Khaemuaset

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estátua de grés de Khaemuaset no Museu Britânico

Khaemuaset foi um princípe da XIX dinastia egípcia, quarto filho do faraó Ramsés II e da rainha Isitnefert, que viveu no final do século XIII a.C.. Ocupa a décima primeira posição na lista dos filhos de Ramsés, que foram mais de cento e cinquenta. O seu nome significa "O que brilha em Tebas".

Desde o ano quinze do reinado de Ramsés que Khaemuaset estava ligado ao culto do deus Ptah. Começou por ser um sacerdote sem, tendo alcançado a posição de sumo sacerdote de Ptah em Mênfis possivelmente uma década depois.

Khaemuaset é apresentado habitualmente como um amante do passado que mandou restaurar edíficios antigos, como mostram as inscrições deixadas nas estruturas. Foi ele que ordenou a restauração dos túmulos de Chepseskaf, Sahuré e Niuserré, assim como a pirâmide de Unas. Também ordenou a restauração do templo de Ptah em Mênfis. Em função disto, Khaemuaset é por vezes visto como o primeiro egiptólogo.

Em Sakara, a necrópole de Mênfis, Khaemuaset mandou escavar as galerias subterrâneas onde foram sepultados os bois de Ápis.

No ano 52 do reinado do seu pai, Khaemuaset foi nomeado sucessor de Ramsés II, devido ao facto de ser o filho mais velho ainda vivo.

Khaemuaset faleceu no ano 55 do reinado de Ramsés II. Foi provavelmente sepultado em Sakara em vez de no túmulo KV5 do Vale dos Reis, mas não se sabe se junto às galerias subterrâneas dos bois sagrados. Neste local foi contudo encontrado um tesouro funerário com o seu nome.

Ramsés ainda viveu mais doze anos, tendo sido sucedido pelo seu décimo terceiro filho, Merneptá, que se tornou príncipe herdeiro após a morte de Khaemuaset.

Na Época Baixa desenvolveu-se um culto em torno da sua pessoa, sendo considerado como um mago. Conhecem-se vários histórias escritas entre o século II a.C. e o século II d.C. nas quais o príncipe é chamado de Setne. Uma delas descreve como Setne tentou roubar um livro de feitiços escrito por Tot que estava escondido num túmulo de Mênfis, tendo sido confrontado com o fantasma do dono do túmulo.

O faraó Ramsés III deu o nome de Khaemuaset a um dos seus filhos, num acto de imitação de Ramsés II, mas este não foi uma personalidade particularmente notável.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GRIMAL, Nicholas - History of Ancient Egypt. Blackwell Publishing, 1994. ISBN 0631193960.
  • RICE, Michael - Who´s Who in Ancient Egypt. Routledge, 1999. ISBN 0415154480.
  • SHAW, Ian (editor) - The Oxford History of Ancient Egypt. Oxford University Press, 2002. ISBN 0192802933