Eustácio Maleinos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eustácio Maleinos
Conhecido(a) por
Nacionalidade Império Bizantino
Progenitores Pai: Constantino Maleinos
Parentesco Nicéforo II Focas (primo);
Leão Focas, o Jovem (primo);
Bardas Focas, o Jovem (sobrinho)
Ocupação General e governador
Título
Religião Cristianismo

Eustácio Maleinos (em grego: Εὐστάθιος Μαλεΐνος) foi um importante general bizantino e um dos mais ricos e influentes membros da aristocracia militar anatólia durante o final do século X. Manteve postos administrativos e militares seniores no Oriente, e esteve envolvido nas rebeliões aristocráticas contra o imperador Basílio II Bulgaróctone (r. 976–1025), lutando contra Bardas Esclero, mas apoiando a revolta de seu sobrinho Bardas Focas, o Jovem. Após o fracasso do último, não foi punido, mas sua imensa fortuna acabou por causar sua queda, com Basílio confinando-o numa mansão em Constantinopla e confiscando seus bens após sua morte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Eustácio era filho de Constantino Maleinos, um general sênior e governador do tema da Capadócia. A família Maleinos havia se tornado por esse tempo, principalmente através da estreita associação com a família Focas, uma das famílias mais importantes e influentes da aristocracia fundiária da Ásia Menor, que forneceu ao império muitos de seus generais.[1] Assim, Eustácio podia contar tanto com a considerável autoridade de sua família como com sua experiência em assuntos militares para assegurar um alto cargo. Tornou-se estratego do tema de Licandos, antes de seu primo, o imperador Nicéforo II Focas (r. 963–969), nomeá-lo, junto com seu posto original, como o primeiro governador bizantino (duque) de Antioquia após a cidade ser tomada pelo Império Bizantino em outubro de 969.[2] [3] [4] Cerca de um anos depois do assassinato de Nicéforo II em dezembro de 969, Maleinos foi transferido por seu sucessor, João I Tzimisces, (r. 969–976) para Tarso, na Cilícia, um posto que ainda mantinha em 976, quando o jovem Basílio II tornou-se imperador sênior.[5]

A ascensão de Basílio II ao governo imperial não foi bem aceita pela aristocracia militar, cujos membros, apoiados pelo exército, suas grandes propriedades e suas extensas redes de clientes, havia dominado o poder durante os trinta anos anteriores, quando Nicéforo Focas e João Tzimisces governavam como protetores nominais de Basílio e seu irmão mais novo, Constantino VIII.[6] Assim, logo após a morte de Tzimisces em janeiro de 976, seu principal apoiante, o doméstico das escolas Bardas Esclero foi declarado imperador. Maleinos, um adepto de Focas e por conseguinte adversário dos aliados de Tzimisces, manteve-se leal a Basílio. Embora não tenha conseguido evitar adequadamente a eclosão da rebelião de sua base original - a região à volta de Melitene através do Antitauro - e de ter sofrido uma pesada derrota frente aos rebeldes no final do verão de 976, Maleinos continuou a servir como um general leal até a supressão final da revolta em 979.[2] [7] [8]

Histamenon de ouro de Nicéforo II Focas (r. 963-969). Basílio II, o genro e co-imperador júnior de Nicéforo II, está representado no reverso
Histamenon de João I Tzimisces (r. 969–976)

Contudo, para conter com sucesso o rebelde, Basílio e seu importante ministro, o paracoimomeno Basílio Lecapeno, foram forçados a chamar de volta do exílio o general Bardas Focas, o Jovem, o sobrinho do imperador Nicéforo II, em 978 e o nomearam comandante dos exércitos orientais. Após sua vitória sobre Esclero, Focas e seus adeptos começaram a conspirar para derrubar o imperador. O conflito não eclodiu imediatamente, mas ambos os lados estabeleceram aquilo que o historiador Mark Whittow considerou uma "guerra fria".[9] Em 985, o imperador agiu, começando por demitir ou demover uma série de generais orientais leais à família Focas: o próprio Bardas Focas foi rebaixado para duque de Antioquia e Eustácio Maleinos foi dispensado do exército. Em 986, todavia, após a humilhante derrota de Basílio contra os búlgaros na batalha das Portas de Trajano e o retorno de Esclero do exílio em Bagdá, o imperador foi forçado a renomear Bardas Focas como comandante-em-chefe do Oriente. Bardas logo atraiu ardilosamente Esclero para uma reunião e o prendeu, mas agora o conflito decisivo pelo trono era inevitável: em 15 de agosto ou 14 de setembro de 987, na casa de Maleinos no tema de Carsiano, os líderes reunidos das famílias aristocráticas proclamaram Focas como imperador.[2] [10]

A rebelião de Focas espalhou-se rapidamente por toda a Anatólia. Finalmente Basílio, desesperadamente necessitado de tropas leais, concluiu uma aliança matrimonial com o Principado de Kiev: em troca de sua irmã Ana Porfirogênita, Vladimir I de Kiev (r. 980–1015) enviou 6 000 varegues com os quais Basílio conseguiu subjugar a revolta, com o próprio Focas caindo em batalha.[11] À exceção de alguns ajudantes dos rebeldes, Basílio tratou de forma relativamente generosa os apoiantes dos Focas. Assim, apesar de ser um dos mais proeminentes adeptos de Focas, Maleinos foi autorizado a manter seu título cortesão de magistro e suas extensas propriedades (fontes árabes registram que uma delas se estendia de Claudiópolis, na Bitínia, até o rio Sangário, cobrindo cerca de 115 quilômetros quadrados).[2] [12] [13]

Em 995, quando o imperador Basílio II retornou de sua campanha contra o Califado Fatímida na Síria, ele ficou nas propriedades de Maleinos, que supriu suntuosamente, com seus próprios recursos, as necessidades da comitiva imperial e de todo o exército. Basílio, que ficou muito impressionado e alarmado pela demonstração de riqueza e poder, levou Maleinos consigo para Constantinopla como um refém virtual, e, em janeiro de 996, emitiu uma nova lei contra a apropriação ilegal de terras de aldeias comunais pela aristocracia fundiária, os então chamados dynatoi ("os poderosos"), em uma tentativa de reduzir-lhes o poder. Confinado doravante à capital, Maleinos foi bem tratado, mas, nas palavras do cronista João Escilitzes, "fornecendo-o abundantemente de tudo o que precisava, Basílio prendeu Eustácio como se ele fosse um animal selvagem em uma gaiola". Após sua morte, suas propriedades e fortuna foram confiscados pelo imperador.[12] [13] [14] [15]

Referências

  1. Krsmanović 2003, Chapter 1
  2. a b c d Krsmanović 2003, Chapter 5
  3. Holmes 2005, p. 331-334
  4. Whittow 1996, p. 354
  5. Holmes 2005, p. 337
  6. Whittow 1996, p. 359
  7. Whittow 1996, p. 361-362
  8. Holmes 2005, p. 341; 451
  9. Whittow 1996, p. 363-366
  10. Whittow 1996, p. 368-370
  11. Whittow 1996, p. 370-373
  12. a b Kazhdan 1991, p. 1276
  13. a b Holmes 2005, p. 465-466
  14. Whittow 1996, p. 378-380
  15. Krsmanović 2003, Chapters 5 e 6

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Holmes, Catherine. Basil II and the Governance of Empire (976–1025) (em inglês). Oxford: Oxford University Press, 2005. ISBN 978-0-19-927968-5
  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium (em inglês). Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8
  • Whittow, Mark. The Making of Byzantium, 600–1025 (em inglês). Berkeley e Los Angeles: University of California Press, 1996. ISBN 0-520-20496-4