Eleição incondicional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Calvinismo
John Calvin.jpg
João Calvino
Bases históricas:

Cristianismo
Agostinho de Hipona
Reforma

Marcos:

A Institutio Christianæ Religionis de Calvino
Os Cinco Solas
Cinco Pontos (TULIP)
Princípio regulador
Confissões de fé
Bíblia de Genebra

Influências:

Teodoro de Beza
John Knox
Ulrico Zuínglio
Jonathan Edwards
Teologia puritana

Igrejas:

Reformadas
Presbiterianas
Congregacionais
Batistas Reformadas

Eleição incondicional, é uma doutrina do Calvinismo, e faz parte dos assim chamados Cinco pontos do calvinismo. Segundo essa doutrina, ao criar o mundo Deus escolheu algumas pessoas para a salvação, de acordo com seus próprios propósitos e sem levar em conta a virtude, mérito, ou fé nessas pessoas.

Esta doutrina foi, primeiramente, registrada na Confissão Belga (1561), reafirmada nos Cânones de Dort (1619) e está representada em várias confissões reformadas.

Resumo da doutrina[editar | editar código-fonte]

Na teologia protestante, eleição é considerada como um dos elementos da predestinação, em que Deus escolhe alguns indivíduos para serem salvos. Os eleitos receberão misericórdia, e aqueles que não forem eleitos receberão a justiça.

No Calvinismo, esta eleição é chamado de "incondicional" pois a sua escolha para salvar alguém não depende de qualquer coisa inerente à pessoa, de qualquer ato que a pessoa realize ou crença que a pessoa exerce. Com efeito, segundo a doutrina da Depravação total (o primeiro dos Cinco pontos do calvinismo), a influência do pecado foi tão grande no indivíduo que ninguém está disposto ou é capaz de vir ou seguir a Deus se Deus primeiro não regenerar o coração dessa pessoa, a fim de dar-lhe a capacidade de amá-lo. Assim, a escolha na eleição é baseada exclusivamente na vontande soberana de Deus e não mediante as ações previstas do homem.

A posição reformada é combatida pela doutrina arminiana da Eleição Condicional, na qual a escolha de Deus para salvar uma pessoa é condicionada ao conhecimento divino dos eventos futuros, a saber, que alguns indivíduos exerceriam a fé e a confiança em resposta a oferta de salvação de Deus.

Ícone de esboço Este artigo sobre Teologia ou sobre um teólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.