Monômio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em matemática, um monómio (português europeu) ou monômio (português brasileiro) é um termo que contém apenas o produto de constantes e variáveis.[1]

De acordo com a notação algébrica, consolidada por Descartes[2] , usam-se as últimas letras do alfabeto para as variáveis, reservando as primeiras letras para as constantes. Assim, são variáveis x, y, z, t, etc; e são costantes a, b, \frac{1 + \sqrt{5}}{2}, 10100, \frac{a + b}{\sqrt{c}}, etc e tal.

Um simples número pode ser considerado um monômio, tal como 2, π ou \sqrt[3]{3 + \sqrt{2}} - \sqrt[3]{3 - \sqrt{2}}.

Polinômios[editar | editar código-fonte]

Um polinômio é definido com a soma de monômios. O grau de um polinômio é o grau do monômio de maior grau; o polinômio zero, por definição, não tem grau.

Por exemplo, o polinômio 2 + 4x³ + 2x² - x, que é composto de 4 monônios, tem grau 3, pois corresponde ao expoente mais alto dentre os componentes do polinômio - o monômio 4x³.

Referências

  1. Definição do termo matemático, a partir da Encyclopaedia of Mathematics
  2. The Development of Algebra, artigo por Leo Rogers - Descartes introduced the convention of letters at the end of the alphabet (x, y, z) for unknown and at the beginning (a, b, c) for known quantities which is what we use today
Ícone de esboço Este artigo sobre matemática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.