CP/M

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
CP/M
listagem de diretório no CP/M
Produção Digital Research / Gary Kildall
Família do SO CP/M
Estado Descontinuado
Versão estável 3.1
Núcleo Monolitico
Licença Proprietária, Código Aberto
Página oficial http://www.cpm.z80.de/

CP/M (um acrônimo para Control Program for Microcomputers ou "Programa de Controle para Microcomputadores", como o próprio desenvolvedor, Gary Kildall, informou em 1984 em um episódio de um programa de TV aberta dos EUA, chamado The Computer Chronicles, verificar aos 8:04 de um vídeo hospedado no site Youtube com título de "The Computer Chronicles - Operating Systems (1984)") é um sistema operacional em disco desenhado para os processadores Intel 8080, Intel 8085 e Zilog Z80. Foi desenvolvido por Gary Kildall da Digital Research, Inc e utilizado amplamente nos microcomputadores CPC, Commodore 128, TRS-80 e BBC Micro.

O caso do CP/M nos computadores compatíveis com o Apple II e Apple IIe[editar | editar código-fonte]

Embora o sistema operacional CP/M estivesse disponível para uma grande variedade de microcomputadores, sua implementação específica para os computadores Apple II e Apple IIe merece destaque especial pela engenhosidade.

Como o microprocessador dos computadores pessoais Apple II (o 6502), fosse incompatível com o sistema operacional CP/M, era necessária uma combinação de hardware e software.

Hardware: o micro recebia uma placa de expansão (denominada Softcard) dotada de um microprocessador Zilog Z80 apto a executar o sistema operacional CP/M e todos os programas desenvolvidos para o mesmo (como o interpretador MBASIC e o editor de textos WordStar). Outro acréscimo comum era uma placa de vídeo apta a exibir 80 caracteres por linha da tela (o Apple II só exibia 40 caracteres por linha).

Software: a implementação do CP/M para o Apple II assumia o controle de ambos os microprocessdores (6502 e Zilog Z80), ativando ora um, ora outro. A cooperação entre ambos era obtida através de um protocolo de troca de dados bastante rígido, onde cada processador trabalhava separadamente, a cada tempo, não havendo por conseguinte o processamento paralelo. O Z80 assumia o papel de microprocessador principal do computador. O 6502 entrava em ação apenas para realizar operações de Entrada e Saída.

Uma vez que o CP/M concentra todas as operações de entrada e saída num módulo chamado BIOS, a existência do 6502 ficava, para efeitos práticos, oculta de usuários e programadores do CP/M. (Todavia, não era impossível que programadores com sólido conhecimento da arquitetura do Apple II e das linguagens de máquina dos dois processadores tirassem proveito de ambos.)

Com essa arquitetura obteve-se a coexistência pacífica de processadores diferentes em um único console e um único sistema operacional, aproveitando o melhor em cada processador, a saber, a grande variedade de software do CP/M (Z-80) com o firmware de entrada/saída do Apple (6502).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.