Berengário II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Berengário II de Itália
foi marquês de Ivrea, entre 928 e 950 e rei da Itália, de 950 a 961
Apresentação de Berengário de Ivrea ao Imperador Otão I, Sacro Imperador Romano-Germânico. Manuscriptum Mediolanense, por volta de 1200.
Governo
Dinastia rei da Itália
Vida
Nome completo Berengário II de Itália
Nascimento ca. 900
Morte 6 de julho de 966
Bamberg
Brasão de Armas do Marquesado de Ivrea - Dinastia de Anscarici - Adalberto da Itália ou Adalberto II de Ivrea, Atualmente faz parte das Armas da cidade de Milão

Berengário II de Itália ou Berengário de Ivrea (ca. 900Bamberg, 6 de julho de 966[1] ) foi marquês de Ivrea, entre 928 e 950 e rei da Itália, de 950 a 961.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho de Adalberto I de Ivrea e de Gisela do Friul (876 - 23 de janeiro de 913). Recebeu seu nome em homenagem ao célebre avô materno, o rei Berengário I da Itália, que ele ajudou o pai a derrotar na Batalha de Firenzuola, em 923. Pouco tempo depois, ele sucedeu ao pai como marquês de Ivrea.

Em 940 foi forçado a fugir de Ivrea pelo rei Hugo da Itália, que aboliu a Marca de Ivrea. Ele encontrou refúgio na corte de Hermano, duque da Suábia, e depois se estabeleceu na corte do rei Oto I da Germânia. Retornando à Itália, em 945, incitou uma revolta nobiliária contra o rei o derrotou. Através de uma dieta em Milão, Hugo foi deposto, embora lhe tenha sido permitido manter o título de rei. Todavia, Berengário tornou-se o governante efetivo da Itália, com o título de sumus consiliarius.

Hugo retirou-se para a Provença, mas continuou com o título de rei da Itália até sua morte, em 947. Foi sucedido por seu filho, Lotário II, que morreu três anos depois, possivelmente envenenado por Berengário.

Ele então tentou legitimar seu governo na Lombardia forçando a viúva de Lotário, Adelaide da Borgonha, a respectiva filha, nora e viúva dos três últimos reis da Itália, a casar com seu filho Adalberto da Itália.[2] [3] Ela, por sua vez, apelou para Oto I da Germânia. Berengário então aproveitou a oportunidade e se declarou rei da Itália com seu filho como rei associado. Os rogos de Adelaide por intervenção resultou na invasão da Itália por Oto I, em 951. Ele próprio casou com Adelaide e obrigou Berengário e Adalberto a lhe prestarem homenagem por seu reino.

Tendo se submetido a Oto, Berengário se propôs como vice-rei na Itália, o que foi aceito por um conselho em Augsburgo, em agosto de 952.Todavia, Berengário reafirmou sua independência. Oto mandou seu filho Ludolfo para reimpor a ordem, mas este morreu lá de febre, em 957. Oto finalmente invadiu a Itália, em 961, em resposta aos pedidos por sua intervenção pelo papa João XII e Humberto de Espoleto, um dos principais vassalos de Berengário. Este foi forçado a se retirar para a fortaleza de São Júlio, próxima a Montefeltro, em 962.

Berengário foi enfim capturado em 963, e foi levado como prisioneiro para Bamberg, na Baviera, onde faleceu pouco depois.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Adalberto I de Ivrea (c. 870-923/924), e de Gisela do Friul (876 - 23 de janeiro de 913), filha de Berengário I da Itália (Cividale del Friuli, 845 — Verona, 7 de abril de 924[4] ) e de Berta de Spoleto.

Por volta de 930, Berengário casou com Vila III de Arles (912-970), também conhecida como Vila da Toscana, filha de Bosão de Arles e Avinhão [5] (885 - 936), conde de Avinhão e marquês da Toscana, e de Guilda da Borgonha, e com ela teve sete filhos conhecidos:

  1. Adalberto da Itália[2] [3] (c. 935-971), rei associado da Itália junto com seu pai e casado com Gerberga de Chalon (947 - 980), filha de Lamberto de Chalon (930 - 22 de fevereiro de 978) e de Adelaide de Vermandois (925 - 980).
  2. Guido de Ivrea (c. 940-965), marquês de Ivrea entre 957-962.
  3. Conrado de Ivrea (antes de 998/1001), sucessor do irmão como marquês de Ivrea.
  4. Gisla de Ivrea, freira em 965.
  5. Gilberga (945-?), segunda esposa de Aleramo de Monferrat, conde de Monteferrato.
  6. Rosália de Ivrea (c. 955-7 de fevereiro de 1003), esposa de Arnulfo II da Flandres[6] (c. 960 ou 961 - Ghent, 30 de março de 987), conde de Flandres, e depois com o rei Roberto II da França[7]
  7. Berta de Ivrea, abadessa de São Sisto em Placência, em 952

Referências

  1. Stewart Baldwin: Berengario II in: Henry Project
  2. a b Les Comtes Palatins de Bourgogne, Thierry Le Hête, Thierry Le Hête, 1ª Edição, La Bonneville-sur-Iton, 1995, pg. 25
  3. a b A dinastia dos Capetos, Thierry Le HETE, Edição Autor do, 1 ª edição, A Bonneville-sur-Iton, 1998, pg. 13
  4. Rosenwein, p. 270.
  5. Luiz de Mello Vaz de São Payo, A Herança Genética de D. Afonso Henriques, Universidade Moderna, 1ª Edição, Porto, 2002, pág, 288.
  6. Arnoul de Flandre sur le site Foundation for Medieval Genealogy
  7. Genealogia de Roberto II no site FMG (em francês)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Adalberto I de Ivrea
Marquês de Ivrea
923/924 - 941
Sucedido por
abolido
Precedido por
Lotário II
Rei da Itália
(com Adalberto: 951)

15 de dezembro de 950 - 23 de setembro de 951
Sucedido por
Oto I
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.