Missa Luba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Missa Luba é uma versão da Missa Latina baseada em canções tradicionais do Congo. Foi arranjada pelo padre franciscano belga Guido Haazen, tendo sido cantada e gravada pela primeira vez em 1958 por "Les Troubadours du Roi Baudouin", um coro de crianças e adolescentes de Kamina.

História[editar | editar código-fonte]

O padre Guido Haazen chegou ao Congo Belga em 1953, vindo da bélgica. Em 1954, fundou o Troubadours (que deve seu nome ao rei Baudouin I da Bélgica) como um coro de 45 garotos dos 9 aos 14 anos, além de 15 professores da escola central de Kamina. Em 1958 o grupo excursionou pela europa para e chegou a se apresentar com os Meninos Cantores de Viena. Existia um grande grau de improvisação nas performances, baseadas em canções tradicionais. O Sanctus, por exemplo, se baseia em uma canção de despedida Kiluba.[1]

A primeira gravação, feita em 1958, apresenta o vocalista solo Joachim Ngoi, foi lançada pela Philips em 1963 no Reino Unido e inclui, num dos lados, uma seleção de canções usadas como base para a Missa Luba. As seções do Sanctus e do Benedictus foram lançadas também como um single, que esteve por algum tempo na parada musical do Reino Unido. Em 2004 a Philips lançou a gravação original em CD. O CD, contudo, inclui apenas a missa, sem as versões das canções originais do Congo. Foi lançado também um DVD gravado em 2000. O CD inclui também a Missa Criolla e a Missa Flamenca interpretadas por outros artistas.

Desde os anos 1960 a Missa Luba foi gravada por outros coros, incluindo The Muungano National Choir of Nairobi e o Washington Choral Arts Society.

Padre Haazen faleceu em 2004.

Arranjos[editar | editar código-fonte]

Originalmente a música não era escrita. A composição era resultado da cooperação geral, da espontaneidade e da inspiração. Posteriormente, foram publicadas as partituras do arranjo de Haazen.

No Credo o texto (a crucificação e morte do Redentor) é precedido da usual anunciação da morte, primeiro no Kyondo e então no Kikumvi (Tom-Tom). A isso, segue-se um genuino "kilio" (elegia - canção de luto) sem acompanhamento na percussão, cantado pela voz solista. A entoação lamuriosa é enfatizada pela repetição e sustentação das sílabas em "o" ("… etiam prono … bis, sub Pontio Pilato…).

A Missa Luba foi criada pelos Balubas de Kasai e Katanga, juntamente ao padre Haazen.[2]

Gravação Original[editar | editar código-fonte]

Artista: Les Troubadours du Roi Baudoin, arranjos por Père Guido Haazen O.F.M. Philips 6527 137 (1965), LP.

Relançado (somente a Missa Luba, sem as demais canções do Congo) Philips CD/DVD (2004), ASIN: B0002JZ28O

Faixas[editar | editar código-fonte]

  • Lado 1
    • Missa Luba:
      • Kyrie
      • Gloria
      • Credo
      • Sanctus and Benedictus
      • Agnus Dei
    • Cantos Populares do Congo:
      • Kamimbi
      • Maningi Daba
      • Mikomba
  • Lado 2
    • Cantos Populares do Congo(cont.):
      • Dibwe Diambula Kabanda
      • Lutuku y a Bena Kanyoka
      • Seya Wa Mama Ndalamba
      • Ebu Bwale Kemai
      • Salibona
      • Kansempe
      • Katumbo
      • Tambwe Dishinda

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Informação da capa do disco original de 1965
  2. Informação da capa do LP original