Papa Pedro II

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Pedro II, Pedro Romano ou Pedro, o Romano é o suposto nome que adotará o último papa, de acordo com algumas interpretações das profecias de São Malaquias, que seria o segundo pontífice a adotar essa denominação uma vez que o primeiro papa seria São Pedro, que é visto pelos católicos como o primeiro Papa da Igreja Católica.[1] Estas profecias ganharam grande relevância, implicitamente, na Igreja Católica ao considerar, em geral, que o Cardeal Joseph Ratzinger escolheu o nome Bento XVI, com base nestas profecias.[2] Milhões de católicos consideram estas profecias como reais, daí sua relevância e, claro, do suposto último papa. Este papa, na profecia, é conhecido como Pedro, o Romano, e estaria supostamente ligado ao fim do mundo e à segunda vinda de Cristo. Segundo historiadores, a profecia foi um embuste escrito séculos depois e foi atribuído ao Santo.[1]

Nome e suas conotações[editar | editar código-fonte]

Por respeito ao Apóstolo Pedro, nunca nenhum Papa adotou o nome de Pedro II. Considera-se improvável que qualquer futuro Papa irá escolher o nome.[1] Muitos Papas, porém, tinham "Pedro" como seu nome de batismo, mais recentemente o Papa Bento XIII (Pietro Orsini). Da mesma forma que os Papas João Paulo I e João Paulo II se referiam a João XXIII e a Paulo VI, também Pedro Romano se poderá referir, literal ou metaforicamente, a uma invocação de dois Papas: São Pedro, por se iniciar uma refundação da Igreja Católica e por ter sido perseguido e Mártir em tempos que pareciam ser finais, e o Papa Romano, cujas circunstâncias de eleição se assemelham às do futuro Pontífice Máximo.

A probabilidade dessa escolha, entretanto, é sugerida no final da Profecia dos Papas atribuída a São Malaquias, um texto que é bem conhecido nos círculos católicos, apesar da Igreja não ter posição oficial. A profecia se refere a um Petrus Romanus (Pedro, o Romano) como o Papa final: que iria "alimentar suas ovelhas em muitas tribulações" e no "dia da perseguição final".[1] Sobre a "destruição da cidade de sete colinas" acredita-se na possibilidade desde a destruição da cidade de Roma até a destruição física e doutrinária do Vaticano e mesmo com o fim da Igreja Católica.[2] Estudiosos e místicos sugerem o nome de Pedro II com uma conotação apocalíptica.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Resigning Pope Brings Doomsday Prophecy Discovery News (13 de fevereiro de 2013).
  2. a b Jerome R. Corsi. 'Final pope' authors predicted Benedict would resign WND.com.