Mário Totta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mário Totta
Nascimento 5 de janeiro de 1874
Morte 17 de novembro de 1947 (73 anos)

Mário Totta (Porto Alegre, 5 de janeiro de 1874Porto Alegre, 17 de novembro de 1947) foi um médico, romancista, poeta e jornalista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Augusto Rodrigues Totta e Emília Ribeiro Totta. Estudou no Colégio São Pedro, dos irmãos Castilhos, em Porto Alegre. Farmacêutico, formou-se em 1904 médico pela Faculdade de Medicina de Porto Alegre, onde também foi professor e se aposentou em 1930. Foi diretor do gabinete de identificação do Rio Grande do Sul e fundador do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul.

Iniciou como jornalista no Jornal do Commercio, dirigido por Aquiles Porto Alegre. Foi co-fundador e redator do Correio do Povo, em 1895.

Junto com Sousa Lobo e Paulino Azurenha, criou a novela de caráter naturalista Estrychnina, escrita em 1897.

Foi líder da campanha para aposentar a roda dos expostos da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, cujo mecanismo fixado em um muro continha uma pequena porta onde eram deixadas para adoção crianças recém-nascidas. Graças à sua campanha, o mecanismo foi desativado em 1940.

Poeta, romancista, cronista, foi fundador da Academia Rio-Grandense de Letras.

Referências[editar | editar código-fonte]