Igreja de Santo António dos Portugueses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja de Santo António dos Portugueses

A Igreja de Santo António dos Portugueses (em italiano: Sant'Antonio dei Portoghesi) é uma igreja barroca titular no centro de Roma, que funciona como igreja nacional da comunidade portuguesa visitante ou residente naquela cidade.

A igreja foi sucessivamente projectada por Martino Longhi il Giovani (1638), Carlo Rainaldi (1657), e finalmente por Cristoforo Schor (1697), no local de outra construída no século XV por iniciativa do cardeal Antão Martins de Chaves. A abóbada aduelada, construída entre 1674 e 1676, foi concebida por Rainaldi.

Os tetos têm estuques de Pompeo Gentile com frescos de Salvatore Nobili. O altar principal tem uma Aparição à Virgem. Numa das capelas existe um monumento neoclássico em honra de Alexandre de Sousa esculpido por Antonio Canova em 1808. Outra das capelas contém um Baptismo de Cristo da autoria de Giacinto Calandrucci e uma Circuncisão de João Baptista de Nicolas Lorrain e um monumento também da autoria de Giacinto Calandrucci.

Noutra capela existe um monumento fúnebre dedicado ao embaixador Manuel Pereira de Sampaio, por Pietro Bracci, datado de 1750 e noutra três trabalhos de Nicolas Lorrain: Natividade, Adoração pelos Reis Magos e Repouso ino Egipto. A primeira capela do lado esquerdo tem como peça sobre o altar uma Virgem com o Menino e os Santos António e Francisco da autoria de Antoniazzo Romano[1] .

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Mesmo diante da obra de Antoniazzo Romano, na igreja de Santo António dos Portugueses, desenvolve-se uma cena do romance La Serpe e il Mirto (1978) por Stefano Valentestefanovalente.com..