Cintura escapular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ossos da cintura escapular, com o tronco

Cintura escapular ou simplesmente escápula, designa em anatomia a porção mais elevada do membro superior, composta pela escápula (também chamada de omoplata) e pela clavícula, conectados entre si por meio de ligamentos.

Características Anatómicas[editar | editar código-fonte]

Escápula[editar | editar código-fonte]

A escápula, osso par, chato, fino e formato triangular, forma a parte dorsal da Cintura escapular, é um dos dois ossos que compõem o ombro, e que estabelecem uma ligação entre os membros superiores com o tronco.

Situado na região costal do ombro, na altura entre as segunda e sétima costelas, articula-se com dois outros ossos: o úmero e a clavícula(apenas nos humanos e nas aves, pois os outros animais não possuem clavícula) - articulando-se ao tronco através desta última. Apesar disto, tem grande importância para movimentação dos braços, em razão da musculatura que a ela se prende.

Sua importância funcional reporta-se a movimentos como, por exemplo, erguer o os braços lateralmente ou para a frente - quando então são movimentados os úmeros, as escápulas e até mesmo as clavículas.

No que se refere à vascularização, os músculos escapulares são, em geral, irrigados pela artéria subescapular, derivada da artéria subclávia.

Os movimentos da escápula requerem deslizamento da mesma sobre o tórax. Normalmente existe flexibilidade considerável de tecido mole, o que permite que a escápula participe de todos os movimentos do membro superior.

Os movimentos da escápula são de elevação, depressão, protração (abdução) e retração (adução);

Músculos Principais e Secundários[editar | editar código-fonte]

  • Trapézio (porção inferior) - tem origem nos processos espinhosos das vértebras torácicas, sua inserção se dá no espaço triangular na base da espinha da escápula, a orientação das fibras são para cima e para fora, da coluna até à espinha escapular e tem por ação principal girar superiormente, deprimir, aduzir e estabilizar a escápula. Sua inervação é feita por nervo acessório (nervo craniano XI_ espinhal) e ramos de C3-C4.
  • Romboide (maior e menor) - tem origem nos processos espinhosos de C7 a T5, faz sua inserção no bordo vertebral da escápula, entre a espinha e o ângulo inferior; a orientação das fibras é para baixo e para fora, e sua ação principal é retrair a escápula, e secundária estabilizar, rodar e elevar a escápula. A enervação é feita pelo nervo escapular dorsal C4-C5
  • Latíssimo do dorso - tem origem nos processos espinhosos de T6-T12, vértebras lombares e sagradas, da 8ª à 12ª costela, fáscia toraco-lombar, ângulo inferior da escápula e, por vezes, lábio posterior da crista ilíaca. Sua inserção é no lábio medial do sulco intertubercular do úmero. As as fibras orientam-se para cima e para fora, em direção ao úmero. A ação principal: aduz o braço (e a escápula) e secundária: estende e roda medialmente o braço. A inervação: nervo toraco-dorsal.
  • Peitoral menor - Origem: superfícies anteriores da 3ª à 5ª costela; Inserção: processo coracoide; Orientação das fibras: para cima e para fora; Acção principal: deprime a escápula ou eleva as costelas; Inervação: nervo torácico anterior;
  • Subclávio - Origem: 1ª costela; Inserção: na clavícula, entre os ligamentos costoclavicular e conoide; Orientação das fibras: para cima e para fora, quase horizontalmente; Ação principal: estabiliza a cintura escapular; ação secundária: deprime a cintura escapular e eleva a 1ª costela; Inervação: nervo subclávio
Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.