Tetrarquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Roma Antiga
Roman SPQR banner.svg

Este artigo é parte da série:
Política e governo da
Roma Antiga


Períodos
Reino de Roma
753 a.C.509 a.C.

República Romana
508 a.C.27 a.C.
Império Romano
27 a.C.1453

Constituição romana

Constituição do Reino
Constituição da República
Constituição do Império
Constituição do Dominato
Senado
Assembleias Legislativas
Magistrados Executivos

Magistrados ordinários
Magistrados extraordinários
Títulos e Honras
Imperador
Precedente e Lei

Outros países · Atlas

Tetrarquia (do grego tetra, por derivação de tétares, "quatro," e árchein, "governar") designa qualquer sistema de governo em que o poder esteja dividido entre quatro indivíduos, denominados "tetrarcas". Usualmente aplica-se à tetrarquia introduzida pelo imperador romano Diocleciano, em 293, e que perdurou até c. 313. A instituição da tetrarquia marca a resolução da crise do século III e a recuperação do Império Romano.

A reorganização de Diocleciano[editar | editar código-fonte]

Diocleciano dividiu o império entre os sectores orientais (pars Orientis) e ocidentais (pars Occidentis). Manteve o controle pessoal do sector leste, enquanto Maximiano, seu companheiro de armas, governava o ocidente.

A primeira medida importante de Diocleciano foi indicar Maximiano como seu augusto ou coimperador, em 285[1] . Não foi propriamente uma divisão de poder, pois, na realidade, Diocleciano estava em posição superior à de Maximiano. A partir daí, o império passou a ter dois augustos (augusti), cada qual com exército, administração e capital próprios, embora Diocleciano continuasse a ser o chefe do Estado, representando a unidade do mundo romano.

Oito anos mais tarde, em 293, dada a crescente dificuldade de conter as numerosas revoltas no interior do império, procedeu a uma nova divisão funcional e territorial, a fim de facilitar as operações militares: nomeou um imperador menos "graduado", denominado césar (Caesar), subordinado a cada imperador mais graduado, que tinha o título de "augusto". Constituiu-se assim o sistema de quatro governantes - dois augustos e dois césares - ou tetrarquia.

Como seu césar para o Oriente, Diocleciano designou Galério. Maximiano fez o mesmo, nomeando Constâncio Cloro para o ocidente. O império foi dividido em quatro territórios:

Os césares eram chefes militares capazes de governar e proteger o império, adotados como filhos pelos augustos, a quem sucederiam em caso de morte, de incapacidade provocada pela velhice ou decorridos vinte anos de seus governos. Lugares-tenentes dos augustos, os césares também possuíam capital, exército e administração próprios.

Regiões e capitais[editar | editar código-fonte]

Os quatro tetrarcas não tiveram suas bases em Roma, mas em outras cidades mais próximas às fronteiras, principalmente para a defesa do império contra rivais externos (principalmente o Império Sassânida) e os bárbaros (principalmente germânicos, numa migração infindável desde as estepes do Oriente) no Reno e no Danúbio. Estes centros eram conhecidos como "capitais tetrárquicas". Embora Roma deixasse de ser capital operacional, continuou a ser a capital nominal de todo o império, não reduzida à condição de província, mas sob seu único praefectus urbis, mais tarde copiado em Constantinopla.

As quatro capitais tetrárquicas eram:

Mapa do Império Romano sob a tetrarquia, com as dioceses e zonas de influência de cada tetrarca.

Aquileia, um porto na costa do mar Adriático, e Eboracum (atual Iorque), no norte da atual Inglaterra e próxima às modernas Escócia e Irlanda), foram também cidades importantes para Maximiano e Constâncio, respectivamente.

Em termos de jurisdição, não havia divisão precisa entre os quatro tetrarcas, e neste período realmente não houve divisão do Estado romano em quatro diferentes sub-impérios. Cada imperador tinha sua zona de influência dentro do império, mas principalmente o alto comando no "teatro de guerra". Cada tetrarca esteve frequentemente no campo, enquanto delegava a maior parte da administração à burocracia hierárquica chefiada por seu respectivo prefeito do pretório, cada um supervisionando vários vicari, o governador-geral encarregado de outros, terminando com o novo nível administrativo, a diocese civil. No ocidente, o augusto Maximiano controlava as províncias ocidentais do Adriático e dentro daquela região seu césar controlava a Gália e a Britânia. No Oriente, os arranjos entre o augusto Diocleciano e seu césar Galério eram mais flexíveis.

Porém, parece que alguns escritores contemporâneos e posteriores, tais como os autores cristãos Lactâncio e Sexto Aurélio Vítor (que escreveram cerca de cinquenta anos depois e com fontes incertas), compreenderam mal o sistema tetrárquico neste respeito, acreditando que teria envolvido uma divisão estrita de territórios entre os quatro imperadores.

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Os tetrarcas, escultura em pórfiro, saqueada de Constantinopla em 1204.

Embora o poder estivesse divido no sistema tetrárquico, a imagem pública dos quatro imperadores no colégio imperial era cuidadosamente gerenciada par adar a aparência de um império unido (patrimonium indivisum). Isto era de suprema importância após a guerra civil do século III.

Os tetrarcas apareciam idênticos em todos retratos oficiais. Cunhagem de moedas do período mostra cada imperador com idênticas características - somente as inscrições nas moedas indicava qual dos quatro imperadores era mostrado. A escultura dos quatro tetrarcas, agora no canto sudoeste da Basílica de São Marcos, em Veneza, mostra os tetrarcas com idênticas características e usando o traje militar idêntico.

O fim da tetrarquia e acontecimentos posteriores[editar | editar código-fonte]

Após a abdicação de Diocleciano (305), teve início uma guerra entre os augustos e os césares por ele nomeados. A anarquia se instaurou.

Em 312, na Batalha da Ponte Mílvio, Constantino derrotou Magêncio. De 316 a 323, Constantino e Licínio governaram Roma. A partir de 324, Constantino passou a ser o único senhor de todo o império.

Referências

  1. KULIKOWSKI, Michael. Guerras Góticas de Roma. 1 ed. São Paulo: Madras, 2008. 246 p. 1 vol. vol. 1. ISBN 978-85-370-0437-1