Caturra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Como ler uma caixa taxonómicaCalopsita
Macho

Macho
Fêmea
Fêmea
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Psitaciformes
Família: Cacatuidae
Género: Nymphicus
Wagler, 1832
Espécie: N. hollandicus
Nome binomial
Nymphicus hollandicus
(Kerr, 1792)
Distribuição geográfica
Habitat natural
Habitat natural
Sinónimos
Psittacus hollandicus Kerr, 1792
Leptolophus hollandicus

A calopsita ou caturra (Nymphicus hollandicus) é uma ave que pertence à ordem dos Psitaciformes e à família Cacatuidae. Natural da Austrália, a espécie foi descrita pela primeira vez em 1792.

A Calopsita é o único membro do gênero Nymphicus . Ele já foi considerado um papagaio de crista ou pequena cacatua;[1] no entanto, os estudos moleculares mais recentes têm atribuído a sua própria subfamília cacatua único Nymphicinae . É, portanto, agora classificado como o menor do Cacatuidae (família Cockatoo). Calopsitas são nativas da Austrália[2] , e favorecer os pântanos australianos, cerrado e terras mato.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1838 um ornitólogo inglês, John Gould, viajou para a Austrália com o objetivo de estudar a fauna e realizar desenhos de aves. Ele foi o responsável pela fama mundial das caturras pois ele foi o primeiro especialista a levar caturras para fora da Austrália. Em 1884, a fama das caturras cresceu, porém foi em 1950 que a popularidade aumentou de forma bastante considerável por causa do arlequim, caturra surgida através da primeira mutação de cor. [3]

Características[editar | editar código-fonte]

A caturra é uma ave dócil que pode ser conservada como animal de estimação. A plumagem pode ser de várias cores: amarelo, branco, cinza, etc. Normalmente a caturra tem em cada face uma pinta laranja que protege os ouvidos da ave, porém as albinas não possuem nenhuma pinta. No macho adulto a face é amarela com a pinta laranja, na fêmea a face é cinzenta com infiltrações de amarelo e a pinta laranja não se destaca tanto (não necessariamente), outra diferença entre o macho e a fêmea é a parte interna da cauda, pois na fase adulta a do macho é de uma unica cor, enquanto a da fêmea possui um rajado amarelo e preto. A crista no topo da cabeça também varia de cores. O comprimento médio é de 30 cm. É uma ave muito inquieta, que pode estar horas a emitir gritos, mas podem assobiar e algumas chegam até a falar (ex:seu nome, ou alguma outra palavra que ouve com grande frequência). Apenas os machos conseguem falar, mas há algumas exceções em que as fêmeas conseguem falar.

São aves resistentes e suportam bem o clima, desde que convenientemente abrigadas contra ventos e frio extremos. Com uma alimentação balanceada e o cuidado adequado, podem viver até 25 anos, a questão da alimentação é uma das mais importantes para o bem estar da ave e deve ser pensada tendo em conta o espaço que a ave tem para fazer exercício, mas também em função do clima. Existem frutas e legumes que não são indicados, mas outros como, maçã, banana, milho cozido, porém não devem ser dados diariamente, pois podem causar diarreia, verduras verde escuras são indicados e podem ser oferecidas constantemente.

Assim, aves que não tenham possibilidade de fazerem exercícios não devem ter incluídos na dieta alimentos com alto teor em gordura como a semente de girassol. Para este animal poder ingerir semente de girassol ou semente de linhaça que pode se administrada com cautela, por exemplo, precisaria voar muitos quilômetros para gastar a energia contida.

Representação[editar | editar código-fonte]

Erétil distintivo a calopsita tem a crista que expressa o estado emocional do animal. A crista é dramaticamente vertical quando o periquito se assusta ou animado, oblíquo suavemente em seu estado neutro ou relaxado,[4] e aplainado perto da cabeça quando o animal está com raiva ou defensiva. A crista também é realizada plana, mas se projeta para fora na parte de trás quando o periquito está tentando parecer atraente ou sedutora. Em contraste com a maioria das cacatuas, o periquito tem longas penas da cauda aproximadamente tornando-se metade do seu comprimento total. Aos 30 cm a 33 cm (12 a 13 ins), a calopsita é a menor das cacatuas. O último que varia entre 30 cm a 60 cm (12-24 polegadas) de comprimento.

O "Normal Grey" ou "tipo selvagem" plumagem do periquito é principalmente cinza com flashes brancos proeminentes nas bordas exteriores de cada asa. O rosto do macho é amarelo ou branco, enquanto a face da fêmea é principalmente cinza ou cinza claro, e ambos os sexos possuem uma área de laranja rodada em ambas as áreas de ouvido,[5] muitas vezes referida como "bochechas cheddar". Esta coloração é geralmente laranja vibrante em homens adultos, e muitas vezes bastante silenciado nas fêmeas. Visual sexagem é muitas vezes possível com esta variante da ave.

Distribuição e Habitat[editar | editar código-fonte]

Calopsitas são nativas da Austrália, onde eles são encontrados em grande parte árido ou semi-árido país, mas sempre perto de água. Em grande parte nômade, a espécie irá se mover para onde a comida e a água está disponível. [6] Eles são tipicamente vistos em pares ou em pequenos bandos.[7] Às vezes, centenas se reunirão em torno de um único tal corpo de água. Para espanto de muitos agricultores, que muitas vezes comer culturas cultivadas. Eles estão ausentes do sudoeste mais fértil e cantos sudeste do país, os mais profundos da Austrália Ocidental desertos, e Península do Cabo York . Eles são os únicos Cockatoo espécies que às vezes podem se reproduzir, no final de seu primeiro ano.

Canto da calopsita

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

O dimorfismo sexual[editar | editar código-fonte]

A fêmea adulta é distinto do macho adulto por ter filas de manchas amarelas nas asas, e um amarelo restrição nas penas da cauda.[8]  Jovens do sexo masculino também possuem essas barras atrás da cauda, ​​quando eles começam a se mover é quando perdem.[9]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Casal de caturras
Casal e seus ovos, repare na postura de defesa do macho, à direita, preste a atacar em caso de ameaça a fêmea ou aos ovos.

Algumas mutações de caturras têm dimorfismo sexual quando adultas. A maioria das caturras, todavia, apenas pode ter o sexo identificado com segurança através do exame de DNA. Que custa de cerca de 12 até 15 reais.

A reprodução poderá ser feita a partir de 12 meses durante todo o ano, mas é aconselhável tirar apenas duas ou três ninhadas por ano. Tem uma postura de quatro a sete ovos com incubação de 17 a 22 dias. Os filhotes devem ser separados dos pais com oito semanas de vida.

De acordo com experiências mais atuais, pode-se constatar que em sua primeira postura, a fêmea acasalando com um macho de idade inferior a 12 meses, produziu quantidade inferior a 4 ovos.

O ninho pode ser horizontal ou vertical, mas geralmente são utilizados ninhos verticais de 30 cm de altura. O fundo do ninho deve ser coberto com turfa ou aparas de madeira. Ambos os sexos chocam, os machos principalmente de dia e as fêmeas de noite.

Na natureza, costuma se reproduzir nas épocas de chuvas, até porque os alimentos aparecem mais fartamente, em cativeiro a reprodução pode ser feita o ano todo, mas principalmente na primavera e/ou verão. Na floresta essa ave procura geralmente um eucalipto que esteja próximo à água e faz seu ninho em algum buraco já existente na árvore.

É originária da floresta australiana, e conheceu uma grande expansão por criadores em todo o mundo.

Esperança de vida[editar | editar código-fonte]

A vida útil do periquito em cativeiro geralmente é dado como 16-25 anos, [10] embora às vezes é dado tão curto quanto 10-15 anos, e há relatos de caturras que vivem desde que 32 anos, o mais velho confirmou espécime relataram estar 36 anos de idade.[11] Dieta e exercício são os principais fatores determinantes na vida da calopsita.

Mutações[editar | editar código-fonte]

No cativeiro foram surgindo mutações de cores variadas, algumas bastante diferentes das observadas na natureza. A partir de 1949 a espécie começou-se a difundir pelo mundo, com a criação do "silvestre", e em seguida "arlequim" mutação desenvolvida na Califórnia, nos Estados Unidos.

Existem muitas mutações de calopsitas com cores variadas, são elas: Silvestre, Arlequim, Lutino, Canela, Opalina (Pérola), Cara Branca, Prata, Lutina, Albino (há um padrão albino e não apenas mutações genéticas), Pastel, Prata Recessivo e Prata dominante.

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, os primeiros exemplares importados desembarcaram a partir de 1970 e hoje já existem muitos criadores, o que os tornam relativamente populares.

Referências

  1. "cockatiel".
  2. "[1]".
  3. Paulline Carrilho. 2009. "Saiba Mais Sobre A Origem Das Calopsitas" Página visitada em 03/08/2012
  4. "Cockatiel".
  5. "Cockatiel".
  6. "Fichas técnicas cockatiel". Página visitada em 2008-08-30.
  7. "Ficha técnica cockatiel". Página visitada em 2008-08-30.
  8. "Dimorfismo sexual".
  9. "Dimorfismo sexual".
  10. "[cockatielcottage.net Histórico cockatiel]".
  11. "[cockatielcottage.net Cockatiel life]". Cockatiel.