Fórum Romano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fórum Romano
Forum Romanum
Ruínas do Fórum Romano
Map of downtown Rome during the Roman Empire large.png
Mapa do centro de Roma durante o Império Romano, com o Forum Holitorium e Forum Boarium mostrados no lado inferior
Localização atual
Fórum Romano está localizado em: Itália
Fórum Romano
Localização na Itália atual
Coordenadas 41° 53' 31.4" N 12° 29' 12.2" E
País  Itália
Região Lácio
Província Roma
Dados históricos
Eras Antiguidade
Civilização Romana
Império Império Romano

O Fórum Romano (em latim: Forum Romanum, em italiano: Foro Romanum) localizado no centro de Roma, é um fórum (praça) rectangular, circundado pelas ruínas de várias construções públicas de grande importância cultural. O principal centro comercial da Roma Imperial, este espaço era popularmente conhecido como Forum Magnum ou, simplesmente, Forum.

O fórum era o centro da vida romana. Composto de templos, praças e mercados, era um local agitado onde pessoas de distintas classes sociais participavam do dia a dia da grande cidade.

Os mercados eram o grande atrativo do local, vendendo não só todo o tipo de alimento, como também produtos de luxo e exóticos de todo o Império Romano. Joalheiros, cambistas e livreiros faziam sua vida vendendo ou negociando lá.

Eram tantas pessoas que percorriam o fórum no período diurno, que eram proibidos passar carros, isto é, bigas* e carroças, na região. Já durante a noite, esses meios de transporte podiam circular, porém, diversas pessoas evitavam ao máximo passar por lá, devido à escuridão e periculosidade da região.

No Fórum Romano se localizava a Cúria, a casa do Senado, onde os magistrados se reuniam para tomar suas decisões. Também se encontravam lá templos dedicados às divindades romanas mais antigas ou importantes.

O Fórum também era um local de celebrações e homenagens, como os primeiros combates de gladiadores, em honra a importantes personalidades romanas que haviam falecido. Após a construção dos circus e dos anfiteatros o Fórum deixou de ser utilizado para lutas.

Durante os triunfos militares dos grandes generais – como César – ou mesmo de imperadores, era no fórum que passavam marchando os exércitos vencedores. Estes traziam consigo não só os reis vencidos e prisioneiros de guerra que seriam escravizados, como também as riquezas de seus antigos reinos que agora seriam incorporadas ao Império Romano.

O fórum foi o centro da capital do Império durante séculos, até ser destruído durante o saque dos visigodos a Roma, em 410 d.C, comandados por Alarico. A partir de então, sofreu saques dos próprios romanos, que foram dilapidando seu mármore, os bronzes dos telhados dos edifícios, bem como suas estátuas e portões de ferro, para serem reaproveitados em igrejas ou mesmo palácios. Hoje suas ruínas testemunham a grandeza do que foi um dia o centro do Império.

Em Roma existiam vários fóruns. O Fórum Romano, os fóruns imperiais, um construído pelo general Júlio César e outros, erguidos por alguns imperadores a partir de Augusto e o Fórum Boárium, nas proximidades do rio Tibre, onde se localizava o Templo de Hércules. Contudo, pode-se considerar o Fórum Romano como o mais importante, principalmente durante a República, pois era dali que saíam as deliberações do Senado.

Foi durante séculos o centro da vida pública romana: o local de cerimónias triunfais e de eleições, o local onde se realizavam discursos públicos, os processos criminais, os confrontos entre gladiadores, e o centro dos assuntos comerciais. Aqui, estátuas e monumentos celebraram os grandes homens da cidade. O coração da Roma antiga, foi considerado o ponto de encontro mais conhecido do mundo, em toda a história.[1] Localizado no pequeno vale entre o Monte Palatino e o Monte Capitolino, o forum é atualmente uma extensa ruína de fragmentos arquitectónicos e um sitio de escavações arqueológicas intermitente de elevada atração turística.

A maioria das estruturas arquitectónicas mais importantes da antiga cidade foram encontradas no forum ou perto deste. Os santuários e templos do reino romano localizavam-se na parte sudeste da cidade. Dentre estes situava-se a antiga residência real, a Regia (século VIII a.C.), o Templo de Vesta (século VII a.C.) e ainda o complexo da Casa das Vestais, os quais foram reconstruídos após a ascensão de Roma Imperial.

Outros santuários foram encontrados a noroeste, como a Umbilicus Urbis e o Vulcanal (santuário de Vulcano), construídos no centro nervoso do vale, o Comitium, durante o período republicano. Este foi o local onde tanto o Senado como o Governo republicano tiveram início. O Senado, os gabinetes do estado, tribunais, templos, monumentos e estátuas foram gradualmente arquitectando toda a área.

Ao longo do tempo, o Comitium arcaico foi comutado pelo maior forum a ele adjacente e o centro de actividade judicial movido para a nova Basílica Júlia, juntamente com a recente Cúria Júlia, concentrando os dois cargos judiciais e o Senado num só local. Este novo Forum, serviu posteriormente como uma praça revitalizada, onde o povo de Roma poderia ai reunir-se para fins comerciais, políticos, judiciais e persecuções religiosas em números cada vez maiores.

A maioria dos tratos económicos e judiciais eram diferidos para locais distantes do Forum Romanum, envolvendo as maiores e mais extravagantes estruturas como o Fórum de Trajano e a Basílica Ulpia ao norte. O reinado de Constantino, O Grande, durante o qual o império foi dividido em duas fracções, a oriental e a ocidental, presenciou a construção da última grande amplificação da praça - a Basílica de Magêncio em 312 d.C. Este facto devolveu o centro político novamente para o Forum, até à queda do Império Romano do Ocidente quase dois séculos mais tarde.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Contrariamente aos fóruns posteriormente construídos em Roma, os quais se basearam na praça pública grega, designada de plateia (πλατεῖα), o Fórum Romano desenvolveu-se gradualmente, regularmente e paulatinamente ao longo de vários séculos.[2] Isto foi possível através das ordens impostas por Sila, Júlio César e Augusto que tentaram com relativo sucesso, o desenvolvimento progressivo deste espaço. Até ao período imperial, os enormes edifícios públicos que se aglomeraram ao redor da praça central tinham reduzido a área aberta para um rectângulo com cerca de 130 por 50 metros.[nota 1]

O fórum foi construído de noroeste para sudeste e estende-se desde o sopé do Monte Capitolino até à Colina Velian. A praça das basílicas construída no período imperial - como a Basílica Aemilia a norte (Tabernae Novae) e a Basílica Julia a sul - definem as longas extremidades da praça central. O fórum abraça esta praça, os edifícios em frente e uma área adicional (Fórum Adjectum) que se estende de sudeste ao Arco de Tito.[3]

Estruturas dentro do Fórum[editar | editar código-fonte]

Atualmente é famoso pelos remanescentes, que demonstram claramente o uso de espaços urbanos durante a Idade Romana. O Fórum Romano inclui os seguintes principais monumentos, edifícios e outras ruínas antigas:

Templos
Basílicas
Arcos
Outros

Um caminho de procissão, a Via Sacra, cruza-o ligando-o com o Coliseu. Até ao fim do Império, ele perdeu o seu uso diário que permanece como um local sagrado.

O último monumento construído dentro do Fórum é a Coluna de Focas.

Panorama das ruínas do Fórum Romano.

Escavação e preservação[editar | editar código-fonte]

A coluna erguida em homenagem do imperador bizantino Focas, 608: a última adição ao Fórum Romano

Um viajante anônimo do século VIII, vindo de Einsiedeln (Suíça) informou que o Fórum já caía aos pedaços em seu tempo. Durante a Idade Média, embora a memória do Fórum Romano persistisse, seus monumentos foram em sua maioria enterrados embaixo do entulho, e sua localidade foi designada Campo Vaccino, "campo de gado" em italiano. O retorno do Papa Urbano V de Avinhão em 1367 levou a um grande interesse em monumentos antigos, parcialmente para sua lição moral e até certo ponto como uma pedreira de novos edifícios que são empreendidos em Roma depois de um longo lapso. Artistas do fim de século XV desenharam as ruínas no Fórum, os antiquários copiaram inscrições desde o século XVI, e uma tentativa de escavação teve início até o final do século XVIII.

Um cardeal tomou medidas para drená-lo novamente e construiu a vizinhaça Alessandrina por cima dele. Mas a escavação por Carlo Fea, que iniciou o clareamento do entulho do Arco de Septímio Severo em 1803, e arqueólogos sob o regime napoleônico marcaram o início do clareamento do Fórum, que só foi totalmente escavado no início do século XX.

No seu estado atual, os vestígios desde vários séculos são mostrados em conjunto, devido à prática romana de construir por cima de ruínas mais adiantadas.

Notas

  1. Uma estimativa geral, que inclui as construções ao seu redor, ocupando cerca de 200 por 75 metros.

Referências

  1. Grant, Michael (1970), The Roman Forum, Londres: Weidenfeld & Nicolson; Fotos de Werner Forman, pg 11.
  2. Watkin, David. The Roman Forum. [S.l.]: Harvard University Press, Cambridge, Massachusetts., 2009. ISBN 978-0-674-03341-2 Página visitada em 6 March 2010., pg 22.
  3. Grant, Op. cit., pg 43.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]