Green Mansions

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Green Mansions
A flor que não morreu (BR)
 Estados Unidos
1959 • cor • 104 min 
Direção Mel Ferrer
Produção Edmund Grainger
Roteiro Dorothy Kingsley
Elenco Anthony Perkins
Audrey Hepburn
Lee J. Cobb
Sessue Hayakawa
Henry Silva
Nehemiah Persoff
Michael Pate
Estelle Hemsley
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento 1959
Página no IMDb (em inglês)

Green Mansions é um filme norte-americano de 1959, dos gêneros romance e aventura dirigido por Mel Ferrer. Baseado no romance de 1904 Green Mansions de William Henry Hudson, o filme é estrelado por Audrey Hepburn (que na época era casada com Ferrrer) como Rima, uma menina da selva que se apaixona por um viajante, interpretado por Anthony Perkins. Também aparecem no filme Lee J. Cobb, Sessue Hayakawa e Henry Silva. A trilha sonora é de Heitor Villa-Lobos e Bronislaw Kaper.

O filme foi concebido para ser o primeiro de vários projetos de Ferrer estrelados por sua esposa, mas na realidade foi o único a ser liberado. Foi um fracasso de crítica e bilheteria, um dos primeiros da carreira de Hepburn. Vincente Minnelli foi originalmente escalado para dirigir o filme, mas os atrasos no projeto fizeram com que Ferrer fosse escolhido.

Diferenças entre o livro e o filme[editar | editar código-fonte]

O roteiro do filme geralmente segue o romance de Hudson, embora consideravelmente condensada. Além disso, no romance Rima é definitivamente consumida por um incêndio e suas cinzas são recuperadas por um Abel de luto; o final do filme é ambíguo quanto ao destino de Rima.

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Embora esforços consideráveis foram feitos para produzir uma fiel e convincente adaptação do livro, o filme não foi comentado gentilmente pelos críticos da época e não foi um sucesso comercial.

A Rima do livro tinha 1,37 m de altura, 17 anos de idade e cabelos escuros (embora descendente de um misterioso grupo de pessoas de pele clara), e viveu sua vida inteiramente nas profundezas da selva. Hepburn na época das filmagens era de 29 anos, muito mais alta do que no romance, e também sua beleza e pele lisa nunca poderiam ser tomadas como de uma criatura da floresta.

Música[editar | editar código-fonte]

Villa-Lobos[editar | editar código-fonte]

O compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos foi inicialmente escolhido para compor a trilha completa do filme. No entanto, sua música foi inspirada no romance original, ao invés da adaptação para o cinema.

Descontente com a forma que a música foi usada, Villa Lobos transforma sua trilha em uma cantata, Floresta do Amazonas.

Kaper[editar | editar código-fonte]

Apesar de Villa-Lobos ter feito alguns trabalhos sobre o filme editado, a tarefa de marcar concluído o filme foi feito por Bronislaw Kaper, com a condução de Charles Wolcott.

Para a trilha final, Kaper adaptou o material composto por Villa-Lobos. Música e arranjos adicionais foram fornecidos por Sidney Cutner e Leo Arnaud. O tema romântico, "Song of Green Mansions" foi composto por Kaper, com letra de Paul Francis Webster.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]