Intubação endotraqueal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Laringoscópio sendo usado na intubação endotraqueal

Intubação endotraqueal ou orotraqueal (IOT) é um procedimento de suporte avançado de vida onde o médico, com um laringoscópio, visualiza a laringe e através dela introduz um tubo na traquéia (tubo endotraqueal).

Tal tubo será utilizado para auxiliar a ventilar o paciente, pois possibilita que seja instituída a ventilação mecânica, ou seja a ventilação dos pulmões (respiração) através do uso de aparelhos (ventilador).

A intubação endotraqueal, é tambem usada na anestesia geral. É adminstrado 2 minutos antes, um opiode (como o fentanil) e um relaxante muscular, para facilitar a entubação. Cerca de 40 segundos antes é administrado um anestésico (propofol ou tiopental), intubado o doente e ligado ao ventilador. Aqui, é misturado 3 gases - ar, oxigénio (O2) além do oxido nitroso (N20) de maneira a manter a anestesia, pelo tempo necessário.

Outra possibilidade de ventilação dos pulmões é o acesso cirúrgico através da traqueostomia.

A IOT ou o uso da traqueostomia impedem que corpos estranhos (ex: sangue, vómito, secreções, etc) cheguem à traqueia e causem obstrução ao fluxo de ar. Existem alguns instrumentos utilizados na intubação entre eles cânula oral tipo Guedel (Tubo curvo e curto de plástico que não permite a queda da língua na faringe ou que o paciente morda o tubo endotraqueal, na reversão da anestesia) e o Ambu (ventilador manual).

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Devido a esta técnica ser usada em situações de emergência, o enfermeiro está também autorizado a praticar a IOT[carece de fontes?], na ausência de médico.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.