Os Cascavelletes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os Cascavelletes
Informação geral
Origem Porto Alegre, RS
País  Brasil
Gênero(s) Punkabilly
Beat
Hard rock
Porno rock
Período em atividade 19871991
2007 (Reunião)
Gravadora(s) Vórtex, EMI-Odeon, Indie
Afiliação(ões) TNT
Prisão de Ventre
Graforréia Xilarmônica
Cokeyne Bluesman Power Trio
Tenente Cascavel
Página oficial www.myspace.com/cascavelletes
Ex-integrantes Flávio Basso
Nei Van Soria
Luciano Albo
Alexandre Barea
Frank Jorge
Humberto Petinelli

Os Cascavelletes foi uma banda gaúcha de rock and roll, formada em Porto Alegre, RS e que teve um tempo muito curto de duração, mas continua sendo muito influente até os dias atuais pelo o seu som irreverente e com letras polêmicas.[1]

Foi uma das seminais bandas da época, quando houve uma ascensão no rock gaúcho, junto à TNT, Graforréia Xilarmônica, DeFalla, Garotos da Rua, Engenheiros do Hawaii e Os Replicantes. Tinha influências de bandas inglesas como Rolling Stones e The Beatles, além do rockabilly dos anos 50. A banda caracaterizava-se por temas geralmente ligados a sexo, drogas e rock 'n' roll. Ficou muito conhecida por criar um estilo musical próprio, chamado porno rock.

História[editar | editar código-fonte]

Os Cascavelletes surgiram em 1985, quando Flávio Basso (contrabaixo e voz) e Nei Van Soria (guitarra e voz) ambos ex TNT juntaran-se a Frank Jorge ex-Prisão de Ventre; e atual Graforréia Xilarmônica (guitarra e backing vocal) e Alexandre Barea (bateria). Existem Várias teorias sobre o motivo referente a saída de Nei Van Soria e Flávio Basso do TNT. Uma delas seria pela divergência referente à sonoridade e aos temas abordados nas composições, que por algumas vezes poderiam conflitar com os tabus vigentes na época.

Em 1986 gravam a primeira demo, em oito canais, em um dos estúdios da Fundação ISAEC, posteriormente lançada pelo selo Vórtex, de propriedade de integrantes da banda de punk rock "Os Replicantes" na cidade de Porto Alegre, sendo conhecida como a Vórtex Demo. Através desta gravação, várias músicas memoráveis, como por exemplo: "Morte Por Tesão", "Pombo Surfista", "O Dotadão", "Minissaia Sem Calcinha", "A Última Virgem", "Banana Split" entre outras, passaram imediatamente a ser executadas pela rádio Ipanema FM, a maior responsável pela disseminação e divulgação do rock na região sul do Brasil, durante aquele período.

Em 1987, junto com "Júlio Reny e Expresso Oriente", "Apartaid", "Justa Causa" e "Prize", participaram de uma coletanea intitulada "Rio Grande do Rock", na forma de LP em vinil, lançada no Brasil no inicio de 1988 pela gravadora holandesa SBK, que posteriormente foi incorporada pelo selo EMI, proporcionando a entrada dos Cascavelletes no mesmo.

Ainda em 1988, lançam o LP, chamado Os Cascavelletes[2] gravado em 1987, por Fernando Faciolli em dezesseis canais no estúdio Castelnuovo em Caxias do Sul, contendo algumas regravações da primeira demo e tendo já duas de suas faixas incluídas na coletânea Rio Grande do Rock. Além de uma versão ao vivo da musica Jessica Rose, gravada no cineteatro Presidente em quatro canais. Músicas como "Estou Amando uma Mulher" e "Jessica Rose" fazem a banda alcançar uma maior visibilidade e a música Menstruada é proibida de ser executada nas rádios.


Em 1989 lançam outra demo, com músicas inéditas. A demo não tem um nome, mas é chamada de Pré-Rock'a'ula, pois saiu mêses antes do lançamento do primeiro disco oficial da banda. Foi gravada no Farm Estúdio no Rio de Janeiro e entre a gravação e o lançamento do disco, Frank Jorge deixa a banda, por estar bastante envolvido com a Graforréia Xilarmônica, banda que havia criado, o que faz com que ele desestenda com Basso, Van Soria e Barea.

Rock'a'ula[3] saiu pela gravadora EMI-Odeon e trouxe à banda um reconhecimento nacional, com a música "Nega Bombom" fazendo parte da trilha da novela Top Model, da Rede Globo. Nele aparece o baixista Luciano Albo, que já havia tocado com Basso e Van Soria na TNT. Com isso Frank Jorge deixa a banda, rumo a Graforréia Xilarmônica, que na época era o seu projeto paralelo e ao que viria a ser outro ícone do rock gaúcho.

A partir do lançamento do disco, a banda lança mais duas demos, em 1990 e 1991, com músicas inéditas, mas não alcançam o sucesso de antes. Em 1992, ainda lançam um compacto, chamado "Homosexual/Sob um Céu de Blues"[4] que conta com participação de Humberto Petinelli, o "Cokeyne Bluesman", nos teclados. Vindo assim a retornar ao cenário musical sulista como a principal banda gaúcha.

Flávio Basso adota o pseudônimo de Júpiter Maçã e consegue fazer um sucesso ainda maior com o lançamento de seu álbum de estreia A Sétima Efervescência, que foi muito aclamado pela crítica. Nei Van Soria fica pouco tempo na banda Colarinhos Caóticos, mas logo em seguida entra em carreira solo, alcançando relativo sucesso nas rádios gaúchas. Frank Jorge continua na Graforréia Xilarmônica e, depois do fim desta, segue carreira solo. Alexandre Barea participa em diversas bandas paralelamente, mas dedica-se mais a uma escola de música em Porto Alegre.

Em 2007 Os Cascavelletes se reuniram novamente com sua formação clássica para um show memorável de comemorção dos 10 anos da Rádio Pop Rock de Porto Alegre, tocando todos os sucessos, que são a influência direta no rock gaúcho e que os tornaram discografia básica do rock nacional.

Em 2008, há a formação da banda Tenente Cascavel, que reúne alguns integrantes dos Cascavelletes e do TNT, a qual desde então faz shows relembrando os maiores sucessos das 2 bandas. Sem Charles Master e Flávio Basso, 2 dos principais músicos, a banda perde em 2010 Frank Jorge, que retira-se da banda sem maiores justificativas à mídia. A Tenente Cascavel acaba sendo muito criticada por alguns dos fãs mais ferrenhos das 2 bandas como "projeto caça-níquel", onde não querem fazer música por prazer, mas sim juntar dinheiro a custa dos saudosos fãs. Apesar disso, fazem ótimos shows, com boa presença de palco, garantindo notável visibilidade no estado do Rio Grande do Sul.

Formação[editar | editar código-fonte]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Ex-integrantes[editar | editar código-fonte]

Discografia[editar | editar código-fonte]

EPs[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio[editar | editar código-fonte]

Álbuns ao vivo[editar | editar código-fonte]

Coletânea[editar | editar código-fonte]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]