Coletor menstrual

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coletor Menstrual, da marca Green Donna.

Coletor menstrual é um dispositivo de barreira, desenvolvido para coletar o fluxo menstrual internamente. Ao contrário dos absorventes externos ou internos (tampões), coleta o fluxo ao invés de absorvê-lo.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O mais comum possui a forma de um sino ou taça, feito em silicone médico, elastômero termoplástico ou látex. É reutilizável e possui vida útil estimada entre 5 e 10 anos.

Existe um modelo menos comum, feito em polietileno e de forma similar ao diafragma. Este último modelo é descartável; é encontrado apenas na marca Instead. Por ser bastante flexível e macio, o modelo descartável pode ser usado durante o sexo (embora não seja um contraceptivo e não deva ser usado como um). Os modelos reutilizáveis em forma de taça devem ser removidos antes do ato sexual.

História[editar | editar código-fonte]

Segundo informações do The Museum of Menstruation and Women’s Health, o coletor menstrual é produzido industrialmente desde a década de 1930 (há registros de coletores rudimentares circulando desde 1867). O primeiro coletor patenteado era assinado por Leona Chalmers e foi concebido nos Estados Unidos com o nome de Tass-ette; a idéia era fabricá-lo em borracha vulcanizada. Houve uma venda e divulgação significativa do coletor nesta década, e se seguiu um longo silêncio acerca do assunto.

Na década de 1950, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial foram fabricados copos menstruais nos Estados Unidos; a fabricação foi interrompida sem lucros anos depois, em 1963, por carência de látex, e por não ter se tornado muito popular, devido à opinião das mulheres: o achavam muito grande, rígido e pesado, além da questão cultural que envolve a manipulação da genitália e das secreções vaginais.

O coletor reapareceu em 1970, agora com o nome de Tassaway. Desta vez, ressurgiu como um coletor descartável. A fábrica acabou sendo fechada em poucos anos.

Desde 1987 é fabricado, também nos Estados Unidos, o coletor The Keeper, feito em látex. Foi o primeiro modelo fabricado em dois tamanhos, um deles voltado para mulheres mais jovens e sem filhos. Foi-se tornando bastante popular por ser reutilizável e duradouro, permitindo grande economia de dinheiro ao longo dos anos; além disso, desde o seu predecessor, Tassaway, o coletor recebeu boas críticas dos médicos, que o julgaram extremamente seguro, inócuo e capaz de reduzir a ocorrência de infecções genitais comumente relacionadas ao uso de absorventes externos (tanto descartáveis quanto reutilizáveis) e tampões. O coletor menstrual The Keeper, de látex, continua à venda até hoje.

Nos últimos anos, os coletores vêm sendo fabricados em materiais alternativos como o silicone médico, por conta da possibilidade de alergia gerada pelo uso do látex. Muitas fábricas entraram na produção dos coletores, o que permite maior possibilidade de escolha entre modelos, formatos, cores, possibilitando assim uma maior adequação entre as usuárias.

Benefícios[editar | editar código-fonte]

São várias as razões para a escolha de um coletor menstrual ao invés de absorventes tradicionais. Algumas delas:

  • Economia – os coletores podem durar até 10 anos quando recebem cuidados adequados. Algumas marcas recomendam troca anual ou a cada 5 anos, outras o anunciam com validade indeterminada, embora em geral a troca seja definida pela usuária. O custo inicial de um coletor é maior do que o dos absorventes tradicionais, mas este custo é dissolvido ao longo do tempo de uso.
  • Consciência ambiental – com os coletores reutilizáveis, apenas o fluxo menstrual é descartado, o que contribui para menor produção de lixo. O algodão utilizado pela maior parte dos fabricantes de absorventes é alvejado, o que pode ser muito prejudicial ao meio ambiente e deixa traços de dioxina (um possível carcinógeno) no algodão.
  • Portabilidade – é muito mais cômodo carregar um único coletor do que vários absorventes.
  • Conforto – o coletor menstrual é utilizado internamente, no canal vaginal. O coletor não causa sensação de peso e não incomoda ao urinar. Também não altera as condições de umidade, pH e flora vaginal, por ser feito de silicone e não ter função absorvente. O coletor também pode ser usado durante atividade física na água e fora dela, e pode ser usado antes do início da menstruação (ideal para mulheres com ciclos irregulares).
  • Baixo risco de infecções – não há casos relatados de Síndrome do choque tóxico (sigla SCT, geralmente ligado ao uso de tampões tradicionais) em mulheres que usam o coletor. Quando usados corretamente, os coletores não aumentam os riscos de infecção. Há estudos que comparam a ocorrência de casos de endometriose entre mulheres que usam o coletor, mas não há evidências suficientes de que o dispositivo aumente a probabilidade de desenvolvimento de qualquer desordem de saúde.
  • Comodidade – os coletores têm capacidade para um volume de fluxo muito maior do que os tampões ou absorventes, o que permite um uso muito mais longo mesmo entre mulheres com fluxo intenso.

Possíveis dificuldades[editar | editar código-fonte]

Embora a maior parte das usuárias não possua reclamações sérias acerca do uso do coletor, algumas dificuldades podem ser encontradas:

  • Dor ou resistência – por ser um dispositivo diferente do usual, algumas mulheres sentem dificuldade na inserção ou na retirada do coletor. A dificuldade na inserção pode ser solucionada através da escolha de posições mais confortáveis; também se pode optar por formas de dobra (do coletor) mais adequadas para cada fisiologia. A dificuldade na retirada geralmente é causada pela força do vácuo formado pelo coletor dentro do canal vaginal(necessário para evitar vazamentos e para manter o dispositivo no lugar); isto pode ser solucionado com técnicas de retirada do vácuo antes da remoção do coletor.
  • Cólicas menstruais – algumas mulheres notam um aumento na freqüência e/ou intensidade deste problema ao usar o coletor; isto se deve, quase sempre, ao posicionamento inadequado do mesmo no interior do canal vaginal.
  • Vazamento – os casos de vazamento podem ocorrer por má colocação do dispositivo, não-formação do vácuo interno ou mesmo por intensidade do fluxo coletado. Deve-se procurar a melhor forma de inserção para que o mesmo fique adequadamente acoplado no canal vaginal, bem como observação do fluxo menstrual e da capacidade do coletor.
  • Incômodo – algumas vezes, o mau posicionamento do coletor pode causar incômodo; basta encontrar a localização ideal do mesmo no canal vaginal, e sua presença não deve ser sentida. Em alguns modelos, o coletor possui uma haste que ajuda na remoção, e ela pode ser muito longa para algumas mulheres, o que provoca algum incômodo – neste caso, basta cortar uma parte da haste (algumas mulheres preferem o coletor sem qualquer tipo de haste).
  • Puerpério – o uso de coletores não é recomendado no período puerperal (pós-parto).
  • Virgindade – em certos modelos, o coletor não é recomendado para mulheres que ainda não tenham tido relações sexuais e que se incomodem com o rompimento do hímen, uma vez que sua inserção ou retirada provavelmente causará este rompimento. No entanto, existem marcas que disponibilizam vários tamanhos para que o coletor menstrual escolhido se adapte perfeitamente às características e necessidades da usuária.

Este tipo de dificuldade costuma ser solucionado com o passar do tempo e com o aumento da experiência da usuária. Caso haja qualquer problema incomum ou de difícil resolução, o correto é procurar ajuda médica.

Tamanho[editar | editar código-fonte]

As diversas marcas de coletores disponíveis possuem tamanhos muito variados à venda. Apesar de ser uma escolha muito pessoal, alguns critérios devem ser levados em conta, tais como a compleição física, a ocorrência ou não de gravidez e parto (independente da via de nascimento) e a intensidade do fluxo. Cada marca define o critério para escolha de tamanho de acordo com a forma do coletor produzido. A forma também é importante, já que cada mulher é diferente em sua fisiologia; cada uma deve procurar um formato que julgue mais adequado para si. Em termos de fluxo, é necessário que cada mulher conheça o seu, tendo sido recomendados os coletores de tamanho maior para aquelas que possuem fluxo mais intenso; de qualquer forma, mesmo os menores coletores possuem capacidade muito maior do que a maioria dos tampões convencionais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Coletor menstrual