Faustino da Fonseca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Faustino Fonseca)
Ir para: navegação, pesquisa

Faustino da Fonseca (Angra do Heroísmo, 1 de Abril de 1871Lisboa, 22 de Outubro de 1918) foi um político, jornalista e escritor que colaborou em vários jornais de Angra do Heroísmo e de Lisboa. Como escritor editou vários livros e traduções. Foi deputado constituinte e senador na Primeira República Portuguesa, director da Biblioteca Nacional de Lisboa1 (1911-1918) e sócio da Academia das Ciências de Lisboa2 .

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Angra do Heroísmo, filho de um militar liberal que havia ficado nos Açores após a Guerra Civil. Concluiu o ensino secundário no Liceu Nacional de Angra do Heroísmo, preparando-se para seguir a vida militar. Na sua cidade natal iniciou-se no jornalismo, dirigindo o Noticiarista e revelando-se adepto das ideias republicanas. Partiu para Lisboa com o objectivo de frequentar o curso preparatório da Escola do Exército, onde se matriculou. As suas convicções republicanas, acirradas pela Revolta de 31 de Janeiro, levaram-no a não prosseguir a vida militar, dedicando-se ao jornalismo, colaborando com jornais como O Século, Correio da Manhã, Mundo e Luta. Em 1895 dirigiu o periódico Vanguarda.

Manteve intensa actividade política, especialmente a partir do ultimato britânico de 1890, distinguiu-se como agitador e membro do Batalhão de Voluntários que se ofereceu para ir defender Lourenço Marques, sendo em consequência preso em diversas ocasiões.

Com a implantação da República Portuguesa foi eleito deputado à Assembleia Constituinte pelo círculo eleitoral de Angra do Heroísmo. Com a aprovação da Constituição da República Portuguesa de 1911 passou a ocupar o cargo de senador, integrando o primeiro Senado da República. Em 1915 voltou a ser eleito senador pelo mesmo círculo.

Em Março de 1911 foi nomeado director da Biblioteca Nacional de Lisboa, substituindo no cargo Xavier da Cunha. Dirigiu aquela biblioteca até à sua morte, levando a cabo diversas iniciativas visando a democratização cultural.

Pertenceu à maçonaria, tendo sido iniciado em 1895. na Loja Renascença, em Lisboa, adoptando o nome simbólico de Vasco da Gama.

Para além de uma extensa obra jornalística, é autor de uma volumosa e diversificada obra literária, abrangendo áreas tão diferentes como a teoria política, a historiografia, o romance histórico e as peças para teatro.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1892 — Lira da Mocidade [primeiros versos] . Angra do Heroísmo, Tip. Artística;
  • 1896 — Três meses no Limoeiro. Lisboa, Liv. Bordalo (duas edições);
  • 1896 — Regresso ao Lar (romance com ilustrações de Roque Gameiro; folhetim em O Século);
  • 1896 — O descobrimento do caminho marítimo para a Índia. 1 vol.;
  • 1898 — O escândalo dos dramas do concurso do Centenário da Índia. Lisboa, Editora Agência Universal Publ.;
  • 1898 — A descoberta da Índia. Lisboa Ed. Companhia Nacional Ed.;
  • ---- — Alma Portuguesa;
  • 1900 — Pedro Alvares Cabral. 1 vol.;
  • 1900 — Descoberta do Brasil. Lisboa, Tip. da Companhia do Jornal «O Século»;
  • 1900 — Inês de Castro, 2 volumes. Lisboa, Biblioteca Popular, Emp. Ed. Publ. (há duas edições);
  • 1901 — ''Escravos (romance publicado como folhetim em A Folha do Povo);
  • 1901 — Padeira de Aljubarrota, romance historico (com ilustrações de Bemvindo Ceia). 2 vol.;
  • 1902 — As mulheres portuguêsas na Restauração de Portugal, romance historico (com ilustrações de Roque Gameiro), 3 vol.;
  • 1905 — Os filhos de Ignez de Castro, romance historico (em colaboração com Joaquim Leitão), 1 vol.;
  • 1905 — Anedotas de Reis, Príncipes e Outras Personagens Portuguesas e Estrangeiras. Lisboa, Liv. Ed. Tavares Cardoso;
  • 1905 — El-rei D. Miguel (chronica popular do absolutismo). Lisboa, Ed. Guimarães e Companhia;
  • 1905 — Anedotas de reis, príncipes e outras personagens portuguesas e estrangeiras, extrahidas, traduzidas, compiladas e prefaciadas, 1 vol.;
  • 1906 — Os Bravos do Mindello. Lisboa, Liv. Ed. Tavares Cardoso (eBook);
  • 1906 — Beijos por lágrimas, romance histórico. Folhetim em A Lucta;
  • 1906 — Bons ditos de reis, principes e outras personagens portuguêsas e estrangeiras, extrahidas, traduzidas, compiladas e prefaciadas;
  • 1910 — História e Lenda de Inez de Castro. Lisboa, Ed. Guimarães e Companhia;
  • 1911 — Os materiais da revolta. Lisboa, Ed. Nazaré Chagas;
  • 1912 — Relatório do Director da Biblioteca Nacional de Lisboa (1911-1912) . Coimbra. Imprensa da Universidade.

Notas

  1. José Avelino Rocha Santos e Lúcia Santos, nota preambular à edição fac-simile da obra Os bravos do Mindelo, Angra do Heroísmo, 2005 (ISBN 9-789726-472179).
  2. Decreto de nomeação para director da BNL.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Alfredo Luís Campos, Memória da Visita Régia à Ilha Terceira. Imprensa Municipal, Angra do Heroísmo, 1903;
  • Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, vol. III, p. 107. Lisboa, Europa-América, 1994;
  • Dicionário Portugal, volume III, p. 513. Lisboa, Romano Torres, 1907;
  • A. H. Oliveira Marques, Parlamentares e ministros da Primeira República (1910-1926), p. 216. Assembleia da República e Edições Afrontamento, Lisboa, 2000.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]