Marie-Anne Pierrette Paulze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marie Lavoisier e seu marido Antoine Lavoisier (retrato de Jacques-Louis David, 1788).

Marie-Anne Pierrette Paulze (Montbrison, 20 de janeiro de 1758Paris, 10 de fevereiro de 1836) foi uma química e aristocrata francesa que se tornou conhecida por ter sido a esposa de dois grandes cientistas: Antoine Lavoisier e Benjamin Thompson, também conhecido como Conde Rumford.

Primeiros Anos[editar | editar código-fonte]

Marie-Anne Pierrette Paulze era filha de Jacques Paulze, um membro da Ferme Général. Quando tinha três anos de idade, devido a morte da sua mãe, Marie-Anne foi colocada num convento, onde recebeu a sua formação inicial e foi incentivada a estudar. Aos treze anos, Marie-Anne foi retirada do convento para se casar com o Conde de Amerval, um aristocrata falido de cinquenta e um anos.

Este casamento "arranjado" foi imposto ao pai de Marie-Anne por Joseph Marie Terray, membro superior da Ferme Général. Terray actuou a pedido da Baronesa de la Garde, irmã do Conde de Amerval. Marie-Anne foi escolhida como futura esposa do conde porque a sua família era bastante rica. Marie-Anne opôs-se ao casamento. Não querendo contrariar a vontade da sua filha, mas receado represálias por não obdecer ao "pedido" de Terray, Jacques Paulze contornou a situação, propondo o casamento de Marie-Anne com um jovem membro da Ferme Général, Antoine Lavoisier. Marie-Anne aceitou, e a cerimónia de casamento realizou-se a 16 de dezembro de 1771.

Mulher e colaboradora de Lavoisier[editar | editar código-fonte]

Antoine Lavoisier

Pouco depois do início do casamento com Lavoisier Marie-Anne demonstrou interesse pelas suas actividades científicas. Assim Marie-Anne teve lições de química com Jean-Baptiste Bucquet, que lhe permitiram tornar-se assistente de Lavoisier e participar nos trabalho e nas experiências de Lavosier traduzindo para o francês textos originalmente escritos em latim ou em inglês e, também, como ilustradora. Em várias ilustrações do trabalho de Lavoisier é possível identificar Marie-Anne sentada, tomando notas das experiências realizadas por Lavoisier, e anotando também os seus resultados. Alguns exemplos da colaboração de Marie-Anne com Lavoisier são as experiências sobre a combustão de enxofre e de fósforo e ainda as experiências sobre respiração.

Papel como tradutora[editar | editar código-fonte]

Marie-Anne teve lições de latim e de inglês, que lhe permitiram traduzir vários documentos para o marido (cujo conhecimento de outras línguas que não o francês era fraco). Uma das suas traduções mais importantes foi o texto do inglês Richard Kirwan, Essay in Phlogiston. A leitura da tradução deste livro foi essencial para o trabalho desenvolvido por Lavoisier, no sentido de refutar a Teoria do flogisto.

A leitura e tradução dos diversos trabalhos realizados por outros cientistas no âmbito da química, também permitiram a Marie-Anne manter-se a par das novas descobertas e das controvérsias nesta ciência.

Papel como ilustradora[editar | editar código-fonte]

Marie-Anne tornou-se a ilustradora mais importante dos livros e ensaios escritos pelo marido. Para tal teve lições de pintura com Jacques-Louis David, um dos pintores franceses mais famoso na época.

As ilustrações realizadas por Marie-Anne dos materiais e apparatus utilizados nas experiências de Lavoisier ainda hoje são admiradas, e serviram de modelo para os ilustradores de desenhos científicos da época.

Marie-Anne foi inovadora na apresentação das suas ilustrações. Estas eram de tal forma precisas e detalhadas que podiam ser utilizadas para recriar de forma fiel os materiais e apparatus de Lavoisier.

As ilustrações mais famosas de Marie-Anne encontram-se no livro de Lavoisier Traité élémentair de chimie.

Papel como anfitriã[editar | editar código-fonte]

Marie-Anne e o marido deram várias recepções e jantares em sua casa, onde participaram convidados famosos como Benjamin Franklin, Joseph Priestly e James Watt, para além dos elementos da Academia das Ciências, na qual Lavoisier era membro desde 1768).

Morte de Lavoisier[editar | editar código-fonte]

A Revolução Francesa não foi um acontecimento explosivo, antes um crescendo de violência. E inicialmente a família Lavoisier não se sentiu directamente afectada pelos acontecimentos. Lavoisier era uma figura pública reconhecida, e sentia-se protegido pelo seu estatuto de cientista.

No entanto, já em outubro de 1789 (ainda no início da Revolução Francesa), ocorreu um episódio envolvendo Marie-Anne. A carruagem onde ela viajava foi assaltada por um grupo de mulheres revoltadas. Marie-Anne foi forçada a acompanhar estas mulheres durante algum tempo, no seu percurso até Versailles.

Em 24 de novembro de 1793 foi emitida uma ordem de prisão para todos os antigos membros da Ferme Général, incluindo o marido, Antoine Lavoisier, e o pai de Marie-Anne, Jacques Paulze. A 28 de novembro ambos se entregaram às autoridades.

Não havia muito que Marie-Anne pudesse fazer pelo seu pai. No entanto fez todas as diligências possíveis para a libertação do seu marido. Falou com vários dos seus colegas e amigos cientistas. Inicialmente, colegas de Lavoisier fizeram pressão para a sua libertação. Mas, à medida que os meses foram passando, cessaram as manifestações por receio de serem acusados de traição. Marie-Anne nunca lhes perdoou tal atitude.

Finalmente, Marie-Anne reuniu-se com Antoine Dupin, o instrutor principal do processo contra os membros da Ferme Général. O objectivo do encontro era criar um julgamento à parte e menos severo para Lavoisier, ou, até mesmo, permitir a sua fuga da prisão. No entanto o encontro correu mal, na medida em que Marie-Anne se recusou a ser submissa. Refere-se inclusive que foi arrogante e agressiva, acusando Dupin de ser corrupto. A actuação de Marie-Anne destruiu qualquer hipótese de salvar Lavoisier.

Lavoisier morreu a 8 de Maio de 1794, conjuntamente com Jacques Paulze, pai de Marie-Anne. Foram guilhotinados na Place de la Révolucion. Na altura várias pessoas acusaram Marie-Anne de ser responsável pela morte do marido.


Casamento com Benjamin Thompson[editar | editar código-fonte]

Benjamin Thompson

Marie-Anne conheceu Benjamin Thompson, ou Conde Rumford, em Paris a 19 de novembro de 1801. É referido que Thompson reconhecia as capacidades intelectuais de Marie-Anne, assim como a sua vontade de independência. O casal manteve contacto por correspondência e fazendo extensas viagens por Baviera e pela Suiça (em 1803).

Marie-Anne convenceu o governo de França a permitir a residência de Thompson no país, apesar deste ser inglês. Em 1804 Marie-Anne e Thompson passaram a viver juntos. O casamento entre eles só se realizou a 24 de outubro de 1805. O atraso deveu-se a dificuldades (devido à guerra) em obter os papéis necessários para comprovar que Thompson era viúvo.

Este casamento terminou, alguns anos mais tarde, devido a incompatibilidade de interesses: Marie-Anne era uma mulher enérgica e socialmente activa, famosa pelas festas que organizava. Thompson era mais introspectivo e arrogante. Para além disso Thompson falava quase exclusivamente da física, enquanto Marie-Anne gostava de abordar outros assuntos.

Marie-Anne também deve ter se ressentido por Thompson não permitir a sua participação nos projectos científicos. A tensão teria aumentado quando algumas experiências de Thompson apontaram o calórico como não sendo um elemento, contrariando uma das teses de Lavoisier.

A relação entre Marie-Anne e Thompson foi se degradando até que em 1808 o casal se separou. Por essa altura, Thompson referiu-se a Marie-Anne como sendo uma mulher tirana e obsessiva nos seus objectivos. Em 1809 obtiveram o divórcio por mútuo acordo.

Anos finais[editar | editar código-fonte]

Logo após a morte de Lavoisier, Marie-Anne tentou recuperar os relatórios feitos pelo marido e apreendidos pelo governo, em especial o trabalho realizado por Lavoisier enquanto estava preso. Em 1803 Marie-Anne publicou, utilizando o seu próprio dinheiro, a primeira edição das Memoires de chimie. Em 1805 saiu uma segunda edição deste livro. Desta forma Marie-Anne fez tudo o que pode para restaurar nome do primeiro marido.

Marie-Anne continuou a perpetuar a memória de Lavoisier até ao fim da sua vida. No seu segundo casamento manteve o apelido do primeiro marido. Continuou a realizar encontros sociais e festas, convidando artistas e cientistas. Manteve-se como uma figura importante da sociedade parisiense até à sua morte a 10 de fevereiro de 1836.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Eagle, Cassandra T. and Sloan, Jenifer. "Marrie Anne Paulze Lavoisier: The Mother of Modern Chemistry." The Chemical Educator 3.5 (1998):1-18. |PDF, acedido a 16 de maio de 2008.
  • Morris, Richard. The Last Sorcerers. Washington: Joseph Henry Press, 2003.
  • Fara, Paticia. Scientists Anonymous - Great Stories of Women in Science. Cambridge: Wizard Books, 2005.
  • Gribbins, John. Science, a History. London: Penguin Books, 2003.
  • Bell, Madison Smartt. Lavoisier in the Year One. New York: W.W. Norton, 2006.