Paulo Schroeber

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2014). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Paulo Schroeber
Informação geral
Nascimento 18 de agosto de 1973 (41 anos)
Local de nascimento Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
 Brasil
Data de morte 24 de março de 2014 (40 anos)
Local de morte Caxias do Sul, Rio Grande do Sul
Gênero(s) Heavy metal, Power metal,Metal Progressivo,Death Metal,Rock Alternativo,Jazz
Ocupação(ões) Guitarrista
Instrumento(s) Guitarra, violão
Modelos de instrumentos Ibanez Universe

Ibanez RG

Afiliação(ões) Almah, Astafix, Hammer 67, Naja
Influência(s) Jason Becker, Marty Friedman e Steve Morse
Página oficial www.pauloschroeber.com.br

Paulo Schroeber (Caxias do Sul, 18 de Agosto de 1973 - Caxias do Sul, 24 de Março de 2014) foi um guitarrista, produtor, compositor e professor musical brasileiro. Era considerado um dos mais virtuosos guitarristas do Brasil.[1]

Ganhou notoriedade na cena metal brasileira com os seus trabalhos junto as bandas Burning Hell, Predator, Fallup, Almah e Hammer 67.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Como Músico[editar | editar código-fonte]

O primeiro contato de Paulo Schroeber com a música foi quando ele tinha 15 anos. Seu pai lhe deu um violão e ele começou a ter aulas de música. Quando fez 18 anos deixou os estudos acadêmicos distante e estudou violão clássico durante cerca de três anos. Chegou a executar peças de Villa Lobos, Bach e Sagreras.[2] Naqueles dias, ele já desenvolveu um fascínio para os guitarristas, como Jason Becker, Marty Friedman e Steve Morse.

Com sua primeira banda, uma banda de death metal melódico chamado Fear Ritual, ele lançou um CD pela gravadora Wild Rags, em Los Angeles, tendo uma boa recepção nos EUA. Paulo tocou por pouco tempo em bandas como Burning in Hell e Predator, trabalhando em algumas composições. O guitarrista integrou ainda a banda Naja, com a qual gravou um CD e um DVD pela gravadora Tridente (álbum que rendeu à banda o prêmio de revelação independente e o prêmio Açorianos, pela prefeitura de Porto Alegre, de melhor intérprete na categoria).

Com o Almah, liderada por Edu Falaschi - ex-integrante do Angra, lançou o CD intitulado Fragile Equality, ganhando título de melhor disco de Heavy Metal em praticamente todos os veículos de mídia especializados brasileiros e sendo também extremamente bem aceito em todo o resto do mundo. Correu por praticamente todo o Brasil em turnê. Em setembro de 2011 é lançado mundialmente o aclamado Motion, alcançando recordes de venda em todas as lojas especializadas do Brasil. Porém, depois de alguns shows e da gravação de dois videoclipes, a doença de Paulo se agrava, tornando insustentável sua permanência na banda, por ordem médicas.[3] Dessa forma, em Abril de 2012 comunicou sua saída da banda Almah devido a problemas de saúde.[4]

Além do Almah, Paulo trabalhou em outros projetos, como o Astafix, que lançou seu primeiro disco intitulado Endever, ganhando já precocemente o título de primeiro lugar de banda revelação na maior revista brasileira especializada no estilo, a Roadie Crew. A banda realizou turnê pelo Brasil, tocando em renomados festivais como o Palco do Rock em Salvador, diversos shows no Sul do Brasil e também no exterior, como Chile e Argentina. O disco foi muito bem aceito pela mídia especializada. Como consequência disso a banda tem aparecido frequentemente em diversos programas de TV e revistas brasileiras.

Outros Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Junto com suas atividades de guitarrista, Paulo ministrava aulas particulares de guitarra e teve como seus alunos mais brilhantes nomes como Cássio Vianna e Daniel Suliani, ambos da banda Abomination.

Como produtor musical, produziu em 2011 o álbum World of Glory and Hate, da banda Torvo.[5]

Morte[editar | editar código-fonte]

Paulo ficou internado vários dias para um tratamento no coração na UTI do Hospital Nossa Senhora Medianeira (Hospital do Círculo). O procedimento de reconfiguração do aparelho cardíaco -uma espécie de marcapasso - não surtiu efeito. O quadro se agravou devido a ter se formado água em seus pulmões em razão do crescimento do coração, que pressionava este órgão, o que o deixava com dificuldades para respirar.[6]

Devido a estas complicações, no dia 24 de Março de 2014, Paulo veio a falecer, aos 40 anos de idade.

Influências e Estilo[editar | editar código-fonte]

Suas influências passam por rock, jazz e fusion, e metal. Entre seus músicos favoritos são Andrés Segovia, Paco de Lucia, John Maclauglin, Al Di Meola, Tony Iommi, Angus Young, Frank Gambale, Allan Holdsworth, e outros.Esta grande de soma de influências de estilos deixaram seu fraseado e solos com sonoridades diferenciadas do que geralmente e visto em guitarristas de Rock e Metal pois e nitidamente claro a presença de Jazz em suas composições estilo que tal musico enquanto estava vivo admitiu em algumas entrevistas ter convivido devido seu professores.Paulo era conhecido por sua técnica apurada usando diversas técnicas distintas tanto em bases quanto em solos como sweep,alternada e two hands em uma mesma passagem e também por misturar diversas escalas e modos em uma mesma frase.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Carreira Solo[editar | editar código-fonte]

Ano Álbum Faixas Músicos
2011
  • Freak Songs[7]
  1. Parallel Realities
  2. Fast Jazz
  3. Give Me A Pill
  4. Neoclassical Party
  5. Mom's Patience
  6. Fusion Headache
  7. Rock It
  8. To My Father
  9. Good Trip
  10. Insert Coins
  11. Rabbit Soup
  12. The Third Wish

Com a Banda Almah[editar | editar código-fonte]

Com a Banda Astafix[editar | editar código-fonte]

Com a Banda Hammer 67[editar | editar código-fonte]

Com a Banda Fall Up[editar | editar código-fonte]

  • Demo Atlântida 9 Anos

Com a Banda Fear Ritual[editar | editar código-fonte]

  • Fear Ritual

Com a Banda Naja[editar | editar código-fonte]

  • Naja - 2004
  • Ao vivo - 2005
  • Aliança Rebelde Tributo

Equipamento[editar | editar código-fonte]

Paulo durante grande parte de sua carreira utilizou guitarra de 7 cordas e racks ao invés de cabeçotes valvulados ele também utilizou uma grande variedade guitarras em sua carreira como Schecter,Epiphone,Condor,Andréllis e Ibanez sendo visto utilizando principalmente estas duas ultimas marcas sempre de 7 cordas.Grande parte de sua carreira ele utilizou uma Ibanez Universe branca e uma Andréllis customizada.

Andréllis 7 strings model PS-1;
Andréllis 8 strinds model PS-8;
Condor FC-7;
Ibanez Universe 7 strings;
Epiphone Les Paul 7 strings Limited Edition;
Classical guitar Hand Made R. Saraiva;

Mesa Boogie Triaxis;

Mesa Boogie Simulclass 90/90;

Hush Noise Gate Rocktron.

Referências

  1. clicrbs.com.br/ Guitarrista Paulo Schroeber morre aos 40 anos, em Caxias do Sul
  2. noticias.bol.uol.com.br/ Paulo Schroeber, ex-guitarrista da banda Almah, morre no Rio Grande do Sul
  3. http://www.pauloschroeber.com.br/2011/biografia.php
  4. whiplash.net/ Almah: "Não sei como ainda não morri" diz ex-guitarrista
  5. whiplash.net/ Torvo: álbum de estreia voltado às raizes do thrash metal
  6. g1.globo.com/ Morre aos 40 anos Paulo Schroeber, ex-guitarrista do Almah
  7. whiplash.net/ Resenha - Freak Songs - Paulo Schroeber

Ligações externas[editar | editar código-fonte]