Paulo Mendes Campos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paulo Mendes Campos
Nascimento 28 de fevereiro de 1922
Belo Horizonte, MG
Morte 1 de julho de 1991 (69 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasil
Cônjuge Joan (descendência inglesa)
Filho(s) Gabriela e Daniel
Ocupação Jornalista e escritor
Principais trabalhos O domingo azul do mar
Homenzinho na ventania
O cego de Ipanema
Diário da Tarde

Paulo Mendes Campos (Belo Horizonte, 28 de fevereiro de 1922Rio de Janeiro, 1 de julho de 1991) foi um escritor e jornalista brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do médico e escritor Mário Mendes Campos e de Maria José Lima Campos, Paulo Mendes Campos herda de sua mãe, amante da literatura, o hábito da boa leitura. Reprovado nos primeiros anos de estudo, foi internado no Colégio Dom Bosco, na cidade de Cachoeira do Campo, onde surgiu o interesse pelas letras (1933). Conclui o curso secundário em 1939, em São João del-Rei e ingressa, sucessivamente, nos cursos de odontologia, veterinária e direito, mas não concluiu nenhum deles. Nessa época (1940), de volta a Belo Horizonte, participa da vida literária como integrante da geração mineira a que pertencem Fernando Sabino, Otto Lara Resende, Hélio Pellegrino]], João Etienne Filho e Murilo Rubião e publica no suplemento literário da Folha de Minas que chegou a dirigir durante algum tempo. [2] Seu sonho de ser aviador também não se concretizou. Diploma mesmo, ele gostava de brincar, só teve o de datilógrafo.[3]

Em 1945, vai para o Rio de Janeiro a fim de conhecer o poeta Pablo Neruda. Permanece no Rio, onde já estava morando o amigo mineiro Fernando Sabino e para onde depois também se mudarão Otto Lara Resende e Hélio Pellegrino. Colabora nos principais jornais cariocas, mais assiduamente em O Jornal, Correio da Manhã – do qual foi redator durante dois anos e meio – e Diário Carioca – onde manteve uma coluna diária intitulada "Primeiro Plano". Foi, durante muitos anos, um dos três cronistas efetivos da revista Manchete [3] [2] e Diretor de Obras Raras da Biblioteca Nacional (In: Dicionário Enciclopédico Koogan - Larousse).

Em 1947, é admitido como fiscal de obras e chega a redator, no extinto Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado - Ipase[4]

Em 1949, vai pela primeira vez à Europa; em 1951, casa-se com Joan Abercrombie, de origem inglesa[2] e lança seu primeiro livro, A palavra escrita. [5]

Como tradutor de prosa e poesia, traduziu Júlio Verne, Oscar Wilde, John Ruskin, Jane Austen, Shakespeare, William Butler Yeats, C. S. Lewis, Charles Dickens, Gustave Flaubert, Guy de Maupassant, H. G. Wells, Pablo Neruda, Rosalía de Castro, Verlaine, T. S. Eliot, Emily Dickinson, James Joyce, Cummings, William Blake, Umberto Saba, Jorge Luis Borges, entre outros. [2]

Muitas das traduções em prosa foram adaptações para o público infanto-juvenil, boa parte delas publicadas pela primeira vez na década de 1970 pela Ediouro/Tecnoprint. Atualmente também há traduções-adaptações suas editadas pela Scipione e pela Martins Fontes. Quanto à poesia, a maior parte das traduções pode ser encontrada nos livros Trinca de copas e Diário da Tarde. De Neruda, traduziu os livros Canto GeralResidência na Terra I e Residência na Terra II.

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesias
  • A Palavra Escrita – 1951
  • Forma e Expressão do Soneto, antologia, 1952
  • O Domingo azul do mar - 1958
  • Testamento do Brasil e Domingo azul do mar - 1966
  • Transumanas - 1977
  • Poemas - 1979
  • Diário da tarde (poesia e prosa) - 1981
  • Trinca de copas (poesia e prosa) - 1984
Crônicas
  • O Cego de Ipanema – 1960
  • Homenzinho na ventania – 1962
  • O Colunista do morro – 1965
  • Antologia brasileira de humorismo – 1965
  • Hora do recreio - 1967
  • O Anjo Bêbado - 1969
  • Rir é o único jeito: supermercado – 1976 (reedição de Hora do Recreio)
  • Os bares morrem numa quarta-feira – 1980
  • O Amor acaba - Crônicas líricas e existenciais — 1999
  • Brasil brasileiro — Crônicas do país, das cidades e do povo – 2000
  • Alhos e bugalhos — 2000
  • Cisne de feltro — Crônicas 2000
  • Murais de Vinícius e outros perfis— 2000
  • O gol é necessário — Crônicas esportivas — 2000
  • Artigo indefinido — 2000
  • De um caderno cinzento — Apanhadas no chão — 2000
  • Balé do pato e outras crônicas — 2003
  • A volta ao mundo em 80 dias — Tradução e adaptação do livro de Julio Verne — 2004
  • Quatro histórias de ladrão — 2005
Infantojuvenil
  • A arte de ser neta – 1985

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 1959 - Ganha, com seu livro O domingo azul do mar, o Prêmio Alphonsus de Guimaraens do Instituto Nacional do Livro - Ministério da Educação e Cultura (melhor livro de poesia de 1958). O prêmio foi dividido com o poeta Homero Homem (Calendário Marinheiro)[4]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Paulo Mendes Campos