Canhão de Paris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nuvola apps important.svg
A tradução deste artigo ou se(c)ção está abaixo da qualidade média aceitável.
É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, consulte Paris Gun (inglês) e melhore este artigo conforme o guia de tradução.


O canhão de Paris, também chamado Kaiser Wilhelm Geschütz (canhão do Kaiser Guilherme) foi um canhão ferroviário de longo alcance criado pelos alemães em 1918, para bombardear Paris. Erroneamente confundido com o Big Bertha (nome de um obuseiro de 420mm utilizado contra Liége), o Kaiser era um projeto ambicioso, que pretendia bombardear um alvo a 130 Km de distância da frente alemã (até esta data, o máximo que um obuseiro alcançara foi 95 km).1

O canhão Kaiser era, na verdade, um obuseiro (tubo que dispara projéteis em trajetórias parabólicas). Causou um grande impacto sobre a moral do mundo, pelo seu feito inédito. Suas granadas detinham o recorde de altitude lançado por um artefato humano (42 km de altitude), recorde que só foi quebrado em fins de 1944 pelas bombas V2.

O funcionamento[editar | editar código-fonte]

O Canhão de Paris foi uma arma como nenhuma outra, mas as suas capacidades não são conhecidas ao certo. Isto é devido à aparente total destruição dos alemães na ofensiva aliada. Os números anunciados para a arma quanto ao tamanho, alcance e desempenho variam muito, dependendo da fonte - nem mesmo o número de cartuchos é certo.2

A arma era capaz de arremessar 94 kg (210 lb) reservados para uma distância de 130 quilômetros (83 milhas) e uma altitude máxima de 40 quilômetros (25 milhas) - a maior altura alcançada por um projétil feitas até o primeiro vôo de teste do V-2, em outubro de 1942.

No início de sua trajetória de 170 segundos, cada artefato a partir do Canhão de Paris atingiu uma velocidade de 1.600 metros por segundo (5.200 pés/s).

A arma em si pesava 256 toneladas e foi montada em trilhos em uma posição concreta preparado para girar como um disco. Ele tinha 28 metros (92 pés) de comprimento, 210 mm (8.3 polegadas) de calibre do projétil do cano, com 6 metros (20 pés) de extensão lisa do comprimento.3 4 Este cano era colocado dentro de um outro cano Max Langer com 38 centímetros, que, por sua vez, era colocado no carro. O suporte do cano era apoiado para neutralizar inclinações do cano devido ao seu tamanho, peso e à vibração no momento de atirar.

Baseada em uma arma naval, a arma era manejada por uma tripulação de 80 marinheiros da Marinha Imperial sob o comando de um almirante. Foi rodeada por várias baterias de artilharia do exército para criar um "ruído" ao redor da grande arma, de modo que ela não pudesse ser localizada por observadores franceses e britânicos.

O projétil atingiu tal altura que foi o primeiro objeto feito pelo homem a atingir a estratosfera.5 Isso praticamente eliminou a resistência do ar, permitindo alcançar uma gama de mais de 130 quilômetros (80 milhas). Eram impelidos a tão alta velocidade que cada um dos sucessivos tiros desgastava uma considerável quantidade de aço do cano estriado.

Cada projétil era numerado sequencialmente, de acordo com o aumento do diâmetro, e tinha de ser disparado na ordem numérica, sob pena de o projétil se alojar no cano, o que faria a arma explodir. Além disso, quando o o projétil forçava a passagem por dentro da arma, a câmara era precisamente medida para determinar a diferença no seu comprimento: uma variação de poucos centímetros causaria uma grande variação na velocidade - e portanto, no intervalo. Depois, com a variante determinada, a quantidade adicional de propelente era calculada, e sua medida, tomada a partir de um carro especial, era adicionada à carga normal. Depois de 65 rodadas de disparos, cada um com progressivamente maior em razão do desgaste, o canhão era devolvido à Krupp a fim de ser recalibrado para 240 milímetros (9,4 in), e uma nova carga de projéteis era fornecida.

As cargas eram incomuns para a época. O corpo era composto de massa grossa de aço, contendo cerca de 15 kg (33 lb) de explosivo.

O reservatório de carga explosiva ficava contido em dois compartimentos, separados por uma parede. Isso reforçava o reservatório e apoiava a carga explosiva sob a aceleração do disparo. Um dos dois fusíveis do reservatório era montado na parede, e o outro na base do reservatório. O nariz do reservatório era equipado com um invólucro balístico simplificado e leve - uma característica bastante incomum para a época. A pequena quantidade de explosivo - 15% do peso do projétil - significa que o efeito da explosão era pequeno em relação ao seu tamanho.

O Canhão de Paris foi a maior arma construída na época mas seria superada em todos os aspectos, pelo canhão inacabado "Schwerer Gustav", já durante na Segunda Guerra Mundial, e, posteriormente, tanto pelo V-3 quanto pelo super canhão iraquiano.

Os engenheiros que trabalharam no Kaiser descobriram que, independentemente da potência de uma boca de fogo, a resistência do ar sempre diminuiria o alcance teórico de suas granadas. Então, surgiu o conceito de obuseiro, um canhão que em vez de mirar diretamente em seus alvos é apontado para cima, de forma a aumentar o alcance dos disparos e atingir os alvos a partir de uma mira indireta. Presumia-se que, se a granada viajasse por uma zona atmosférica onde o ar fosse mais rarefeito, a resistência do ar não a deteria tão fortemente. Assim funcionava o Kaiser: lançando as granadas para cima, com uma elevação de conteira de 52º, elas atingiam Paris em 3,5 minutos, sendo dois desses minutos passados na estratosfera, onde a baixa pressão quase não interferia no desempenho dos projéteis. Para dar a força necessária, cada granada (que pesava 120 kg) era disparada por 180 kg de pólvora, gerando uma pressão de 5000 atm no projétil.

Apesar de ter de fato atingido Paris, o projeto foi um relativo fracasso. Primeiro, porque sua precisão não era tão boa (em parte, por falta de tecnologia), mas principalmente por causa da pouca carga útil contida nas granadas (7 kg de carga útil), que poderiam ter causado melhores resultados.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Canhão de Paris

Referências

  1. For an instance of war-time naming of this gun as "Big Bertha", see "Paris again Shelled by Long-Range Gun" (PDF), August 6, 1918, p. 3. Página visitada em 2011-12-03.
  2. Com a descoberta e publicação, nos anos 1980, de uma longa nota sobre o canhão, escrita pelo encarregado do seu desenvolvimento na Friedrich Krupp AG, Dr. Fritz Rausenberger, pouco antes da sua morte, em 1926, pode-se atualmente conhecer melhor os detalhes do projeto e capacidade do canhão.
  3. Miller (1921) pg.735 Esta seção suave visava melhorar a precisão e reduzir a dispersão dos projéteis, ao reduzir o ligeiro desvio que um projétil pode ter imediatamente depois de sair do cano da arma.
  4. Miller (1921) pg.737
  5. To End All Wars by Adam Hochschild c. 2011 Adam Hochschild(Houghton, Mifflin Harcourt Publishing Company New York; 2011) pp.320 - 321