Santa Maria degli Angeli e dei Martiri

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Santa Maria degli Angeli e dei Martiri.

Santa Maria dos Anjos e Mártires (em italiano: Santa Maria degli Angeli e dei Martiri) é uma igreja perto do Quirinal e das Termas de Diocleciano.

Para satisfazer a demanda da população que crescia nessa parte de Roma, o imperador Maximiano, que dividia o poder com Diocleciano, mandou construir um complexo de banhos entre 298 e 306, ao voltar da África. Com quase 400 metros de lado, podia acomodar três mil pessoas.

Quando o papa Pio IV (pontificado de 1559 a 1565) deu o local aos monges de Santa Cruz em Jerusalém, Michelangelo converteu o salão central dos banhos nesta igreja de Santa Maria dos Anjos. O trabalho começou em 1563. Os dois eixos do piso, na forma de uma cruz grega, com quatro capelas laterais, relacionam-se à antiga basílica com a piscina intitulada frigidário, caldário e o tepidário dos banhos. O piso central foi erguido dois metros, para manter seco o interior, de modo que parte das colunas desapareceu sob o piso sendo substituídos por outras estruturas.

Várias restaurações e uma renovação extensa em 1749 por Vanvitelli, quando transformou o salão central num transepto, dificultam perceber hoje o conceito original de Michelangelo. Entretanto, as colunas monolíticas de granito vermelho e a abóbada poderosa que se ergue sobre o atual transepto dão alguma ideia de como os banhos eram na antiguidade.

fachada

Em 1576, sendo papa Gregório XIII (pontificado de 1572 a 1585), construíram-se os celeiros, mais tarde aumentados para o noroeste. A igreja redonda de São Bernardo nas Termas (San Bernardo alle Terme) foi construída no século XVI em um dos quatro cantos da muralha.

Ícone de esboço Este artigo sobre arquitetura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.