Fundação de Roma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Loba capitolina: Segundo a lenda, o animal teria amamentado os gêmeos Rômulo e Remo.

A Fundação de Roma é um evento ainda pesquisado por arqueólogos e historiadores, uma vez que as fontes literárias sobre o assunto datam de centenas de anos após sua ocorrência, de forma que cada descoberta arqueológica demanda novas formas de analisar as citadas fontes. Os romanos elaboraram um complexo conto mitológico sobre a origem da cidade e do Estado, que se uniu à obra histórica de Tito Lívio e às obras poéticas de Virgílio e Ovídio, todos da era de Augusto.[1] Naquela época, as lendas oriundas de textos mais antigos foram trabalhadas e fundidas num conto único, no qual o passado mítico foi interpretado em função dos interesses do império. Os modernos estudos históricos e arqueológicos, que se baseiam nestas e em outras fontes escritas, além de objetos e restos de construções obtidos em vários momentos das escavações, tentam reconstruir a realidade que existe no conto mítico, no qual se reconhecem alguns elementos de verdade.[2]

Por muito tempo postulou-se que os verdadeiros fundadores da cidade propriamente dita teriam sido os etruscos que instalaram-se na região no século VI a.C., no entanto, evidências arqueológicas recentemente descobertas questionam a veracidade desta afirmação.[nt 1] A data da fundação é, a rigor, desconhecida, embora autores como Tim Cornell argumentem que teria sido no século VIII a.C., ca. 800 a.C.[4] Durante o reinado de Augusto, o historiador Marco Terêncio Varrão (116 27 a.C.) estabeleceu a data como 21 de abril de 753 a.C. com base em estudos do astrólogo Lúcio Tarúcio Firmano.[5] [6] Outro ponto conflitante em relação a Roma é a etimologia de seu nome. Embora associado pela tradição com Rômulo, diversos autores, tanto clássicos como modernos, associaram diversas origens para o nome "Roma".

Contexto histórico e localização[editar | editar código-fonte]

Rota da Via Salária (em cinza)

Os primeiros habitantes de Roma, os latinos e sabinos, integram o grupo de populações indo-europeias originárias da Europa Central que vieram para a península Itálica em ondas sucessivas em meados do segundo milênio a.C.;[nt 2] Latim Vetus[nt 3] era o antigo território dos latinos, atualmente o sul do Lácio. Estes indo-europeus divergiam em origem, língua, tradições, estágios de desenvolvimento e extensão territorial. Por se dispersarem por toda a península Itálica, entraram em contato com outros dois povos que habitavam a região, os etruscos e os gregos. Os etruscos assentaram-se e floresceram a norte de Roma na Etrúria (moderno norte do Lácio, Toscana e parte de Úmbria), a partir do século VIII a.C. onde fundaram cidades como Tarquinia, Veios e Volterra e influenciaram profundamente a cultura romana.[9] Suas origens são desconhecidas[nt 4] e muito do que se sabe sobre eles é derivado de achados arqueológicos em suas necrópoles.[12] Os gregos haviam se estabelecido na chamada Magna Grécia e fundaram colônias tais como Síbaris, Tarento, Crotona, Cumas e Nápoles entre 750-550 a.C.[13] [14] Estes, assim como os etruscos, exerceram nítida influência nos povos itálicos e em Roma.[15]

Roma cresceu na margem esquerda do rio Tibre, a cerca de 25 quilômetros de sua foz, num trecho navegável do rio, portanto com acesso fácil ao mar Tirreno. Esta região, de clima temperado, em vista da sua topografia acidentada, possui entre as colinas circundantes alguns importantes vales que, no processo de desenvolvimento da cidade, tornaram-se úteis para a mesma.[16] [17] Além disso, por estes vales serem, no geral, vales vulcânicos, a produtividade do solo, em vista da presença de fertilizantes naturais como potássio e fosfatos, é elevada.[18] A cidade tinha as vantagens de uma posição ao mesmo tempo marítima e do interior.[19] Situada a cerca de 20 km das colinas Albanas, que constituem uma defesa natural, e numa planície suficientemente afastada do mar, a cidade não precisaria temer incursões dos piratas. Além disso, tanto o próprio rio (e a ilha Tiberina[nt 5] ) como os montes Capitólio e Palatino operavam como cidadelas naturais facilmente defensáveis.[20] [21]

O maior trunfo de Roma quanto a sua localização foi a proximidade com o rio Tibre. Este desempenhou papel fundamental no desenvolvimento econômico da cidade, pois as mercadorias que provinham do mar Tirreno tinham que subir pelo curso do rio para serem dirigidas quer para a Etrúria, quer para a Campânia grega (Magna Grécia). Desse modo era capaz de monopolizar o tráfego terrestre, uma vez que estava situada na intersecção das principais estradas do interior da península Itálica.[20] [21] Por haver importantes salinas nas proximidades da cidade, conseguiu transformar-se em ponto de mercado perfeito da "via do sal", futuramente conhecida como via Salária,[2] [22] da mesma forma que os rebanhos desempenharam papel primário na economia romana deste período formativo.[23]

Arqueologia[editar | editar código-fonte]

Cabanas primitivas encontradas no monte Palatino (século VIII a.C.).

Pesquisa arqueológica na área de Roma detectou presença humana datável de 14 000 anos, havendo restos cerâmicos, ferramentas e armas de pedra de 10 000 anos. Estas evidências mostram o quão precoce se deu a ocupação do Lácio, embora atualmente não seja possível estabelecer uma visão panorâmica, pois sítios paleolíticos e neolíticos foram obscurecidos pela densa camada de detritos provenientes de fases mais tardias.[24] As primeiras evidências concretas de povoamento nas colinas de Roma são ossos de animais e fragmentos cerâmicos datados dos séculos XIV-XIII a.C. que foram encontrados na área do Fórum Boário, no sítio de Santo Omobono.[25] [nt 6] Resquícios de habitações datadas do século XI a.C. foram encontrados na área do Fórum Romano, bem como uma necrópole (datada do século X a.C.) com reminiscências de fossas de cremação (os indo-europeus incineravam seus mortos);[28] no Palatino detectaram-se habitações do século IX a.C.[29]

Antes do século VIII a.C. existiam aldeias dispersas nas colinas e ocupadas por latinos que, em caso de perigo confederavam para enfrentar os inimigos.[nt 7] No centro de Roma três recintos muralhados sucessivos sobrepostos foram datados, dois dos séculos VIII-VII a.C.[nt 8] e um dos séculos VII-VI a.C.[7] As habitações deste período eram cabanas de planta circular sobre um soclo (base) de madeira (para isolá-las da umidade) e tinham uma única porta, precedida por um pórtico;[22] urnas funerárias encontradas em escavações representam estas moradias primitivas. A população do assentamento girava em torno de poucas centenas de habitantes que baseavam sua economia na agricultura (trigo, cevada, ervilha, feijão), pecuária (cabras, porcos), pesca, caça e coleta; objetos cerâmicos, roupas e outros artigos de uso doméstico eram produzidos pelas famílias para consumo interno; não havia estratificação social definida.[32] A partir de ca, 770 a.C. as necrópoles da região começaram a apresentar maior números de restos humanos, que mostra crescimento da população, bem como artefatos arqueológicos mais elaborados, que indicam contatos com culturas externas, em especial com as colônias gregas da Campânia (objetos de origem grega foram encontrados entre as escavações), maior especialização artesanal (emprego de roda de oleiro) e o aparecimento de classes sociais economicamente diferenciadas.[32]

Lenda[editar | editar código-fonte]

Eneias carregando Anquises (enócoa com pintura negra ática ca. 520-510 a.C.), Museu do Louvre

Na Eneida de Virgílio e na Ab Urbe condita libri de Tito Lívio, Eneias, filho da deusa Vênus, foge de Troia com seu pai Anquises, seu filho Ascânio e os sobreviventes da cidade. Com este realiza diversas peregrinações que o levam, por fim, ao Lácio, na península Itálica. Lá ele é recebido pelo rei local Latino que oferece a mão de sua filha, Lavínia. Isto provoca a fúria do rei dos rútulos, Turno, um poderoso monarca itálico que havia se interessado por ela. Uma terrível guerra entre as populações da península eclode e, como resultado, Turno é morto. Eneias, agora casado, funda a cidade de Lavínio em homenagem à sua esposa. Seu filho Ascânio governa na cidade por trinta anos até que resolve se mudar e fundar sua própria cidade, Alba Longa.[1] [33] [34]

Verso de uma moeda romana, autor anônimo (ca. 269-266 a.C.)

Cerca de 400 anos depois, o filho e legítimo herdeiro do décimo-segundo rei de Alba Longa, Numitor, é deposto por um estratagema de seu irmão Amúlio. Para garantir o trono, Amúlio assassina os descendentes varões de Numitor e obriga sua sobrinha Reia Sílvia a tornar-se vestal (sacerdotisa virgem, consagrada à deusa Vesta),[35] no entanto esta engravida do deus Marte e desta união foram gerados os irmãos Rômulo e Remo (nascidos em março de 771 a.C.[36] ).[37] [38] Como punição, Amúlio prende Reia em um calabouço e manda jogar seus filhos no rio Tibre. Como por um milagre, o cesto onde estavam as crianças acaba atolando-se em uma das margens do rio no sopé do monte Palatino, onde são encontrados por uma loba que os amamenta;[39] perto das crianças estava um pica-pau, ave sagrada para os latinos e para o deus Marte, que os protege.[40] Tempos depois, um pastor de ovelhas chamado Fáustulo encontra os meninos próximo à Figueira Ruminal (Ficus Ruminalis), na entrada de uma caverna chamada Lupercal.[41] [42] Ele os recolhe e leva para sua casa, onde são criados por sua mulher Aca Laurência.[43] [44]

Rômulo e Remo crescem junto dos pastores da região praticando caça, corrida e exercícios físicos; saqueavam as caravanas que passavam pela região à procura de espólio. Em um dos assaltos, Remo é capturado e levado para Alba Longa. Fáustulo, então, revela a Rômulo a história de sua origem. Este parte para a cidade de seus antepassados, liberta seu irmão, mata Amúlio, devolve Numitor ao trono e dá à sua mãe todas as honrarias que lhe eram devidas.[45] Ao perceber que não teriam futuro na cidade, os gêmeos decidem partir, junto com todos os indesejáveis, para então fundar uma nova cidade no local onde foram abandonados.[46] [47] Rômulo queria chamá-la Roma e edificá-la no Palatino, enquanto Remo desejava nomeá-la Remora e fundá-la sobre o Aventino. Como forma de decidir foi estabelecido que se deveria indicar, através dos auspícios, quem seria escolhido para dar o nome à nova cidade e reinar depois da fundação. Isto gerou divergência entre os espectadores e uma acirrada discussão entre os irmãos, que terminou com a morte de Remo.[48] Uma versão alternativa afirma que, para surpreender o irmão, Remo teria escalado o recém-construído pomério quadrangular da cidade e,[49] tomado em fúria, Rômulo o teria assassinado.[50]

Outras lendas[editar | editar código-fonte]

Fasti Capitolini, Museus Capitolinos

Com relação à fundação de Roma muitas tradições foram estabelecidas para retratar o surgimento da cidade, algumas advindas de modificações do mito oficial, outras de diversas origens. Uma delas conta que o deus Saturno, após ser derrotado pelos deuses olímpicos, refugiou-se no Lácio, onde construiu uma vila à beira do Tibre, no local onde Roma seria fundada; ensinou aos habitantes locais como melhor lavrar o solo e cultivar parreiras para produzir vinho. A palavra "Lácio", segundo alguns autores como Philip Wilkinson, originou-se da palavra grega latio que significa refúgio, em referência à fuga de Saturno.[51] [52]

Outra tradição, transmitida por autores clássicos como Estrabão e Tito Lívio, afirma que Roma teria se originado da cidade de Palanteu, fundada por Evandro no Palatino; esta cidade é mencionada na Eneida de Virgílio. Evandro teria dado hospitalidade a Hércules quando este fugia com o rebanho recém-roubado do gigante Gerião, em um de seus doze trabalhos.[53] [54] Diz-se que, durante sua estadia, os rebanhos foram roubados pelo gigante Caco, filho de Vulcano. Hércules então luta com o gigante e, em sua homenagem, os habitantes locais construíram o Grande Altar de Hércules, local onde futuramente se situaria o Fórum Boário.[26]

Historiografia[editar | editar código-fonte]

Já no século V a.C. autores gregos, como Helânico de Mitilene, associaram a fundação de Roma ao herói Eneias. Por volta de 200 a.C., Quinto Fábio Pictor criou a primeira história de Roma, onde associava a criação da cidade a Rômulo, tendo sua versão dos fatos sido aprimorada por outros autores romanos como Tito Lívio, Ovídio, Virgílio,[26] Plutarco e Dionísio de Halicarnasso. Tais autores tentaram encontrar explicações racionais para passagens improváveis do mito de criação da cidade, como por exemplo a loba capitolina. Os romanos designavam pela mesma palavra, lupa, a fêmea do lobo e a prostituta. Dessa forma, historiadores afirmam que na realidade a ama dos gêmeos teria sido Aca Laurência, mulher de Fáustulo, que teria exercido o ofício de prostituta.[2] [55] [nt 9]

O historiador Dominique Briquel afirma que muitos elementos encontrados no mito de fundação são resquícios de rituais etruscos que foram incorporados pelos romanos.[56] [57] Tim Cornell reforça essa ideia, afirmando que a explicação racional para a correlação entre a cidade e o herói troiano Eneias seria resquício do contato entre a Itália primitiva e os micênicos. A importância de Lavínio e Alba Longa no mito criador de Roma reflete o importante papel religioso que estes centros desempenhavam na região. Além disso, alguns dos mais proeminentes achados arqueológicos do período foram encontrados precisamente em Lavínio e nas colinas Albanas, havendo hoje a teoria de que Roma fosse contemporânea a estes centros,[58] tendo ela sido uma colônia de Alba Longa.[26]

Na história de Rômulo, o rapto das sabinas e a diarquia de Rômulo e Tito Tácio (governante sabino) são eventos que, segundo autores como Tim Cornell, devem ter elementos verossímeis, e igualmente podem ser entendidos como indicativos da influência sabina na Roma primitiva. Muitos elementos sabinos são detectáveis, por exemplo palavras de origem sabina: bos (boi), scrofa (porca), popina (cozinha). Além disso, a diarquia de Rômulo e Tito Tácio é possivelmente uma indicação de que Roma surgiu através da fusão de duas comunidades, uma no Palatino e outra no Quirinal, ou ao menos da incorporação da segunda à primeira. Outro ponto forte desta interpretação está em uma citação de Tito Lívio, I.13.4, onde se refere a Roma como geminata urbs ("a cidade dupla"), bem como na raiz da palavra quirites (singular: quires), o gentílico dos cidadãos romanos,[59] que segundo autores romanos deriva de Cures, a capital dos sabinos; autores modernos questionam esta associação.[60]

Urna funerária de terracota datada do século VIII a.C. encontrada no Lácio. Sua forma seria uma representação artística das habitações do período.

Durante os períodos republicano e imperial, muitas datas foram atribuídas à fundação da cidade, no intervalo entre 758-728 a.C.: Censorino atribuiu 758 a.C.;[61] Marco Terêncio Varrão, 753 a.C.; o Fasti Capitolini do Arco de Augusto, 752 a.C.; Dionísio de Halicarnasso, 751 a.C.;[62] Quinto Fábio Pictor, 748 a.C.; e Lúcio Cíncio Alimento e Solino no ano da décima-segunda olimpíada (728 a.C.). Seja como for, todas as versões concordam que o dia é 21 de abril, data do festival de Pales, deusa do pastoreio.[63] Entre a data convencional da Guerra de Troia (1 182 a.C.) e a data aceite para a fundação de Roma (753 a.C.) há um intervalo de quatro séculos, razão pela qual os romanos, durante a República, criaram a lenda da dinastia dos reis de Alba Longa, de forma a preencher o vazio de 400 anos entre Eneias e Rômulo.[26]

O nome da cidade habitualmente é relacionado ao de Rômulo, porém diversos autores clássicos e modernos fizeram interpretações adversas quanto a sua etimologia. Segundo Plutarco havia diversas hipóteses quando à origem do nome: pode ser a derivação do nome de personagens mitológicos como a filha do rei dos enótrios ou então de Télefo, filho de Hércules, que havia se casado com Eneias ou então com seu filho Ascânio; Romano, o filho de Odisseu com Circe; Romo, habitante de Troia, que veio à Itália em busca do herói Diomedes; Romide, um tirano do Lácio que repeliu uma incursão etrusca;[64] e uma filha de Ascânio que se casou com o rei Latino, com quem teve um filho chamado Rômulo que fundou uma cidade com o nome de sua mãe.[65] Ainda segundo Plutarco o nome Roma pode derivar do nome de uma cidade fundada pelos pelasgos no Lácio[66] ou então de outra fundada por Eneias no Palatino.[67]

Rousseau sugeriu que o nome derive da palavra etrusca rhome, que significa "duro", cognata da palavra grega rhōmē, que significa força, vigor.[68] Outros, como Patrícia Ramos Braick, argumentam que possa derivar da palavra etrusca rumor, que significa barulho, o que seria uma analogia ao barulho das águas do Tibre, ou então da palavra rumon, que significa "a cidade do rio".[69] Em última análise, a Figueira Ruminal (Ficus Ruminalis), árvore dedicada à deusa Rumina, que presidia a amamentação, poderia estar indiretamente relacionada com o nome da cidade: em latim a palavra "teta" significa Ruma.[55]

Notas

  1. Segundo Francis Owen, os fundadores de Roma teriam sido imigrantes possivelmente aparentados com os celtas ou germânicos, pois, segundo ele, na aparência física, a aristocracia romana diferia da maioria da população do resto da península: os registros históricos ressaltam uma grande quantidade de personalidades históricas como louras, além disso, 250 indivíduos são registrados com o nome de Flávio, que significa "loiro", e há muitos chamados Rufo e Rutílio, que significam cabelo vermelho ou avermelhado; muitos deuses romanos possuem madeixas loiras.[3]
  2. Além destes podem-se citar os vênetos, que se estabeleceram no norte da península, os umbros, oscos, tadiates, tadinates, ausônios, samnitas, lucanos, rútulos, picenos, bretões, etc. na Itália Central, os sículos, sicanos e elímios na Sicília, todos eles formando um agrupamento denominado itálico ou italiota. Entre os séculos X-VIII a.C. a população da península Itálica dividiu-se em dois grupos principais: os osco-úmbrios e os latinos. Estes povos, dos quais o latim se originou, têm origens comuns.[7]
  3. Latim Vetus, segundo Plínio, o Velho, dividia-se em 30 comunidades latinas que se uniram nos chamados povos albenses (em latim: populi albenses), uma confederação de estados latinos.[8]
  4. Não há consenso entre os estudiosos quanto às origens etruscas. Mesmo entre os antigos havia divergências na interpretação: Heródoto imaginava-os como lídios, enquanto Dionísio de Halicarnasso como autóctones. Estudos modernos, baseados em resultados genéticos, apontam para uma origem oriental,[10] porém muitos estudiosos, ao considerarem afinidades de cultura material entre etruscos e a cultura Vilanoviana, veem a possibilidade duma origem italiana.[11]
  5. Posteriormente, durante o reinado de Anco Márcio, foi erigida uma ponte que permitiu a travessia da margem esquerda para a direita do rio Tibre.[18]
  6. O Fórum Boário (em latim: Forum Boarium , lit. mercado do gado), mesmo antes da fundação de Roma, era utilizado como lugar de encontro pelos latinos.[26] Desde pelo menos o século VIII a.C. desempenhou um papel de empório, onde nativos (etruscos, latinos, sabinos), gregos e fenícios se reuniam para trocar mercadorias, em especial gado e sal. Por conveniência destes encontros, articularam-se na região santuários com evidentes conotações de empório, como o Bosque de Ferônia (em latim: Lucus Feroniae), no qual etruscos, latinos e sabinos se reuniam para prestar oferentes à deusa Ferônia e para comercializar, o Grande Altar de Hércules (em latim: Ara Maxima), que foi associado com a figura do Hércules Itálico, protetor do gado transumante, as "salinas" (em latim: salinae; não são salinas verdadeiras) do Fórum Boário, que foram associadas com o culto de Hércules, e o Bosque de Dea Dia. Além disso, esse prolongado contato foi evidenciado, para além de achados arqueológicos (restos cerâmicos etc.), pelo sincretismo de divindades (associação de Astarte com Uni) e a incorporação, no Lácio, do alfabeto euboico proveniente dos gregos de Cumas, uma colônia eubeia da Campânia.[27]
  7. Na época clássica os romanos festejavam no dia 11 de dezembro o Septimôncio, festividade associada à arcaica Liga Septimoncial (Septimontiale ou Septomoncial), que agrupava as comunidades de sete montes: Palatual, Germal (que fazem parte do Palatino), Císpio, Fagutal, Ópio (que fazem parte do Esquilino), Vélia e Célio; os montes Quirinal, Viminal, Capitólio e Aventino não foram incorporados à liga.[7] Supõe-se que Roma originou-se através do sinecismo de tais aldeias.[30]
  8. Um deste é representado por vestígios de uma muralha de tufa calcária datada de ca. 730 a.C. que foi encontrada nas imediações da basílica de Constantino.[31]
  9. O mito de Aca Laurência, tal como grande parte da mitologia romana, passou por transformações ao longo do tempo. Inicialmente esteve vinculada com o mito do nascimento de Rômulo, no qual aparece como esposa de Fáustulo. No período histórico, seu culto heroico foi celebrado às margens de Velabro, um vale ligado ao setor da Porta Romanula (quarto ângulo do pomério de Rômulo), e esteve vinculado com cultos proto-históricos de Fauno e dos Lupercais. Mais tarde, num mito bem mais tardio, Aca Laurência foi associada ao Hércules do Grande Altar de Hércules, no qual aparece como uma prostituta sagrada cuja atividade parecia desenvolver-se na área do Fórum Boário.[27]

Referências

  1. a b Pedro 2005, p. 69
  2. a b c Salles 2008, p. 112
  3. Owen 1960, p. 49
  4. Cornell 2008, p. 6
  5. Plutarco século I, p. XII.2
  6. Jannuzzi 2005, p. 80
  7. a b c Salles 2008, p. 113-114
  8. Plínio, o Velho 77-79, p. III.69
  9. Cornell 2008, p. 34
  10. Os enigmáticos etruscos (em inglês). Visitado em 1.12.2013.
  11. The Origins of the Etruscans (em inglês). Visitado em 1.12.2013.
  12. Bonfante 1986, p. 67
  13. The religion of Rome (em inglês). Visitado em 26.05.2013.
  14. The Burning of Troy (em inglês). Visitado em 26.05.2013.
  15. The religion of Rome (em inglês). Visitado em 26.05.2013.
  16. Lívio 27-25 a.C., p. I.19
  17. Eutrópio século IV, p. I.6
  18. a b Cornell 2008, p. 14
  19. Pallottino 1993, p. 61; 65-68
  20. a b Havell 2003, p. 544
  21. a b Stobart 1978, p. 10
  22. a b Durando 2006, p. 106-107
  23. Coarelli 2008, p. 129-134
  24. History (em inglês). Visitado em 26.05.2013.
  25. Coarelli 2008, p. 127
  26. a b c d e Cornell 2008, p. 17
  27. a b Coarelli 1996, p. 127-151
  28. Peroni 2008, p. 11
  29. Coarelli 2008, p. 135-136
  30. Pallottino 1993, p. 130
  31. Carandini 2007, p. 22-24
  32. a b Cornell 2008, p. 19-20
  33. Plutarco século I, p. I.2
  34. Plutarco século I, p. I.2
  35. Plutarco século I, p. III.2
  36. De Fortuna Romanorum - Plutarc (em inglês). Visitado em 25.10.2012.
  37. Plutarco século I, p. III.4
  38. The Founding of Rome (em inglês). Visitado em 17.04.2012.
  39. Lívio 27-25 a.C., p. I.4
  40. Plutarco século I, p. IV.2-3
  41. Varrão século I a.C., p. V.54
  42. Plutarco século I, p. IV.1
  43. Plutarco século I, p. III.5-6
  44. Lívio 27-25 a.C., p. I.5-7
  45. Plutarco século I, p. 7-8
  46. Lívio 27-25 a.C., p. I.6
  47. Plutarco século I, p. IX.1-2
  48. Plutarco século I, p. IX.5; X.1-3
  49. Plutarco século I, p. IX.4; XI.1
  50. Salles 2008, p. 111
  51. Kaltner 2009, p. 31
  52. Wilkinson 2010, p. 84
  53. Brandão 1986, p. 155
  54. Lívio 27-25 a.C., p. I.7
  55. a b Dictionnaire Gaffiot (em inglês). Visitado em 17.04.2012.
  56. Briquel 1999, p. 133
  57. Grimal 1990, p. 20-21
  58. Cornell 1996, p. 112
  59. Cornell 2008, p. 18
  60. Zoch 2000, p. 13
  61. Censorino 268, p. 13
  62. Halicarnasso 30-8, p. 74-75
  63. Parilia (em inglês). Visitado em 17.04.2012.
  64. Plutarco século I, p. II.1
  65. Plutarco século I, p. II.3
  66. Plutarco século I, p. I.1
  67. Plutarco século I, p. I.2-3
  68. Rousseau 1792, p. IV, c. IV
  69. Braick 2006, p. 195

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes clássicas[editar | editar código-fonte]

  • Censorino. Du Jour natal. [S.l.: s.n.], 268.
  • Eutrópio. Breviarium historiae Romanae. [S.l.: s.n.], século IV.
  • Halicarnasso, Dionísio de. Das Antiguidades Romanas. [S.l.: s.n.], 30-8 a.C..
  • Lívio, Tito. Ab Urbe condita libri. [S.l.: s.n.], 27-25 a.C..
  • Plínio, o Velho. Naturalis Historia. [S.l.: s.n.], 77-79.
  • Plutarco. Vida de Rômulo. [S.l.: s.n.], século I.
  • Varrão, Marco Terêncio. De lingua latina. [S.l.: s.n.], século I a.C..

Fontes modernas[editar | editar código-fonte]

  • Bonfante, Larissa. Etruscan, Life and Afterlife: A Handbook of Etruscan Studies. [S.l.]: Wayne State University Press, 1986. ISBN 0814318134.
  • Braick, Patrícia Ramos. História das cavernas ao terceiro milênio: dos primeiros seres humanos à queda do Império Romano. [S.l.: s.n.], 2006.
  • Brandão, Junito de Souza. Mitologia Grega. [S.l.: s.n.], 1986. vol. 3.
  • Briquel, Dominique. A civilização etrusca. [S.l.: s.n.], 1999.
  • Carandini, Andrea. Roma il primo giorno. [S.l.: s.n.], 2007.
  • Coarelli, Filippo. Storia Einaudi dei Greci e dei Romani. [S.l.: s.n.], 2008.
  • Coarelli, Filippo. In: A. Momigliano; A. Schiavone. Storia si Roma. Torino: Giulio Einauri editore, 1996. Capítulo: Santuari, il fiume, gli empori. vol. 1.
  • Cornell, Tim; John Matthews. Grandes Impérios e Civilizações: Roma - Legado de um império. Madri: Ediciones del Prado, 1996. ISBN 84-7838-740-4}.
  • Cornell, Tim; John Matthews. A Civilização Romana. Col.: Grandes Civilizações do Passado. Barcelona: Folio, 2008. ISBN 978-84-413-2552-4.
  • Durando, Furio. Itália Antiga. Col.: Grandes Civilizações do Passado. [S.l.]: Folio, 2006. ISBN 84-413-2265-1.
  • Havell, H. L.. Ancient Rome: The Republic. [S.l.]: Geddes & Grosset, 2003. ISBN 1-84205-186-5.
  • Jannuzzi, Giovanni. Breve historia de Itália. Buenos Aires: Letemendía, 2005. ISBN 987-21732-7-3.
  • Kaltner, Leonardo. (2009). "Desvendando a História". ISSN 1809-9746.
  • Owen, Francis. The Germanic people: their Origin Expansion & Culture. [S.l.: s.n.], 1960. ISBN 0-88029-579-1.
  • Pallottino, Massimo. Origini e storia primitiva di Roma. [S.l.: s.n.], 1993.
  • Pedro, Antônio; Lizânias de Souza Lima; Yone de Carvalho. História Do Mundo Ocidental (em ). São Paulo: FTD, 2005. ISBN 978-85-322-5602-7.
  • Peroni, Renato. Comunità e insediamento in Italia fra età del bronzo e prima età del ferro. [S.l.: s.n.], 2008.
  • Rousseau, Jean-Jacques. Contrato Social. [S.l.: s.n.], 1792.
  • Salles, Catherine. Larousse das Civilização Antigas: Vol. I Dos faraós à fundação de Roma. São Paulo: Larousse do Brasil, 2008. ISBN 978-85-7635-443-7.
  • Stobart, J.C.. The Grandeur that was Rome. Londres: [s.n.], 1978.
  • Venotti, G.. L'altro Enea Rome. [S.l.: s.n.], 1995.
  • Zoch, Paul A.. Ancient Rome: An Introductory History. [S.l.]: Oklahoma University Press, 2000. ISBN 0806132876.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rômulo e Remo