Cancioneiro da Biblioteca Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Cancioneiro da Biblioteca Nacional (outrora chamado Cancioneiro Colocci-Brancuti) é uma colectânea de lirismo trovadoresco galaico-português (cantigas de amigo, de amor e de escárnio e maldizer).

História[editar | editar código-fonte]

Foi compilado em Itália por volta de 1525-1526 por iniciativa do humanista Angelo Colocci (1467-1549). Ele numerou 1664 composições e anotou praticamente todo o códice.

Séculos mais tarde, o manuscrito encontrava-se nas mãos do conde Paolo Brancuti di Cagli, de Ancona, que em 1888 o vendeu ao filólogo italiano Ernesto Monaci.

Em 1924 foi adquirido pelo Estado Português e depositado na Biblioteca Nacional de Lisboa, de onde colheu o nome pelo qual é hoje conhecido.

Entre 1949 -1964, foi publicado pela primeira vez em fascículos na Revista de Portugal, com leitura, comentários e glossário, trabalho de Elza Paxeco Machado e José Pedro Machado.

Características[editar | editar código-fonte]

Este cancioneiro reúne quase todo o material recolhido no Cancioneiro da Vaticana e muitos outros. Das 1664 composições originais chegaram até nós apenas 1560.

Entre os trovadores presentes salientam-se os reis Dinis de Portugal, Sancho I de Portugal, e nomes como os de Pedro Afonso, conde de Barcelos, Paio Soares de Taveirós, João Garcia de Guilhade, Airas Nunes, Martim Codax, e outros.

Foi redigido em seis diferentes tipos de letra, com predominância da itálica chanceleresca e da letra bastarda cursiva.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.