Prisão Mamertina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A sala superior

A Prisão Mamertina (em latim: Carcere Mamertino) - ou Tuliano (em latim: Tullianum) - era uma prisão localizada no Fórum Romano na Roma antiga. Ele estava localizado no lado nordeste do monte Capitolino, de frente para a Cúria Hostília e os fóruns de Nerva, Vespasiano e de Augusto. A igreja de San Giuseppe dei Falegnami hoje está acima da prisão mamertina[1] .

Nome[editar | editar código-fonte]

A sala inferior

As origens do nome da prisão são incertas. A derivação tradicional de Tertuliano (Tertullianum) é do nome de um dos reis de Roma , Túlio Hostílio ou Sérvio Túlio (este último encontrado em Tito Lívio, Marco Terêncio Varro e também Salústio). Há uma teoria alternativa de que o nome seria uma forma latina arcaica túlio (tullius; "jato de água", em referência à cisterna). O nome "Mamertina" é medieval na sua origem e pode ser uma referência ao templo de Marte nas redondezas, ou à lenda de que São Pedro, que tradicionalmente se acredita ter sido preso aqui antes de seu martírio: ela conta que os santos Martiniano e Processo, supostamente os guardas da prisão, foram convertidos e batizados por Pedro antes de serem eles também martirizados[2] .

História[editar | editar código-fonte]

O alçapão

A prisão foi construída por volta de 640 a.C.-616 a.C. pelo rei de Roma Anco Márcio. Ela foi originalmente criada como uma cisterna para uma fonte no chão do segundo nível abaixo do solo (há duas, a mais baixa que era onde os prisioneiros eram mantidos depois de serem baixados até ali por um buraco no chão do piso superior), mas em tempo, uma passagem entre o ralo da cisterna e a Cloaca Máxima foi construída, alegadamente para dispensar os corpos dos mortos ali[2] .

Tipicamente, apenas prisioneiros de alto status eram mantidos na prisão, geralmente comandantes estrangeiros como Jugurta que eram derrotados e se tornavam peças centrais nas procissões triunfais romanas. Eles permaneciam encarcerados ali até serem desfilados e estrangulados em público, exceto se tivessem a sorte de morrer por causas naturais antes (A lei romana não reconhecia a prisão em si como punição). A prisão foi usada em 63 a.C. para aprisionar os membros da segunda conspiração catilina, incluindo Públio Cornélio Lêntulo Sura, imediatamente antes de suas execuções no suposto plano para derrubar a República Romana. O líder gaulês Vercingetórix ficou ali por cinco anos até ser ali executado - por estrangulamento - em 46 a.C.[2] .

Não se sabe quando a prisão deixou de ser utilizada permanentemente, mas o lugar foi utilizado pelos cristãos desde os tempos medievais e é atualmente ocupado por duas igrejas superpostas:San Giuseppe dei Falegnami (acima) e San Pietro in Carcere (abaixo). A cruz no altar da capela inferior está invertida em homenagem à tradição de que São Pedro teria sido crucificação numa cruz invertida.

Referências

  1. The Roman Forum by David Watkin 2009 ISBN 0674033418 page 128 (em inglês)
  2. a b c Wikisource-logo.svg "Mamertine Prison" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Prisão Mamertina
  • Carcer (em inglês). Platner's Topographical Dictionary of Ancient Rome. Página visitada em 16/10/2010.
  • Hülsen. capítulo Carcer (em inglês). Foro Romano. Página visitada em 16/10/2010.