Faber-Castell

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Faber-Castell
Faber-Castell AG
Slogan Sua companheira para toda vida!
Tipo Sociedade anônima
Indústria Indústria de bens de consumo
Fundação 1761
Fundador(es) Kaspar Faber
Sede Stein / Nuremberg, Alemanha
Locais Stein/ Nuremberg, Alemanha
Presidente Anton Wolfgang Graf von Faber-Castell
Pessoas-chave Anton Wolfgang Graf von Faber-Castell, presidente
Empregados 7.000 (2012)
2.700 no Brasil
Produtos Material para escritório e diversos.
Certificação ISO 9001-2000
ISO 14001
Lucro 887 milhões (2005)
Página oficial Faber-Castell.com
Borrachas da Faber-Castell

Faber-Castell é uma empresa produtora de material de escritório alemã. Sua sede mundial encontra-se em Stein no norte da Baviera.

Com uma produção de aproximadamente 2 bilhões de lápis ao ano, a empresa é considerada uma das maiores mundialmente neste ramo. Atualmente a fábrica brasileira localizada em São Carlos, no Estado de São Paulo, é a maior produtora mundial de lápis de cor (com aproximadamente 1,5 bilhão ao ano). A partir de setembro de 2013, a Faber Castell de São Carlos passará a contar com mais uma fábrica, a Faber Cosmetics. A Cosmetics fornece produtos para gigantes dos cosméticos no Brasil, tais como Natura, Avon e outras.1

História do lápis[editar | editar código-fonte]

Lápis Sextavado da Faber-Castell. O formato sextavado não deixa o lápis rolar na mesa

Faber-Castell é um dos grupos industriais mais antigos do mundo, surgido antes mesmo da Revolução Francesa e da formação dos Estados Unidos. A companhia foi fundada por Kaspar Faber em 1761, em Stein, próximo a Nuremberg, e no seu início apenas produzia lápis.2 A ascensão da empresa a nível internacional deu-se com a entrada de Lothar von Faber, bisneto de Kaspar Faber, em 1839, o qual após um estágio de três anos em Paris, sucedeu seu pai Georg Leonhard Faber, assumindo a gerência da empresa. A companhia sempre foi comandada pela família, estando atualmente na oitava geração, sendo controlada pelo Anton Wolfgang Graf von Faber-Castell (Conde de Faber-Castell). Foi em 1851, que Lothar von Faber introduziu a forma de lápis em madeira válida até hoje na indústria mundial de instrumentos de escrita. Porém, foi somente no ano de 1898 que surge o nome Faber-Castell, com o casamento de Ottilie von Faber com o Conde Alexander zu Castell-Rüdenhausen. Em 1905 o conde Alexander Faber-Castell lança o lápis Castell 9000, no mercado ainda hoje. Depois dos anos da depressão de 1929 a fábrica de lápis é assumida por Johann von Faber. A definitiva ascensão mundial começa em 1948, quando foram lançadas as primeiras lapiseiras para desenho, principalmente para desenho técnico, necessitando de grafite com um diâmetro de poucos milímetros.

Atualmente a empresa conta com grande reputação, principalmente por ter produtos de alta qualidade, e possuir grande responsabilidade ambiental. Por exemplo, toda a madeira utilizada na confecção de seus lápis vem de áreas de reflorestamento no Brasil, plantadas em áreas originalmente desmatadas e que foram recuperadas pela empresa. A unidade brasileira é a maior subsidiária do grupo e produz anualmente 1,5 bilhão de Ecolápis (a denominação que hoje a empresa dá aos seus lápis) cerfificados pelo FSC.

Novidades da categoria[editar | editar código-fonte]

2005, a Faber-Castell traz uma inovação para o mercado, com os lápis grip, “lápis das bolinhas”. De formato triangular, que facilita a pega, os lápis de cor e de grafite Grip possuem as exclusivas esferas antideslizantes que proporcionam maior firmeza, conforto e melhores resultados ao escrever, desenhar e pintar.

Em 2007, os lápis Faber-Castell passam a se chamar EcoLápis, uma tradução dos produtos que a Faber-Castell já fabricava, pois a companhia sempre utilizou para a produção dos seus lápis, madeira 100% reflorestada. Tanto a área de plantio de pinus caribea utilizados na fabricação dos lápis da empresa, como os próprios produtos são certificados com o selo FSC (Forest Stewardship Council).

Hoje, ainda localizada em Stein, na Alemanha, é um grupo de empresas que oferece produtos de alta qualidade para escrita, desenho, pintura e desenvolvimento criativo para pessoas de todas as idades.

O lápis mais antigo do mundo[editar | editar código-fonte]

O lápis mais antigo do mundo

Este objeto incomum foi encontrado em meio às colunas do sótão de uma casa construída no século 17. O lápis foi provavelmente esquecido por um carpinteiro por acidente, onde ficou por 3 séculos. Este lápis é feito de 2 pedaços de madeira de tília, colados com uma barra de grafite entre elas e apresenta sinais de uso que atestam sua idade. O mais antigo exemplo de lápis de madeira do mundo, hoje é cuidadosamente preservado pelo acervo Faber-Castell localizado na Alemanha.

O menor lápis do mundo[editar | editar código-fonte]

O menor lápis do mundo

O menor lápis do mundo tem 17,5mm de altura e cerca de 5mm de espessura, e é feito de madeira de abeto (gênero Picea, nativa das florestas temperadas da Europa e Ásia). Esta miniatura de lápis foi produzido especialmente para o conde de Faber-Castell. A pequenina peça foi tão admirada, que ele solicitou a produção de 50 peças para presentear alguns amigos no Natal. O menor lápis tem uma mina grafite de 0,3mm de diâmetro, mas para usá-lo para escrever, provavelmente será necessário uma pinça.

Castell 9000 - Com 10 graduações que vão do 6B ao 2H, o centenário Castell 9000 é ideal para desenhar e fazer esboços.
Jumbo - Com um diâmetro mais grosso e formato triangular, os lápis Jumbo dão ideais para as mãozinhas pequenas.
Lapiseira Poly Super Grip - Mais grossa e fácil de escrever.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Faber-Castell
Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. http://jornalpp.com.br/economia/item/40979-faber-cosmetics-recebe-katharina-nee-von-sprecher-bernegg
  2. Wit, Bob de; Meyer, Ron. Strategy: Process, Content, Context : an International Perspective. Cengage Learning EMEA, 2010. pp. 259.