Radovan Karadžić

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Radovan Karadžić
Радован Караџић
1ºº Presidente da República Sérvia Predefinição:Country data República Sérvia
Mandato 7 de abril de 1992
a 19 de julho de 1996
Sucessor(a) Biljana Plavšić
Vida
Nascimento 19 de Junho de 1945 (68 anos)
Petnjica Šavnik
Dados pessoais
Primeira-dama Ljiljana Zelen Karadžić

Radovan Karadžić (em sérvio: Радован Караџић, AFI[râdovaːn kâraʤiʨ]; Petnjica Šavnik, 19 de junho de 1945) é um ex-político sérvio, poeta e psiquiatra, ex-fugitivo acusado de crimes de guerra pelo Tribunal Penal Internacional da ex-Jugoslávia (TPIJ), foi detido em 21 de Julho de 2008.[1]

Foi emitido um mandado de captura internacional contra Karadžić, na sequência do artigo 61 º do TPIJ, que concluiu que existem motivos suficientes para crer que o acusado tenha cometido os crimes em questão, incluindo genocídio. O Governo dos Estados Unidos, desde então, ofereceu uma recompensa de cinco milhões de dólares por sua detenção.[2] Sua vida como um fugitivo foi a base para o filme The Hunting Party.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Karadžić nasceu próximo de Petnjica Šavnik, hoje no Montenegro, à data integrante da Jugoslávia. A sua família vem do clã sérvio Drobnjaci; seu pai, Vuko, tinha sido membro da Chetniks - remanescentes do exército da República da Jugoslávia - e esteve na prisão durante grande parte da infância de Radovan.

Em 1960 Radovan Karadžić mudou-se para Sarajevo, na Bósnia e Herzegovina, para prosseguir os seus estudos em psiquiatria na Universidade de Sarajevo. Entre 1974 e 1975, passou um ano em formação médica na Universidade Columbia, em Nova Iorque.[4] . Karadžić é também poeta,[5] influenciado pelo escritor sérvio Dobrica Ćosić, que também incentivou-o a seguir uma carreira política.

Em 1989, co-fundou o Partido Democrático Sérvio (Srpska Demokratska Stranka), na Bósnia, que visava reunir sérvios de países vizinhos para a República da Sérvia e formar a denominada Grande Sérvia. A união de países ocorrreu 24 de outubro de 1991, a fim de representar os sérvios da Bósnia e Herzegovina. O partido que a governava, liderado por Radovan Karadžić, organizou a criação da "província autónoma da Sérvia" (SAOS) na Bósnia e estabeleceu uma assembleia para a sua representação. Em novembro de 1991, os sérvios da Bósnia realizaram um referendo, cujo resultado foi favorável pela permanência de estado comum. Em 6 de abril de 1992, a Bósnia foi reconhecida pela ONU como um Estado independente. Karadžić se tornou o primeiro presidente dos sérvios da Bósnia, em 13 de maio 1992, após a dissolução da Iugoslávia.

Apesar de ser um defensor da Grande Sérvia, Karadžić não encontrou apoio entre países com dirigentes ortodoxos, como Rússia e Grécia. Em fevereiro de 1994, por exemplo, ele secretamente contactou o governo grego e propôs a criação de uma espécie de confederação greco-sérvia, baseada no reconhecimento de amizade sérvio-grego, uma ideia que o então presidente jugoslavo Slobodan Milošević também havia proposto em 1992.

Autoridades perderam a oportunidade de prender Karadžić, em 1995, quando ele foi um convidado da Organização das Nações Unidas. Desde 1996, ele foi um fugitivo acusado de crimes contra a humanidade, crimes contra a vida e saúde, genocídio, graves violações das Convenções de Genebra, assassinato, e violações das leis e costumes de guerra.[6]

Seus defensores dizem que ele não é mais culpado do que qualquer outra guerra em tempo de liderança política. Sua capacidade de fugir por mais de uma década, fez dele um herói internacional entre os sérvios da Bósnia. Em 2001, centenas de partidários demonstradaram apoio a Karadžić em sua cidade natal.

Dirigentes sérvios-bósnios pediram, em 2005, que Karadžić se entregasse, afirmando que a Bósnia e a Sérvia não poderiam avançar economicamente e politicamente. Em 7 de julho de 2005 as tropas da OTAN prenderam seu filho, Aleksandar (Saša) Karadžić, mas ele foi liberto dez dias depois.[7] Em 28 de julho, a esposa de Karadžić, Ljiljana Karadžić, fez um apelo a ele se entregar, por conta de "uma enorme pressão" exercida sobre ela.[8]

Reuters informou, em 1 de fevereiro de 2007, que Karadžić estaria escondido na Rússia, citando conversas telefônicas; uma acusação negada pelo Governo russo.[9]

Em 10 de janeiro de 2008, os passaportes de seus parentes mais próximos haviam sido apreendidos. Em 21 de fevereiro de 2008, no momento da independência da do Kosovo, retratos de Radovan Karadzic estavam em Belgrado durante a exibição de protesto.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]