Efeitos de uma arma nuclear

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

A energia liberada por uma bomba nuclear pode ser categorizada em quatro grupos:[1]

  • Blast: 40-50% da energia liberada.
  • Radiação térmica: 30-50% da energia liberada.
  • Radiação ionizantes: 5% da energia liberada.
  • Radiação residual: 5-10% da energia liberada.
  • Espada: 1% da energia libertada.

No entanto dependendo do local, altura, ambiente e design da arma as categorias aqui apresentadas podem ter seus efeitos maximizados ou minimizados.[2]

Blast[editar | editar código-fonte]

Diagrama dos efeitos do Fat Man (uma bomba H tem um efeito muito maior).

Blast é a zona de maior destruição, corresponde ao hipocentro da explosão que geralmente corresponde a bola de fogo e regiões proximas, as rajadas de vento dentro do Blast chegam a 1 000 quilômetros por hora, na maioria das vezes todas as pessoas que estejam no blast morrem pela alta temperatura, radiação, e pela rápida diferença atmosférica, soterramento por escombros e a pressão da explosão sobre a pessoa.

Radiação térmica[editar | editar código-fonte]

Nukecloud.png
Queimaduras causadas pelo Little Boy em habitante de Hiroshima.

As armas nucleares emitem grandes quantidades de radiação térmica, essas radiações podem ser tão fortes que podem causar queimaduras, o que pode simultaneamente incendiar escombros, o que mata os sobreviventes da explosão, por carbonização.

Radiação Ionizantes[editar | editar código-fonte]

Corresponde as radiações e partículas alfa, beta e gama, a radiação ionizante geralmente causa morte a longo prazo por câncer, ou causa mutações genéticas, que são hereditárias causando deformações aos filhos dos sobreviventes.

Radiação residual[editar | editar código-fonte]

São as cinzas nucleares que se espalham pela atmosfera.

Espada[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Nuclear Explosions: Weapons, Improvised Nuclear Devices. U.S. Department of Health and Human Services (2008-02-16). Página visitada em 2008-07-03.
  2. [1]