvia o papel de causadores do conflito. Com isto, a nação é isolada da comunidade internacional.

A Guerra do Kosovo[editar | editar código-fonte]

Terminado o conflito da Bósnia, os habitantes de maioria albanesa na província de Kosovo tentam a secessão. O conflito é agravado em 1998, e radicais albaneses cometem inúmeros crimes contra os sérvios do Kosovo, como estupros e chacinas indiscriminados. Milicianos sérvios autônomos, com o apoio implícito de Milošević, reagem brutalmente. Em maio do mesmo ano, quando a guerrilha já controla cerca de 40% do país, Milošević concorda em negociar com os kosovares. No ano seguinte, Estados Unidos e União Europeia forçam os dois lados a retomar negociações na Conferência de Rambouillet. A Iugoslávia rejeita a proposta de maior autonomia para a província, seguindo-se o envio de uma força de paz internacional. Assim, o país é bombardeado por forças da OTAN em 1999 (Operação Força Aliada), incluindo áreas muito distantes da zona de conflito, como Belgrado e Novi Sad. Dezenas de milhares de civis inocentes são mortos.

Boa parte da infraestrutura civil e militar do país é destruída. O Kosovo passa a ser administrado pela ONU, e Milošević tenta passar uma imagem de salvador da Sérvia.

Assassinatos de opositores políticos[editar | editar código-fonte]

Um dos assassinatos mais controversos ordenados por Milošević foi de Slavko Curuvija, um editor e jornalista. Curuvija foi assassinado em 11 de abril de 1999, e seu assassinato (como muitos outros) nunca foi esclarecido. Houve forte pressão internacional para que as autoridades resolvessem o caso, mas nenhuma ação foi tomada como que permanece sem solução.

No verão de 2000, ex-presidente sérvio Ivan Stambolić foi sequestrado. Seu corpo foi encontrado em 2003. Milošević foi acusado de ordenar seu assassinato. Em 2005, vários membros da polícia secreta sérvia e bandos criminosos foram condenados em Belgrado por uma série de assassinatos, incluindo de Stambolić. Essas foram as mesmas pessoas que prenderam Milošević em abril de 2001. Mais tarde, o ministro do Interior, Dusan Mihajlović, negou que Milošević estivesse envolvido na morte de Stambolić, em Fruska Gora.[13]

Em junho de 2006, a Suprema Corte da Sérvia acatou a decisão anterior do Tribunal Especial para o Crime Organizado, em Belgrado, concluindo que Milošević havia ordenado o assassinato de Stambolić. O Tribunal Especial para o Crime Organizado havia considerado Milošević como o principal instigador de assassinatos motivados politicamente, em 1990. Os advogados de Milošević disseram que a decisão do Tribunal tinha pouco valor, porque ele nunca fora formalmente acusado, nem tivera a oportunidade de se defender. A pessoas assassinadas eram, em sua maioria, funcionários do governo sérvio e iugoslavo - tais como um alto oficial da polícia, Radovan Stojicic, o ministro da Defesa, Pavle Bulatović, e o diretor da Yugoslav Airlines (JAT), Zika Petrovic.

Relações com outros países[editar | editar código-fonte]

Relações com a Rússia[editar | editar código-fonte]

Historicamente, a Rússia tem vindo a ter relações muito estreitas com a Sérvia e a antiga Iugoslávia, com influência da Rússia sobre a Sérvia/Iugoslávia muitas vezes forte. A Rússia e Sérvia têm afinidades importantes, incluindo as populações de maioria eslavas dos grupos etnolinguísticos, cristianismo ortodoxo, políticas multi-étnicas. A Rússia é lembrada pelos sérvios por dar assistência à Sérvia para se tornar autônoma do Império Otomano e estabelecer o Reino da Sérvia no século XIX. Durante o governo de Milošević, a Rússia adotou políticas que em geral apoiaram o regime de Milošević. Durante o conflito no Kosovo em 1999, alguns observadores sugeriram a possibilidade da Rússia de aumentar tropas em apoio da Sérvia.. No entanto, apesar de ser considerado como um grande amigo de necessidade para a Sérvia, a Rússia tem fornecido asilo político a família de Milošević, o que faz famílias das pessoas assassinadas em conflitos protestarem .[14]

Relações com a República Popular da China[editar | editar código-fonte]

Muitas fontes afirmam que o governo chinês afirmou forte apoio a Milošević durante a sua presidência até sua rendição, e foi um dos poucos países a apoia-lo e o regime iugoslavo,[15] num momento em que a maioria dos países ocidentais foram fortemente críticos do governo Milošević . The New York Times afirma que a República Popular da China foi "um dos maiores defensores de Milošević" durante o conflito do Kosovo.[16] A China foi vocalmente contra a intervenção armada da OTAN em Kosovo durante a campanha.

O New York Times observou que Milošević, e particularmente sua esposa Marković tinha "visto por muito tempo Pequim e seu partido comunista" como aliados e "o tipo de companheiros ideológicos" carente no Leste Europeu após a queda do comunismo na década de 1990. .[17] Depois indiciamento de Milošević, as declarações públicas da China deslocaram para enfatizar as relações iugoslavo-chinesas ao invés de focalizar o seu apoio a Milošević, enquanto após a eleição de Vojislav Kostunica como presidente iugoslavo, o Ministério das Relações Exteriores chinês declarou oficialmente que "a China respeita a escolha do povo iugoslavo."[17]

Queda e Prisão[editar | editar código-fonte]

A crise aumenta no país, até culminar com sua derrota nas eleições de 2000. Milošević recusa-se a aceitar o resultado das urnas, e o mesmo povo que treze anos antes o levara ao poder exige sua deposição, em outubro de 2000. Milošević é deposto e passa para a clandestinidade.

Em 2001, o Tribunal Penal Internacional em Haia solicitou a detenção de Milošević ao governo formado depois do golpe de estado do ano anterior, que levara ao poder Vojislav Koštunica, apesar da Iugoslávia ainda não ter reconhecido formalmente a jurisdição deste tribunal. Em 28 de junho de 2001, Milošević foi preso em seu país e transferido para Haia, sem que fosse sequer julgada sua extradição, como mandava a legislação penal iugoslava..[18] Em troca, o presidente americano George W. Bush libera verbas para a reconstrução do país.

Em Haia, teve início o processo criminal contra ele no Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia em que é acusado por crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio, cometidos durante a Guerra Civil Iugoslava como o conjunto de processos judiciais e alguns documentos e depoimentos de testemunhas.[19] [20]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Milošević foi indiciado em maio de 1999, durante a Guerra do Kosovo, pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia das Nações Unidas por crimes contra a humanidade no Kosovo. As acusações de violar as leis ou costumes de guerra, violações graves das Convenções de Genebra, na Croácia e na Bósnia e o genocídio da Bósnia foram adicionados um ano e meio depois.

Na sequência da transferência de Milošević, a acusação original de crimes de guerra no Kosovo foram atualizados pela adição de acusações de genocídio na Bósnia e crimes de guerra na Croácia. Em 30 de janeiro de 2002, Milošević acusou o tribunal de crimes de guerra de ser um "mal e hostil ataque" contra ele. O julgamento começou em Haia, em 12 de fevereiro de 2002, com Milosevic se defendendo enquanto se recusava a reconhecer a legalidade da competência do tribunal. [carece de fontes?].

As acusações de que Milošević foi indiciado foram: genocídio, cumplicidade em genocídio, deportação; assassinato, perseguições por motivos políticos, raciais ou religiosos, atos desumanos / transferências forçadas, extermínio, prisão, tortura, homicídio voluntário, privação ilegal de liberdade, intencionalmente causando grande sofrimento; deportação ou transferências ilegais, destruição extensiva e apropriação de bens, não justificadas por necessidades militares e executadas de forma ilegal e arbitrária; tratamento cruel; pilhagem de propriedade pública ou privada, ataques a civis, destruição ou danificação deliberada de monumentos históricos e instituições que se dedicam à educação ou à religião; atentados ilegais a objetos civis .[21] [22]

Em fevereiro de 2007, o TPII julgou a Sérvia não culpada de genocídio e concluiu que o governo de Belgrado não planejou o massacre de Srebrenica (o episódio mais grave contido na acusação). No entanto, o presidente do TPII afirmou que Milošević estava ciente do risco de ocorrência de massacres na Bósnia e não fez nada para impedir.[23] .

Morte[editar | editar código-fonte]

Milošević foi encontrado morto em sua cela em 11 de março de 2006, no centro de detenção do tribunal penal em Scheveningen, em Haia. Um funcionário do escritório da promotoria disse que ele foi encontrado morto às 10h00 do sábado e aparentemente estava morto há várias horas. O Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia, disse que ele sofria do coração e pressão alta. Seu julgamento era esperado para retomar em 14 de março com o depoimento do ex-presidente de Montenegro, Momir Bulatovic.

O tribunal tinha rejeitado recentemente um pedido de tratamento médico na Rússia. Milošević planejava apelar da decisão, argumentando que sua condição tinha piorado. Sua morte por causas naturais foi anunciada pelo Partido Socialista da Sérvia, mas o advogado de Milošević, Zdenko Tomanović afirmou que Milošević suspeitava às vésperas de sua morte, que estava sendo envenenado,[24] e, por isso, exigiu que a autópsia fosse realizada na Rússia, em vez dos Países Baixos. Outros parentes também sugeriram que Milošević poderia ter cometido suicídio. No entanto, os resultados preliminares da autópsia sugeriram insuficiência cardíaca como a causa de sua morte. O pedido de autópsia na Rússia foi rejeitado pelo tribunal e seu corpo foi levado para o Instituto Forense Holandês, que autorizou a presença de um patologista de Belgrado. O relatório final do inquérito concluiu que Milošević morreu de causas naturais, descartando a presença de qualquer substância que poderia provocar um problema cardíaco.[25]

Enterro[editar | editar código-fonte]

Funeral de Milošević: uma multidão de sérvios esperando para render homenagem a Slobodan Milošević em seu domicilio em Belgrado.

Slobodan Milošević foi enterrado em 18 de março de 2006 no jardim de sua casa familiar em sua cidade natal de Pozarevac, após receber uma homenagem na Avenida Central e fazer uma transferência solene para o lugar onde eles deveriam enterrá-lo. Sua lápide de mármore branco e cinza foi inscrito em ouro: Slobodan Milosevic - 1941-2006.

O funeral, que foi de caráter familiar nas orientações emanadas do governo sérvio, reuniu líderes de seu partido, seus governantes, os soldados que serviram nas suas guerras, e muitas pessoas provenientes de todas as partes da Sérvia e das regiões sérvias da Bósnia. Sua família não pôde comparecer por não ter permitido a entrada no país. Segundo estimativas, seu funeral foi assistido por nada menos que 50.000 pessoas.

Seus inimigos políticos, os herdeiros do movimento Otpor (Resistência) que contribuíram para sua derrota, fizeram uma manifestação perto da esplanada em frente ao Parlamento Federal, onde foi erguido um templo despedir-se de Belgrado, que teve um impacto muito menor do que os atos de despedida do ex-presidente sérvio.

Controvérsias sobre sua morte[editar | editar código-fonte]

O advogado de Milošević, Zdenko Tomanović, mostrou na televisão uma cópia de uma carta manuscrita supostamente dirigida pelo ex-presidente iugoslavo para o chanceler russo, Sergey Lavrov. Nela, clama por ajuda ao descobrir, segundo ele, uma conspiração para assassiná-lo.

Lavrov lembrou que o ex-presidente iugoslavo pediu para ser transferido para Moscou para tratamento médico, mas o TPII negou o pedido pelo fato de ter disponibilizado qualquer especialista que necessitasse e o medo de que ele não retornasse a Haia, apesar das garantias do governo russo. Lavrov expressou suas suspeitas dizendo que "[...] na verdade, desconfiavam da Rússia, o que nos alarma e nos preocupa, já que Milošević morreu pouco depois."

De acordo com a promotora-chefe Carla del Ponte, "A morte de Milošević negou justiça às vítimas e torna mais urgente a necessidade de capturar e extraditar outros líderes dos Balcãs implicados nas atrocidades [...] temos a escolha entre uma morte normal, natural ou suicídio."

Em entrevista ao jornal italiano "La Repubblica", Carla del Ponte, afirmou que estava irritada com a morte, poucos meses antes de um veredicto ser emitido pelo tribunal depois de um julgamento que durou mais de quatro anos. "Eu estou irritada". "Em um instante tudo estava perdido, a morte de Milošević representa para mim uma derrota."

Segundo o jornal britânico "The Observer", a morte de Milošević foi um duro golpe para o tribunal e aqueles que queriam estabelecer um registro histórico autoritário para a Guerra nos Balcãs. O ministro das Relações Exteriores russo criticou implicitamente os seus captores, dizendo: "Infelizmente, apesar de nossas garantias, o tribunal não aceitou a possibilidade de que Milošević recebesse tratamento na Rússia".

Mikhail Gorbachev, disse em uma entrevista a rádio Ekho Moskvi que não permitir que Milošević viajasse à Rússia foi "algo desumano". Membros do Partido Socialista manifestaram-se contra esta decisão dizendo que "Milošević não morreu em Haia, ele foi assassinado em Haia."

O presidente sérvio, Boris Tadić disse que o Tribunal Penal da ONU é responsável pela morte de Milošević, mas acrescentou que isso não afetaria a cooperação da Sérvia com o tribunal no futuro. "Sem dúvida, Milošević pediu uma melhor assistência médica para sua saúde [...] esse direito é garantido a todos os réus por crimes de guerra [...] são responsáveis pelo que aconteceu."

A Duma russa foi ainda mais severa, condenando as atividades do tribunal e pedindo a sua dissolução.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Slobodan Milošević

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Le procès Milošević ou l'inculpation du peuple serbe, Patrick Barriot, Ève Crépin, Éditions L'Âge d'Homme, 2005, ISBN
  • Ma vérité, Slobodan Milošević, Éditions Le Verjus, 2004, ISBN

Referências

  1. Slobodan Milošević to Stand Trial in Serbia, CNN, 31 de março de 2001.
  2. Milošević arrested, BBC News
  3. Serbian Tells of Spiriting Milošević Away The New York Times (1 de julho de 2001). Visitado em 24-7-2008.
  4. Transcrição do julgamento, 14 de março de 2006, pág. 49191.
  5. Relatório ao Presidente: Morte de Slobodan Milošević; Maio de 2006; Pág. 4 parágrafo 3
  6. Decisão sobre o pedido do defensor indicado a respeito da liberdade provisória; 23 de fevereiro de 2006.
  7. Relatório ao Presidente: Morte de Slobodan Milošević; maio de 2006; pág. 40, pontos 3 e 7
  8. The End of Greater Serbia
  9. Obituary: Slobodan Milošević
  10. El Mundo. Milošević ante la historia. El carnicero de los Balcanes.
  11. El Mundo. El triunfo del Estado-nación.
  12. CROATIE : Opération « Tempête » - justice n’a toujours pas été rendue dix ans après, Amnistia Internacional, 4 de agosto de 2005.
  13. "Analysis: Stambolic Murder Trial", BBC News, 23 February 2004. Página visitada em 2007-12-04.
  14. Congoo News
  15. Milošević's China dream flops, Chinatown-Belgrade booms Boris Babic September 9, 2006
  16. SHOWDOWN IN YUGOSLAVIA: AN ALLY; China, Once a Supporter of Milošević Against NATO, Sends Its Congratulations to Koštunica Erik Eckholm, October 8, 2000
  17. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas autogenerated3
  18. El Mundo. Las 24 horas más largas en la vida de Slobodan Milosevic.
  19. El Mundo. Muere en prisión el ex presidente yugoslavo Slobodan Milosevic.
  20. ICTY. Caso Milošević.
  21. [1]
  22. [2]
  23. "L'ONU disculpe la Serbie des charges de génocide."
  24. WikiNews Carta de Slobodan Milošević al ministro ruso de Asuntos Exteriores.
  25. El Mundo. La Fiscalía holandesa concluye que la muerte de Milosevic se debió a causas naturales.
Precedido por
Petar Gracanin
Presidente da Sérvia
1989 — 1997
Sucedido por
Milan Milutinović
Precedido por
Zoran Lilić
Presidente da Iugoslávia
1997 - 2000
Sucedido por
Vojislav Koštunica