Gareth Thomas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gareth Thomas
Gareth Thomas (rugby player).jpg
Thomas em 2011
Informação pessoal
Nome completo Gareth Thomas
Data de nascimento 25 de julho de 1974 (40 anos)
Naturalidade Ogwr,  Reino Unido
Carreira no Rugby
Situação actual
1995-2007
2005
Flag of Wales 2.svg País de Gales
British and Irish Lions flag.svg British and Irish Lions
100
3
(200)
(5)

Gareth Thomas (Ogwar, 25 de julho de 1974), conhecido por "Alfie", é um ex-jogador profissional de rugby galês, passando tanto pelo rugby union quanto pelo rugby league. Jogava como ponta, centro e, ultimamente, como fullback. Quando já era uma lenda do rugby, ficou ainda mais marcado como o primeiro atleta abertamente homossexual em atividade neste esporte, após revelação feita ao fim da carreira.[1]

Carreira no rugby union[editar | editar código-fonte]

Thomas foi capitão da seleção galesa de rugby union, alcançando 100 internacionalizações ao serviço dos Dragons,[1] e também foi capitão dos British and Irish Lions.[2] É considerado uma lenda do rugby galês. Tornou-se em 2007 o jogador que mais defendeu Gales no rugby union, ultrapassando contra a Austrália as 92 partidas de Gareth Llewellyn; contra Fiji, tornou-se o primeiro a realizar o centésimo jogo pela seleção, recorde ainda seu.[1]

Ele também chegou a deter a marca de maior marcador de tries da seleção (fez quarenta), sendo posteriormente ultrapassado em 2008 por Shane Williams. Na lista mundial, dentre todas as seleções, Thomas é o nono neste aspecto. É também um dos sete galeses que conseguiram realizar quatro em uma única partida (contra a Itália, em 1999),[1] e o galês de carreira mais longe nas Copas do Mundo de Rugby, com 14 jogos em quatro edições, durante doze anos.[3]

Ele estreou por Gales em 1995, marcando já na primeira partida três tries.[4] Dez anos depois, em 2005, ano em que esteve nos British and Irish Lions, Thomas conseguiu seu maior momento com a seleção galesa, ali campeã pela primeira vez do novo Seis Nações,[5] e também seu maior sucesso a nível de clubes, ao vencer a Heineken Cup (principal torneio interclubes do hemisfério norte) com a equipe francesa do Stade Toulousain.[1]

A homossexualidade[editar | editar código-fonte]

Ele, porém, ficaria ainda mais marcado ao admitir sua homossexualidade, em 2009.[1] A confirmação pública de Thomas de sua sexualidade fez dele o primeiro profissional jogador de rugby homossexual assumido ainda em atividade.[2] [6] [7] Thomas afirmou que tomou a decisão de tornar pública sua orientação sexual para incentivar outros atletas a fazer o mesmo. Anteriormente, ele evitava falar sobre o assunto, inclusive o descartando de sua autobiografia, Alfie, publicada no verão europeu de 2006, época em que se separou da esposa. Em novembro do mesmo ano, faria a revelação, restrita e emocionadamente, a dois de seus companheiros de time, ainda temeroso de que fosse rejeitado.[2]

Apoiado pelos colegas, pela ex-mulher e pela família, porém, ele ainda manteve sua real personalidade em segredo por um tempo: "Era homem demais para aceitar um chá, e andava sempre metido em rixas e agressões porque não queria que me descobrissem. Cheguei a inventar façanhas sexuais", afirmou, declarando que também pensou no suicídio.[2]

Cquote1.svg Espero que o meu exemplo faça diferença para todos os que estão numa situação parecida que a minha. Eu era como uma bomba-relógio. Pensei que podia reprimir esse sentimento, mantê-lo fechado em algum canto escuro dentro de mim, mas foi impossível. Não podia ignorar mais quem eu realmente era.[2] Cquote2.svg
Sobre sua saída do armário

Em Dezembro de 2009, Thomas foi o mais votado para a lista dos 101 gays mais influentes do Reino Unido em 2010[8] e recebeu o prémio Stonewall "Herói do Ano" em Outubro de 2010. Thomas apoia a Childline e é co-fundador da Distinct Management.

Além do rugby union[editar | editar código-fonte]

Ao fim da carreira e já após publicamente reconhecer-se gay, em março de 2010 passou brevemente pelo código rugby league,[1] inclusive defendendo em quatro partidas também a seleção galesa desta modalidade. A nível de clubes, ele defendeu o Celtic Crusaders,[9] que era o representante galês no Super League, o campeonato inglês deste esporte.[10]

Ainda em 2010, começaram rumores sobre a realização de um filme sobre a sua vida, com o ator Mickey Rourke sendo cotado para interpretá-lo e inclusive encontrando-se com Thomas para conversas sobre a produção;[11] em 2012, foi anunciado que o papel ficaria com Arnold Schwarzenegger.[12] Antes, em 2011, Thomas foi um dos rugbiers convidados para o casamento do Príncipe William com Kate Middleton (William, Príncipe de Gales, é vice-patrono da União Galesa de Rugby).[13]

Referências

  1. a b c d e f g Gareth Thomas ESPN Scrum. Visitado em 04/04/2013.
  2. a b c d e ABREU, Dado (fevereiro de 2010). "O mais macho de todos". Revista ESPN n. 4. Editora Spring, p. 31
  3. Longest career ESPN Scrum. Visitado em 04/04/2013.
  4. RAMALHO, Victor (26/09/2011). Gales faz sua parte e bate a Namíbia com chuva de tries Portal do Rugby. Visitado em 04/04/2013.
  5. RAMALHO, Victor (10/05/2011). Documentário "A História Oficial do Rugby Galês" - Partes 13 a 15 Portal do Rugby. Visitado em 04/04/2013.
  6. http://br.noticias.yahoo.com/s/afp/rugbi_wal_homossexualidade
  7. Wales and Lions full-back Gareth Thomas reveals he is gay, The Daily Telegraph, 18 December 2009
  8. Hugh, Montgomery. "The IoS Pink List 2010", The Independent, 1 August 2010. Página visitada em 11 November 2010.
  9. Gareth Thomas Rugby League Project. Visitado em 04/04/2013.
  10. RAMALHO, Victor (01/02/2013). Conheça a Super League, o Campeonato Inglês de Rugby League Portal do Rugby. Visitado em 04/04/2013.
  11. VENTURI, Cássio (18/07/2010). Vida de Gareth Thomas pode virar filme Portal do Rugby. Visitado em 04/04/2013.
  12. RAMALHO, Victor (13/04/2012). Giro de Notícias Internacionais Portal do Rugby. Visitado em 04/04/2013.
  13. Giro de Notícias Portal do Rugby (29/04/2011). Visitado em 04/04/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]