Grande incêndio de Roma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O incêndio de Roma, 18 de julho de 64,
óleo de Hubert Robert, no Museu de Arte Moderna André Malraux, em Le Havre

O grande incêndio de Roma teve início na noite de 18 de julho, no ano 64 d.C., afetando 10 das 14 zonas da antiga cidade de Roma, três das quais foram completamente destruídas[1] .

O fogo alastrou-se rapidamente pelas áreas mais densamente povoadas da cidade, com as suas ruelas sinuosas. O fato de a maioria dos romanos viverem em insulas, edifícios altamente inflamáveis devido à sua estrutura de madeira, de três, quatro ou cinco andares, ajudou à propagação do incêndio[2] .

Nestas condições, o incêndio prolongou-se por seis dias seguidos até que pudesse ser controlado. Mas por pouco tempo, já que houve focos de reacendimento que fizeram o incêndio durar por mais três dias[carece de fontes?]. O antigo Templo de Júpiter Stator e o lar das Virgens Vestais foram destruídos, bem como dois terços da antiga cidade[2] .

Nero e o incêndio de Roma[editar | editar código-fonte]

Existem várias versões sobre a causa do incêndio. A versão mais contada é a de que os moradores que habitavam as construções de madeira, usavam do fogo para se aquecer e se alimentar. E por algum acidente, o fogo se alastrou. Para piorar a situação, ventos fortes arrastavam o fogo pela cidade[2] .

Outra versão famosa, porém desmentida pelos historiadores, é de que o imperador Nero teria ordenado o incêndio com o propósito de reconstruir a cidade de acordo com um projeto arquitetônico que a tornaria ainda mais majestosa[carece de fontes?]. Há ainda a versão , concebida por romancistas cristãos pósteros que, atribuindo ao imperador a condição de demente, pretende que ele provocou o incêndio para inspirar-se, poeticamente, e poder produzir um poema, como Homero ao descrever o incêndio de Troia.

Segundo algumas fontes, enquanto o fogo consumia a cidade, Nero contemplava o cenário, tocando com sua lira[1] . Esta cena é retratada no romance "Quo Vadis",[3] .

Na verdade, no momento do incêndio, Nero estava em outra cidade e, ao saber do ocorrido, retornou a Roma, esforçando-se para socorrer os desabrigados, inclusive mandando abrir os jardins de seu palácio para acolhê-los[carece de fontes?]. Todavia, o fato de, posteriormente, ter usado seus agentes para adquirir, a preço vil, terrenos nas imediações de seu palácio, com a provável intenção de ampliá-lo, tornou-o suspeito, junto ao povo, de ter responsabilidade no sinistro.[4]

Para Massimo Fini, Nero teria sido caluniado, por historiadores romanos e cristãos, nesse episódio do grande incêndio de Roma[5]

Os cristãos e o incêndio de Roma[editar | editar código-fonte]

Não se sabe exatamente o momento e as razões que levaram os cristãos a serem acusados de responsáveis pelo incêndio. Historiadores cristãos e também romanos (como Tácito e Suetônio, cujas obras denotam acentuada antipatia pelo imperador) sustentam que se tratou de uma manobra de Nero, para desviar as suspeitas de sua pessoa. Uma vez que a tese de "incêndio criminoso" se disseminara, era necessário encontrar os culpados, e os cristãos podem ter-se tornado "bodes expiatórios" ideais, pelo fato de serem mal vistos em Roma[2] . De fato, Suetônio relata que as crenças cristãs eram tidas, na época, como "superstição nova e maléfica"[6] enquanto Tácito, embora acusando Nero de ter injustamente culpado os Cristãos, declara-se convencido de que eles mereciam as mais severas punições porque cometiam "infâmias" e eram "inimigos do gênero humano".[7] Segundo o romancista Pär Lagerkvist, é até possível que alguns cristãos fanáticos, imbuídos de conceitos apocalípticos, tenham proclamado, publicamente, que o incêndio era um castigo divino pelos "pecados" dos romanos, e que prenunciava o novo advento do Cristo, o que teria tornado todos os cristãos suspeitos de implicação naquela calamidade.[8]

Hoje a Igreja Católica celebra a memória desses "Santos Protomártires" todos anos no dia 30 de Junho. E entre os mais ilustres estavam São Pedro que foi crucificado no circo de Nero, actual Basílica de São Pedro, e São Paulo que foi decapitado junto da estrada de Roma para Óstia.[9]

Referências

  1. a b Incêndio de Roma (em português) Infopédia. Visitado em 18 de julho de 2012.
  2. a b c d Antonio Gasparetto Junior (14 de novembro de 2011). Grande Incêndio de Roma (em português) InfoEscola. Visitado em 18 de julho de 2012.
  3. Henryk Sienkiewicz, "Quo Vadis", 1895
  4. César. Série de Documentários da TV Escola sobre os imperadores romanos: Nero, 2008
  5. FINI, Massimo. Nero: o imperador maldito. 1. ed. [S.l.]: Scritta, 1993. 286 pp. 1 vols. vol. 1. 8585328436.
  6. Suetônio, Vidas dos Doze Césares, século I
  7. Tácito, "Anais". século I
  8. No romance "Barrabás", 1950, de Par Lagerqvist, o personagem-título, que está quase se tornando cristão, ajuda a propagar o incêndio, na convicção de que trata de obra divina.
  9. Santos Protomártires da Igreja de Roma, 64-67, evangelizo.org

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Suetônio, Gaio. A vida dos doze césares (Tradução de Sady Garibaldi). São Paulo: Ediouro, 1966.
  • Tácito, Cornélio. Anais (Tradução de Leopoldo Pereira). São Paulo: Ediouro, 1967.
Ícone de esboço Este artigo sobre Roma Antiga e o Império Romano é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.