Lúcio Sérgio Catilina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Lúcio Sérgio Catilina
Lucius Sergius Catilina
Cícero denuncia Catilina, afresco de Cesare Maccari, que representa o senado romano reunido na Cúria Hostília. Palazzo Madama, Roma.
Nascimento 108 a.C.
Roma
Morte 62 a.C. (47 anos)
Pistoia
Nacionalidade romano
Cargo governador

Lúcio Sérgio Catilina, em latim Lucius Sergius Catilina (Roma, 108 a.C.  — Pistoia, 62 a.C.), foi um militar e senador da Roma Antiga, célebre por ter tentado derrubar a República Romana, e em particular o poder oligárquico do Senado.

Origens[editar | editar código-fonte]

Catilina era da gens Sergia, descendentes de Sergestus, troiano companheiro de Eneias[1] .

De família patrícia, mas pobre, Catilina teria iniciado desde cedo uma vida de crimes e vícios. Apoiou Lúcio Cornélio Sula, tornando-se seu agente. Durante as proscrições deu demonstrações de ambição e crueldade, assassinando inimigos de Cornélio Sula para somente receber o prêmio prometido.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 77 a.C., foi questor, em 68 a.C. pretor e em 67 a.C./66 a.C., governador da África. Tentou ser nomeado cônsul, discursava sempre em tom de indignação contra os abusos da elite, se colocava como o candidato que defenderia o povo, mas sem sucesso. Dúvidas sobre seu caráter, suspeitas de assassinar seu próprio filho, reconhecido temperamento irascível e orgulhoso o fizeram ser repudiado durante as eleições[2] . Pressionado por dívidas, não viu outra saída a não ser através de uma conspiração, na qual reuniu jovens nobres e arruinados. Quinto Cúrio, Públio Cornélio Lêntulo Sura e Mânlio de Fésulas eram alguns dos mais importantes seguidores de Catilina, fomentadores da sublevação. No entanto, a tentativa de assassinato dos dois cônsules designados falhou (65 a.C.), juntamente com sua candidatura para cônsul (63 a.C.).

Quando amigos de Catilina começaram a se sublevar, Cícero - o cônsul escolhido - conseguiu plenos poderes e interpelou Catilina em pleno senado:

Cquote1.svg Qvosque tandem abvtere, Catilina, patientia nostra?
(Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência?)
Cquote2.svg
Cícero

Catilina, forçado a se desmascarar, optou pela luta aberta. Preparações foram feitas através da Itália, especialmente na Etrúria, onde a revolta foi iniciada por Mânlio, um dos veteranos de Sula.

Frustrou-se um plano para matar Cícero e, no dia seguinte, este pronunciou um discurso violento contra Catilina, que fugiu para chefiar seu exército na Etrúria. Depois de mais um dia, Cícero fez novo discurso contra Catilina, desta vez no Fórum Romano. Cícero precisava de uma prova formal da conspiração de Catilina para poder tomar uma atitude mais enérgica e ter o respaldo da lei, e foi com os gauleses da tribo dos alóbrogos que veio o documento necessário para a acusação.

Catilinárias[editar | editar código-fonte]

O conjunto dos discursos de Cícero contra Catilina ficaria celebrizado sob o nome de "Catilinárias", que foram usadas por muito tempo como uma das principais formas de ensino de argumentação em todo o mundo. Com este último discurso de Cícero, o povo romano veio a declarar tanto Catilina quanto Mânlio inimigos públicos. Um exército chefiado pelo cônsul Caio António Híbrida foi enviado contra eles.

Condenação à morte[editar | editar código-fonte]

Charge mostrando Catalina sendo denunciado por Cícero.

Enquanto isso os conspiradores em Roma tentaram induzir alguns enviados gauleses que se encontravam na cidade a unirem-se a eles. Os gauleses eram aliados dos romanos, mas estavam insatisfeitos com a administração de Murena, um amigo de Cícero acusado de corrupção e desvio de dinheiro. Catilina, sabedor dessa insatisfação, pediu aos gauleses que o apoiassem no golpe, e passariam a ter uma administração justa e sem prejuízos. Os alóbrogos não deram resposta de imediato, e temerosos de que fossem humilhados ou destruídos caso a conspiração desse errado, trataram de denunciar a Cícero a proposta de Catilina.

O cônsul, informado de toda a trama, pede que os gauleses aceitem a proposta de Catilina, mas sob a condição de terem um documento por escrito, desta forma possibilitando a criação de algo palpável para a acusação. Lêntulo, representante de Catilina nas negociações, de nada desconfia e cede ao pedido. Assim que os gauleses saem de Roma são presos, o documento é apreendido e Cícero apresenta ao Senado a prova da conspiração.

Os conspiradores foram presos e condenados à morte. Essa condenação foi posteriormente criticada como violação da lei, pois o senado romano não tinha o poder de vida e morte sobre o cidadão romano.

No início de 62 a.C., Catilina viu-se cercado pelas legiões de Marcelo Celer e Antônio, morrendo na luta e inspirando uma frase de Floro:

Cquote1.svg Bela morte, assim tivesse tombado pela Pátria. Cquote2.svg
Floro

Referências

  1. Harry Thurston Peck, Harpers Dictionary of Classical Antiquities. New York. Harper and Brothers. 1898, entrada Sergia Gens
  2. DEFRASNE, Jean. Histórias da História de Roma. Lisboa: Editora Morais, 1965, pág. 164.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.