Movimento bright

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O movimento bright foi iniciado por Paul Geisert e Mynga Futrell em 2003 com o intuito de oferecer um termo que tivesse conotação positiva ao descrever os vários tipos de pessoas que têm uma visão de mundo naturalista, ao mesmo tempo evitando conotações negativas ou anti-religiosas (como as têm os termos ateísta, infiel ou descrente). Decidiram-se por usar o adjetivo inglês bright como um substantivo, dando-lhe um novo significado:

O bright é uma pessoa cuja visão do mundo é naturalista - livre de elementos místicos e sobrenaturais. A ética e as ações do bright se baseiam numa visão naturalista do mundo.

A idéia foi publicada por Richard Dawkins em um artigo[1] para o The Guardian e por Daniel Dennett no New York Times. O projeto se baseia fortemente na teoria dos memes.

Algumas pessoas (religiosas ou não) têm objeções ao termo porque ele dá a idéia de que uma pessoa não religiosa é mais inteligente ("brighter") que os religiosos.

Um movimento diferente que pretende unir uma variedade de filosofias incluindo ateísmo, deísmo, agnosticismo, panteísmo e Pandeísmo defende o uso do termo "Universismo".

Objetivos dos brights[editar | editar código-fonte]

São definidos pelos Brights os seguintes objetivos principais: [1] [2]

  1. Promover a compreensão e reconhecimento cívico de uma legitima visão naturalista do mundo, livre de elementos místicos e sobrenaturais.
  2. Obter reconhecimento público de que as pessoas portadoras de tal ponto de vista podem influenciar positivamente em assuntos e decisões de importância social.
  3. Promover na sociedade a aceitação plena da participação destes indivíduos.

Brights famosos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The Brights Net - Home Page. www.the-brights.net. Página visitada em 16/06/2008.
  2. Prinzipien deutsche Seite. www.Brights-Hamburg.de. Página visitada em 16/06/2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]