Pós-combustão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Artigo não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Turbina Pratt & Whitney J58 em teste com pós-combustão acionada no máximo.
F/A-18 Hornet ultrapassando a velocidade do som.

Pós-combustão (do inglês afterburner) é um recurso de que dispõem algumas aeronaves a jato para aumentar rapidamente sua potência e velocidade fazendo-as, assim, atingir e manter velocidades supersônicas, decolar de pistas curtas e (ou) com muita carga,etc.

Definição[editar | editar código-fonte]

A pós-combustão consiste na injeção de combustível após a câmara de combustão da turbina, o que ocasiona um consumo maior de combustível. Apenas algumas aeronaves, como o English Electra Ligthning ou o F-22, não necessitam utilizar a pós-combustão para manter velocidades supersônicas, capacidade conhecida como supercruzeiro.

Uso[editar | editar código-fonte]

O uso da pós-combustão é esporádico, consoante a tática ou necessidade momentânea empregada, como por exemplo, atravessar rapidamente extensões de área cobertas por AWACS e SAMS, atingir e manter altitudes de superioridade aérea (muito acima de 15 mil metros), necessidade, em dogfight de ascensão vertical rápida, para fuga de aeronave rival, invasão de território inimigo para cumprimento de missão qualquer ou lançamento de bomba nuclear, com rápida evasão, necessidade de defesa emergencial, como interceptação (usado para ascensões verticais rápidas, por breves instantes).

Seu uso foi muito difundido em caças das décadas de 60, 70 e 80. Como não dispunham da moderna tecnologia atual eletrônica, tipo stealth (difundida a partir de meados de 1980, e principalmente de 1990, que produz a difusão das ondas eletromagnéticas, evitando a percepção pelo radar), compensavam-se na velocidade momentânea. Sua utilização na aviação civil teve uma curta duração com o Concorde, pelo seu alto consumo de combustível; entretanto, o Concorde, como o Tupolev Tu-144, era capaz de supercruzeiro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.