Cures (sabinos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cures
Cures Sabini
Localização atual
Cures está localizado em: Itália
Cures
Localização do sítio de Cures
Coordenadas 42° 11' 4" N 12° 40' 54" E
País  Itália
Comuna Fara in Sabina
Área 300 000 m²
Dados históricos
Fundação século XI a.C. ou século IX a.C.
Abandono 589 d.C.
Início da ocupação Idade do Ferro
Povo Sabinos
Notas
Escavações 1874-1877

Cures é o nome de uma cidade sabina localizada entre a margem esquerda do Tibre e a via Salária, ca. 42 km de Roma, na comuna de Fara in Sabina. Segundo a tradição a cidade foi fundada no século XI a.C. por habitantes sabinos da cidade de Amiterno, em Abruzos.[1] Tito Tácio (m. 748 a.C.), rei sabino de Cures, liderou seu povo em direção ao monte Quirinal onde uniram-se com os habitantes latinos do monte Palatino sob Rômulo;[2] a tradição especula que o gentílico quirites,[3] atribuído aos cidadãos de Roma,[4] é uma derivação do nome Cures ou então da palavra sabina para lança (curis[5] ), embora atualmente estudiosos questionem tal associação.[6] A tradição também associa a cidade como lugar de nascimento dos reis romanos Numa Pompílio[7] e seu neto Anco Márcio.[8] [9]

Segundo evidências arqueológicas a cidade foi fundada durante o final do século IX a.C. e, através dos achados, é possível notar sua evolução urbana de molde orientalizante, principalmente no século VII a.C. Escavada em 1874-1877, produziu abundantes artefatos que possibilitaram os estudiosos compreender a dinâmica sócio-econômica do assentamento, bem como sua cultura material e de contatos realizados. Prosperou por séculos até ser dominada pelos romanos no século III a.C.[10] No início do período imperial de Roma a cidade possuía importância marginal, porém, a partir do século II d.C. tornou-se prospera. No século IV a cidade foi desabitada e tornou-se uma necrópole.[9] No século V foi sede de um bispado, tendo sido destruída pelos lombardos em 589.[2]

O sítio arqueológico é composto por uma colina com dois cumes, o ocidental ocupado pela necrópole e o oriental pela cidadela, enquanto a cidade está situado entre estes dois pontos.[2] Um dos achados mais importantes da cidade foi um cabana oval erigida com postes de madeira cimentados com barro e cascalho, com um chão de barro, que foi datada da segunda metade do século VIII a.C. Dividida em duas seções, no interior da cabaça foram encontrados restos de um forno para cozer grãos, um tear bem como pesos, e abundância em cerâmica, desde panelas à vasos. A cerâmica era decorada com figuras estilizadas de cor vermelha sobre um fundo branco.[11] Entre os artefatos encontrados em Cures está o chamado cipo de Cures, uma tabuleta de pedra contendo elementos da escrita sabina onde é possível notar certa influência etrusca.[12]

Referências

  1. Sabini (Sabellians) (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  2. a b c Cures (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  3. Lívio 27-25 a.C., p. I.18
  4. Cornell 2008, p. 18
  5. Roman February Calendar Feasts (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  6. Zoch 2000, p. 13
  7. Plutarco século I, p. XIX.9
  8. Floro séculos I-II, p. I.2.1.
  9. a b La storia dell’abitato Cures (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  10. The Excavations at Cures (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  11. La Cappana (em inglês). Visitado em 13-01-2013.
  12. O Cippo de Curas (em inglês). Visitado em 13-01-2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cornell, Tim; John Matthews. A Civilização Romana. Col.: Grandes Civilizações do Passado. Barcelona: Folio, 2008. ISBN 978-84-413-2552-4.
  • Floro, Públio Aneu. Epitoma de Tito Livio bellorum omnium annorum. [S.l.: s.n.], séculos I-II.
  • Lívio, Tito. Ab Urbe condita libri. [S.l.: s.n.], 27-25 a.C..
  • Plutarco. Vida de Rômulo. [S.l.: s.n.], século I.
  • Zoch, Paul A.. Ancient Rome: An Introductory History. [S.l.]: Oklahoma University Press, 2000. ISBN 0806132876.