Lúcio (futebolista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lúcio
Lúcio - Inter Mailand (1).jpg
Informações pessoais
Nome completo Lucimar da Silva Ferreira
Data de nasc. 8 de maio de 1978 (36 anos)[1]
Local de nasc. Planaltina, DF,  Brasil[1]
Altura 1,88 m
Destro
Apelido Xerife, "Megazorde"
Informações profissionais
Clube atual Brasil Palmeiras
Número 3
Posição Zagueiro
Site oficial www.l3lucio.com.br
Clubes de juventude
1996 Brasil Guará
Clubes profissionais2
Anos Clubes Jogos (golos/gols)
1997–2000
2001–2004
2004–2009
2009–2012
2012
2013
2014–
Brasil Internacional
Alemanha Bayer Leverkusen
Alemanha Bayern Munique
Itália Internazionale
Itália Juventus
Brasil São Paulo
Brasil Palmeiras
0058 0000(6)
0122 000(21)
0218 000(12)
0136 0000(5)
0004 0000(0)
0032 0000(2)
0035 0000(1)
Seleção nacional3
2000–2011 Brasil Brasil 0106 0000(5)


2 Partidas e gols totais pelo
clube, atualizados até 27 de agosto de 2014.
3 Partidas e gols da seleção nacional estão atualizados
até 9 de setembro de 2011.

Lucimar da Silva Ferreira, mais conhecido como Lúcio (Planaltina, DF, 8 de maio de 1978), é um futebolista brasileiro que atua como zagueiro. Atualmente, joga no Palmeiras.

Lúcio é um jogador conhecido pela sua força física, pelo seu jogo aéreo e pela sua presença no ataque, o que já lhe rendeu a marca de 50 gols marcados na carreira.[2] Quase uma unanimidade entre os torcedores e especialistas brasileiros, Lúcio é, juntamente com Taffarel, o terceiro jogador que mais vezes vestiu a camisa da Seleção Brasileira de Futebol, com 101 presenças,[3] além de ter sido o capitão da equipe canarinha na Copa do Mundo de 2010 e na última Copa América.

Iniciou sua carreira em 1997, quando transferiu-se do Planaltina Esporte Clube para o Internacional de Porto Alegre[4] , onde jogou até 2000, quando, mesmo cobiçado pelo Barcelona[5] negociou sua ida para o Bayer Leverkusen, da Alemanha.[5] Lá, disputou a final da Liga dos Campeões da Europa de 2002, marcando o único gol dos alemães na derrota de 2 a 1 para o Real Madrid. Eleito melhor jogador do Campeonato Alemão de 2001-02[4] , em 2004, por 12 milhões de euros, acertou sua ida para o Bayern de Munique[6] , onde viria a conquistar o tricampeonato alemão. Preterido pelo técnico Louis Van Gaal, em 2009, Lúcio transferiu-se para a Internazionale de Milão[7] , onde conquistou a Liga dos Campeões da Europa de 2010 e o Mundial Interclubes.

Integrante da Seleção Brasileira desde 2000[8] , e capitão da equipe desde 2006[9] , Lúcio acumula uma série de conquistas importantes, como a Copa do Mundo de 2002 e a Copa das Confederações de 2009, quando marcou o gol do título.

Em 2 de Janeiro de 2014 o atleta assinou um contrato de dois anos com o Palmeiras no ano do seu centenário, contratação essa que teve aprovação de mais de 80% da torcida segundo pesquisas.

Facebook: https://www.facebook.com/l3lucio

Site: http://www.l3lucio.com.br/

Twitter: https://twitter.com/Lucio_L3

Carreira[editar | editar código-fonte]

O início[editar | editar código-fonte]

A atuação do zagueiro (que inicialmente jogava como atacante), revelado pelo Planaltina, na derrota por 7 a 0 do Guará para o Internacional pela Copa do Brasil de 1997, no Estádio Mané Garrincha, agradou aos olheiros do colorado gaúcho. O clube gaúcho desembolsou R$300 mil pelo jogador. Ficou no Internacional até 2000.

Futebol alemão[editar | editar código-fonte]

Na Alemanha, Lúcio jogou no Bayer Leverkusen entre 2001 e 2004, e no Bayern de Munique entre 2004 e 2009. Foi ídolo durante sua passagem pelo futebol do país, e conforme declarações do ex-treinador da Seleção Alemã, Jürgen Klinsmann, seria o brasileiro predileto dos alemães para jogar em sua seleção, caso se naturalizasse.

Pelo Leverkusen, disputou a final da Liga dos Campeões da UEFA de 2001-02, marcando o único gol dos alemães na derrota de 2 a 1 para o Real Madrid, na final que ficou marcada por um gol antológico de Zinédine Zidane. Eleito melhor jogador do Campeonato Alemão de 2001-02[4] , em 2004, por 12 milhões de euros, acertou sua ida para o Bayern de Munique[6] , onde viria a conquistar o tricampeonato alemão.

Durante a Copa das Confederações 2009, Lúcio recebeu a notícia de que não jogaria pelo Bayern de Munique na próxima temporada, pois o clube não renovaria seu contrato devido a uma renovação do elenco por jogadores mais novos, fato que causou muita polêmica entre os torcedores do Bayern, favoráveis a permanência do jogador.

Internazionale[editar | editar código-fonte]

Lúcio em ação pela Internazionale

Logo depois de sair do Bayern de Munique, Lúcio assinou um contrato com a Internazionale para integrar a equipe do técnico José Mourinho por três anos.[10]

Em sua primeira temporada pelo clube, 2009-10, foi um dos principais destaques na conquista da tríplice coroa (Champions League, Serie A e Coppa Italia). Curiosamente, na final da Champions League, Lúcio enfrentou o seu ex-clube, o Bayern de Munique, e foi fundamental na vitória da Inter pelo placar de 2-0.

Após três anos de um casamento praticamente perfeito com a Internazionale de Milão, o zagueiro Lúcio, ex-capitão da Seleção Brasileira, resolveu pedir o divórcio. Ansioso por novos ares, o brasileiro pediu para sair do clube italiano e foi atendido. [11]

Juventus[editar | editar código-fonte]

Em 4 de julho de 2012, Lúcio assinou com a Juventus por dois anos.[12] No mesmo ano, Lúcio sagrou-se campeão da Supercopa da Itália em uma vitória por 4-2 sobre o Napoli, conquistando assim seu primeiro e único título com a camisa da Velha Senhora. Cinco meses depois, no dia 17 de dezembro veio o anúncio de que Lúcio e a Juventus encerravam o contrato de modo consensual. O jogador teve uma participação frustrada na Juventus, tendo atuado em apenas quatro jogos: duas partidas na Liga dos Campeões, uma da Supercopa italiana e uma vitória na Série A italiana.[13] No dia 16 de dezembro de 2012, acertou sua saída da equipe de Turim, e confirmou as negociações que se desenvolviam desde meados de 2012 para seu retorno ao Brasil em 2013.[14]

São Paulo e o retorno ao futebol brasileiro[editar | editar código-fonte]

Em 18 de dezembro de 2012, dois dias depois de deixar a Juventus, Lúcio fechou por dois anos com o São Paulo, concretizando, depois de doze anos na Europa, seu retorno ao futebol brasileiro.[15] Acostumado à Europa, Lúcio, depois de mais de uma década no futebol europeu, afirmou que tenta vencer a timidez e ter mais momentos de descontração, fatores que lhe faziam falta no Velho Continente. A mesma língua, além do mais, foi outro ponto que tem beneficiado o zagueirão a se "soltar" no novo clube.[16]

Em março de 2013, após a derrota tricolor para o Arsenal de Sarandí por 2 a 1, pela Libertadores, Lúcio questionou sua substituição, feita pelo técnico Ney Franco, alegando que, quando saíra, o resultado era 0 a 0. Com relação a ter deixado o campo contrariado, o zagueiro se justificou da seguinte maneira: "Não fiquei bravo, fiquei triste. Não fui para o ônibus antes de acabar a partida. Eu assisti à partida do vestiário, que fica a dois metros do campo. Triste, todo o mundo fica (quando é substituído). Quando eu não ficar mais triste tenho que parar de jogar futebol".[17]

Dias depois, o jogador revelou ter falado "o que não devia" a Franco e a este, ainda na Argentina, pediu desculpas pelo incidente. Ainda para o zagueiro: " Estamos todos no mesmo barco e quero ajudar o São Paulo a reverter esta situação em que estamos."[18]

A má fase do zagueiro o levou a perder a posição de titular. Mas, em 7 de abril, quando foi escalado o time reserva são-paulino diante do Botafogo de Ribeirão, Lúcio marcou um gol de falta e foi um dos líderes na vitória por 3 a 1, fora de casa.[19]

Após a classificação heroica para cima do Atlético Mineiro, Lúcio prejudica o São Paulo ao ser expulso no jogo de ida das oitavas da libertadores contra o mesmo Atlético Mineiro, quando seu time ganhava por 1 a 0. Mas após a expulsão do jogador, o time, que até então tinha uma partida excelente, caiu de qualidade e se viu tomando 2 gols, o primeiro de Ronaldinho Gaúcho e o segundo de Diego Tardelli, sofrendo uma virada em pleno Morumbi de 2 a 1, o que tornou muito difícil a classificação para as quartas de final.

Ainda em baixa no Tricolor, Lúcio fez uma boa estreia de Brasileirão diante da Ponte Preta, marcando, inclusive, um gol na vitória por 2 a 0, e, assim, tenta recuperar a moral que tivera quando chegou ao clube, há cinco meses.[20] Em junho, após o empate fora de casa diante do Atlético-MG por 0 a 0, pela terceira rodada do principal certame em disputa no Brasil, Lúcio seria elogiado por Ney Franco. Esquecendo os atritos de um passado recente, o treinador afirmou que o zagueiro, agora, "está dando retorno nos jogos".[21]

No final de julho, no entanto, depois de uma troca de treinadores - Paulo Autuori substituiu Ney Franco - Lúcio, apesar de chances nos primeiros jogos sob o comando do novo técnico, acabou perdendo espaço no elenco, principalmente por, afobadamente, subir ao ataque e desguarnecer o setor defensivo tricolor.[22] Além do mais, correndo o risco de ficar de fora da excursão à Europa e ao Japão, o zagueiro ainda vê a diretoria estudar a rescisão de seu vínculo com o clube.[23]

Além do mais, Lúcio acabaria afastado do elenco são-paulino por insubordinação, após não aceitar críticas de Autuori. O treinador teria atribuído o gol do Internacional, na derrota tricolor por 1 a 0 aos gaúchos, a uma falha do defensor, que não aceitou as críticas do comandante.[24] Em 6 de agosto seguinte, numa entrevista ao jornal O Globo, o ex-treinador tricolor Ney Franco atribuiu o mau desempenho do pentacampeão mundial no clube graças a reclamações do goleiro Rogério Ceni. Segundo o treinador, Ceni reclama nos corredores de contratações que não são do seu agrado; e Lúcio, assim como Paulo Henrique Ganso, teria sido uma delas.[25]

Como consequência do seu afastamento, Lúcio não viajou à Alemanha para a disputa da Copa Audi, fator que acabou acarretando um prejuízo de 40 mil em relação ao valor inicialmente acordado. O que acarretou tal redução foi uma das cláusulas no contrato do campeonato, que exigia a presença do zagueiro, ídolo do Bayern de Munique, clube que o organiza. Mesmo diante da alegação da diretoria tricolor, que argumentou sobre os problemas de insubordinação, os alemães não foram flexíveis e fizeram valer seus direitos.[26]

Sem zagueiros e naufragado numa crise sem precedentes, Lúcio acabou, de solução, se tornando um "imbróglio" ao clube do Morumbi. Após não receber propostas e declinar às ofertas provenientes do mercado oriental, os são-paulinos também temem a rescisão com o zagueiro, que custaria R$2 milhões. Além do mais, treinando em separado, também gera severas despezas, já que seu salário está pouco abaixo do teto tricolor.[27] No entanto, apesar de todos os reveses que a manutenção do zagueiro representa financeiramente, o novo diretor de futebol do clube, Gustavo Vieira, confirmou que Lúcio não permanece no São Paulo. Se não houver acordo com nenhuma outra agremiação, o atleta pode acabar mesmo sendo dispensado.[28]

Com o fechamento da janela europeia bastante próximo (dia 31/08), o clube ainda tenta negociar Lúcio com algum interessado no Velho Continente. As chegadas de Antônio Carlos, do Botafogo, e Roger Carvalho, do futebol italiano, contribuíram para que houvesse o desinteresse são-paulino em manter o pentacampeão.[29]

Com a confirmação de seu afastamento, definitivo até segunda ordem, Lúcio perdeu, inclusive, sua camisa 3, que, agora, sem dono, fica à espera de algum novo atleta para vergá-la. Cabe lembrar que o ex-defensor da Juve recebeu tal número de Rafael Tolói, que passou, na temporada 2013, a trajar a 2.[30]

Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Em 2 de janeiro de 2014, assinou contrato para representar o Palmeiras no ano de seu centenário. O pentacampeão mundial com a Seleção deverá fazer dupla de defesa com o Wellington receberá, no novo clube, metade dos vencimentos daqueles que lhe eram pagos no Tricolor (R$150 mil contra aproximadamente R$300 mil)[31]

Seleção nacional[editar | editar código-fonte]

Sua primeira convocação para a Seleção Brasileira veio no ano 2000.[32] Pouco tempo depois, se tornou titular absoluto na dupla de zaga da seleção canarinho.

Na Copa do Mundo de 2002, teve altos e baixos durante a campanha do pentacampeonato, mas mesmo assim se manteve como titular e jogou todas as sete partidas da seleção,[33] comandada por Luiz Felipe Scolari.

Na Copa do Mundo de 2006, mais uma vez como titular, bateu o recorde de maior tempo sem fazer faltas em Copas do Mundo. Permaneceu 386 minutos sem cometer nenhuma falta, superando o recorde de Carlos Gamarra que era de 383 minutos.[34]

Era Dunga[editar | editar código-fonte]

Lúcio e o Presidente Lula em 2009

Ainda em 2006, após a saída de Cafu da seleção, Lúcio foi nomeado capitão da equipe por Dunga, que assumiria o comando depois da decepção no Mundial de 2006. Sob o comando de Dunga, Lúcio passou a se tornar uma unanimidade na seleção entre os torcedores e especialistas, tendo excelente atuações não só com a camisa canarinha, mas também em seu clube.

A preparação para a Copa do Mundo de 2010 foi proveitosa, tendo a Seleção conquistado a Copa América de 2007, da qual Lúcio não participou por lesão, e a Copa das Confederações 2009, em que o zagueiro foi destaque, sendo autor do gol que deu o título à equipe, contra os Estados Unidos, na final.

Já na Copa do Mundo de 2010, disputada na África do Sul, acabou mais uma vez vendo seu time sucumbir nas quartas-de-final frente a Holanda. Esta foi sua primeira Copa do Mundo como capitão da Seleção Brasileira.

Era Mano Menezes[editar | editar código-fonte]

Após a Copa, ficou durante alguns meses fora das convocações de Mano Menezes, novo treinador que assumiu depois do Mundial.

No dia 3 de março de 2011, entretanto, Lúcio voltou a ser convocado. Mano Menezes, que já havia avisado que renovaria a seleção com uma nova safra de jogadores mais jovens, optou agora por mesclá-la com a experiência de jogadores como Lúcio e Júlio César. No dia 4 de junho de 2011, fez seu jogo de número 100 pela Seleção Brasileira, novamente contra a Holanda, algoz do Brasil na Copa do Mundo anterior. O jogo foi realizado no Estádio Serra Dourada, em Goiânia, e terminou com o placar de 0-0. No dia 7 de junho de 2011, foi anunciada, logo após o amistoso contra a Seleção da Romênia, que marcou a despedida de Ronaldo, foi divulgada a lista de Jogadores convocados para a Copa América 2011, na Argentina, sendo que Lúcio foi convocado para defender a camisa Brasileira.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Até 27 de agosto de 2014.

Clubes[editar | editar código-fonte]

Clube Temporada Campeonato
Nacional
Copa
Nacional
Competição
Internacional¹
Campeonato Estadual Outros
Torneios²
Total
Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols Jogos Gols
São Paulo

Palmeiras

2013

2014

10

14

1

1

0

6

0

0

10

0

0

0

11

15

1

0

1

0

0

0

32

35

2

1

Total 24 2 6 0 10 0 26 1 1 0 67 3
Total na Carreira 24 2 6 0 10 0 26 1 1 0 67 3

¹Em competições continentais, incluindo jogos e gols da Copa Libertadores e Recopa Sul-Americana.
²Em outros, incluindo jogos e gols em amistosos.

Atualizado até 26 de julho de 2011.

Seleção Brasileira[editar | editar código-fonte]

Ano
Jogos Gols
2000 1 0
2001 12 0
2002 11 0
2003 9 0
2004 2 0
2005 13 2
2006 10 0
2007 8 1
2008 8 0
2009 14 1
2010 8 0
2011 7 0
Total 103 4
Gols marcados
Data Local Resultado Adversário Competição
1. 9 de fevereiro de 2005 Hong Kong, China 7–1 Hong Kong Hong Kong Amistoso
2. 12 de novembro de 2005 Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos 8–0 Flag of the United Arab Emirates.svg Emirados Árabes Unidos Amistoso
–. 30 de maio de 2006 Basel, Suíça 8–0 Suíça FC Luzern Amistoso
3. 9 de setembro de 2007 Chicago, Estados Unidos 4–2 Flag of the United States.svg Estados Unidos Amistoso
4. 28 de junho de 2009 Joanesburgo, África do Sul 3–2 Flag of the United States.svg Estados Unidos Copa das Confederações de 2009
Legenda
Amistoso não-oficial

Títulos[editar | editar código-fonte]

Internacional
Bayern de Munique
Internazionale
Juventus
Seleção Brasileira

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Biografia de Lúcio. Quadro de Medalhas (dezembro de 2010). Página visitada em 4 de abril de 2013.
  2. Lúcio (em inglês). National-football-teams.com.
  3. Depois de completar 100 jogos, Lúcio pode ser o 4º jogador que mais atuou pelo Brasil (em português). Esportissimo.com.br. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  4. a b c Que Fim Levou? - Lúcio (em português). iG. Terceirotempo.ig.com.br. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  5. a b Lúcio no Bayer Leverkusen (em português). Jornal Record. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  6. a b Lúcio assina pelo Bayern (em português). UEFA. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  7. Inter contrata Lúcio ao Bayern (em português). UEFA. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  8. UOL Esporte - Copa do Mundo de 2006 (em português). Universo Online. Esporte.uol.com.br. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  9. Lúcio é o novo capitão da Seleção Brasileira (em português). Terra Networks. Esportes.terra.com.br. Página visitada em 10 de junho de 2011.
  10. [1]. Site da Folha de S. Paulo.
  11. Lúcio decide deixar Internazionale (em português). Lancenet!. Lancenet.com.br. Página visitada em 16 de maio de 2012.
  12. Lúcio deixa a Inter de Milão e assina com a Juventus. Terra (4 de julho de 2012). Página visitada em 4 de julho de 2012.
  13. Zagueiro rescinde contrato depois de uma passagem ruim pelo clube italiano, diz revista Veja. veja.com (17 de dezembro de 2012). Página visitada em 4 de janeiro de 2013.
  14. Com São Paulo de olho, Lúcio acerta saída do Juventus, diz jornal italiano. globoesporte.com (16 de dezembro de 2012). Página visitada em 16 de dezembro de 2012.
  15. São Paulo fecha a contratação de Lúcio para ser o xerife na Libertadores. Globo.com. Globoesporte.globo.com.
  16. Acostumado à Europa, Lúcio tenta deixar a timidez de lado no Brasil. Gazetaesportiva.net.
  17. Lúcio questiona mexida de Ney Franco: 'Quando saí, estava 0 a 0' . Foxsports.com.br.
  18. Lúcio admite ter falado o que não devia a Ney Franco e revela desculpa. Universo Online. Esporte.uol.com.br.
  19. São Paulo tira proveito de expulsões do Botafogo, vence e dispara. Gazetaesportiva.net.
  20. Com redenção de Lúcio e um a menos, São Paulo bate Ponte em estreia ideal. Universo Online. Esporte.uol.com.br.
  21. Lúcio cresce no Brasileiro, e Ney elogia: 'Está dando retorno' . Globo.com. Globoesporte.globo.com.
  22. Lúcio é barrado por Autuori e não joga clássico. Dgabc.com.br.
  23. São Paulo estuda rescisão do contrato de Lúcio, diz jornal. Foxsports.com.br.
  24. São Paulo descarta Lúcio após zagueiro não aceitar críticas de Autuori. Saopaulofc.com.br.
  25. Ney Franco: ‘Ganso foi fritado’. Globo.com.
  26. Ausência de Lúcio faz São Paulo perder parte da cota da Copa Audi
  27. Sem zagueiros, São Paulo vê impasse com o descartado Lúcio
  28. Filho de Sócrates se apresenta no São Paulo e descarta volta de Lúcio
  29. Com contratos longos, SP pode levar reforços fracassados para 2014
  30. Sem desfecho para Lúcio, São Paulo deixa camisa 3 guardada
  31. Lúcio rescinde com São Paulo e acerta com Palmeiras por um terço do salário
  32. Lúcio não desistiu da seleção. O Diário (8 de dezembro de 2010). Página visitada em 10 de julho de 2012.
  33. Lúcio vai disputar a terceira Copa com a mesma emoção de 2002. Diário Popular (6 de junho de 2010). Página visitada em 10 de julho de 2012.
  34. Lúcio bate recorde de Gamarra de maior tempo sem faltas na Copa. Universo Online. UOL (1 de julho de 2006). Página visitada em 10 de julho de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lúcio (futebolista)