Maria Renata Saenger von Mossau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria von Mossau
Nome completo Maria Renata Saenger von Mossau
Nascimento 1680
Morte Junho de 1749
Nacionalidade Alemã

Maria Renata Saenger von Mossau (1680 - Junho de 1749) foi uma freira da Baviera executada por heresia, bruxaria, apostasia e satanismo, uma das últimas pessoas a ser executada por este tipo de crimes na Alemanha e na Europa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Renata foi admitida no convento de Unter-Zell, na Baviera, em 1699, onde ficou conhecida pela sua devoção religiosa e foi nomeada sub-prioresa em 1740. Em 1746, uma das freiras, Cecília, começou a sofrer de convulsões e afirmou ter sido possuída por demónios e poltergeists. Os ataques espalharam-se por todo o convento e pouco depois várias freiras passaram a ter ataques histéricos. Uma delas morreu e, no seu leito de morte, acusou Renata de ser satanista e maga.

A igreja levou depois a cabo um exorcismo no convento, durante o qual as freiras se rebolaram no chão e "uivaram e se contorceram como gatos raivosos." Durante uma busca efectuada no quarto de Renata, foram encontrados venenos, pomadas e roupas estranhas.

Renata confessou a um padre Benedito que era satanista e bruxa, que aos sete anos de idade se tinha entregue a Satanás, aos doze se tinha tornado prostituta e tinha aprendido magia e a fazer venenos. Em 1694, Maria foi baptizada numa missa negra e, em 1699, tinha entrado no convento apenas com o intuito de eliminar as "noivas de Cristo". Afirmava ser uma alquimista talentosa e utilizou o veneno Aqua Tofana, criado por Giulia Tofana em Nápoles. Disse que se sentia arrependida, mas mesmo assim a igreja julgou-a e condenou-a por feitiçaria, heresia, bruxaria, apostasia e satanismo, depois entregou-a às autoridades seculares para que fosse executada. Foi decapitada e depois queimada em Junho de 1749.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jennifer S. Uglow, The Macmillan dictionary of women's biography