Pioneiros mórmons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma estátua comemorando os pioneiros mórmons.

Os Pioneiros mórmons foram membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, também conhecidos como Santos dos Últimos Dias, que migraram através dos Estados Unidos seguindo o chamado Mormon Trail, desde o Médio Oeste até o Vale do Lago Salgado, no que é hoje o estado de Utah. A viagem, realizada por aproximadamente 70000 pessoas, se iniciou em abril de 1847 e concluiu com a terminação da primeira linha de caminho-de-ferro transcontinental em 1869.

História[editar | editar código-fonte]

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias foi fundada em abril de 1830 por Joseph Smith Jr. e um pequeno grupo de seguidores, inaugurando entre o cristianismo do oeste dos Estados Unidos, elementos teológicos novos, com tendências restauracionistas. O constante proselitismo de sua nova fé, sua inclinação para a unidade social e política e suas crenças religiosas fizeram que fossem perseguidos com frequência por seus vizinhos. Com o tempo, as diferenças religiosas, sociais e políticas entre a nova congregação e seus vizinhos tornaram-se confrontos, muitas vezes sangrentos. No termo de 15 anos, milhares de Santos dos Últimos Dias foram expulsos de quatro estados norte-americanos: Nova Iorque, Ohio, Illinois e Missouri.

Perseguição[editar | editar código-fonte]

Ataque a Joseph Smith Jr., fundador do movimento dos Santos dos Últimos Dias, Kirtland, Ohio.

Algumas das crenças, manifestações e costumes dos membros da recém restaurada igreja não foram bem recebidas por outras congregações cristãs. Assim, o agregado de novas e diferentes escrituras como O Livro de Mórmon, a manifestação de que Joseph Smith teve conversas com Deus, Jesus Cristo e outras personagens celestiais, sua forma de governo teocrática e a controvertida prática da poligamia foram uma combinação de factores que provocaram tensões que, com o tempo, desembocaram em episódios de violência e na perseguição dos novos líderes religiosos. As perseguições e os actos de violência não foram exclusivos dos que não pertenciam à igreja. Em uma oportunidade, em Kirtland (Ohio), Joseph Smith foi coberto com uma combinação de breu e plumas por uma multidão entre a que se encontravam indivíduos que tinham desertado da igreja. Esta perseguição, entre outras razões, fez com que que o corpo da Igreja se mudasse de um lugar a outro: Ohio, Missouri, e depois Illinois, onde os membros da igreja construíram a cidade de Nauvoo. O governador do Missouri, Lilburn Boggs, emitiu pouco depois uma ordem de exterminação contra todos os mórmons que vivessem no estado. O descontentamento com a percebida teocracia também tomou raízes dentro da igreja, com grupos de homens separados da igreja organizando e liderando rebeliões e formalizando acusações legais aos mórmons em Nauvoo e seu prefeito, Joseph Smith Jr.. Em 1844, enquanto lançava formalmente sua candidatura à presidência dos Estados Unidos, Joseph Smith foi encarcerado, acusado de ter dirigido a destruição de uma imprensa opositora. A destruição da imprensa, fundada pelo apóstolo mórmon excomungado William Law, foi uma oportunidade aproveitada por críticos como Thomas Sharp, que pretendia abertamente a ruína da igreja. A criação de uma milícia privada em Nauvoo perturbou ainda mais o sossego de outras cidades do condado, como Warsaw e Carthage, que temiam a propagação da teocracia de Nauvoo. A crise na sucessão do movimento dos Santos dos Últimos Dias ocorreu após a morte violenta de seu restaurador, Joseph Smith e seu irmão, Hyrum no cárcere de Carthage, em 27 de junho de 1844. A igreja, com sede ainda em Nauvoo, continuou sob a direção do quórum de seus doze apóstolos, sem que fosse nomeado por quase dois anos o sucessor de seu primeiro profeta. Finalmente, em 1846, a maioria da igreja apoiou a Brigham Young, de 45 anos de idade, como o novo presidente, enquanto outros membros seguiram Sidney Rigdon. Alguns fiéis de Nauvoo, encontraram discrepâncias na autoridade dos doze e seguiram a James J. Strang, que ter-se-ia proclamado profeta e sucessor legal de Joseph Smith Jr.

Winter Quarters[editar | editar código-fonte]

A tensão religiosa continuou incrementando-se em Nauvoo até desembocar no que por vezes se chama a Guerra Mórmon de Illinois. Avalados com um revocatório do poder legislativo do estado, organizaram-se vários grupos civis e, ocasionalmente, militares, para expulsar os mórmones desse estado. Brigham Young conseguiu negociar uma trégua que permitiria aos santos de Nauvoo se preparar com tempo para abandonar a cidade, a qual tinha atingido, para 1845, uma população de 22559 habitantes. A maioria dos membros da igreja seguiram a Brigham Young e a nove dos doze apóstolos, estabelecendo uma estação transitoria em Winter Quarters, Nebraska, no inverno de 1846. Nesse lugar fizeram-se os preparativos para o êxodo dos pioneiros, com o propósito de estabelecer, fora dos Estados Unidos, um estado livre sócio, independente do sistema federal e onde pudessem praticar sua religião sem o acosso dos gentilé, isto é, daqueles que não pertenciam a sua igreja. Young imaginava a criação de um Estado novo ao que chamava «Deseret». Pouco fica hoje em dia de Winter Quarters, lugar onde os pioneiros se assentaram desde 1846-1848 e onde a transição física e eclesiástica da igreja se fez legal e pública.

Motivação teológica[editar | editar código-fonte]

Segundo a crença da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, Deus dirigiu a Brigham Young, sucessor de Joseph Smith como Presidente da Igreja, a reunir a todos os membros para emigrar para o oeste, para além da fronteira ocidental dos Estados Unidos, para o que nesse então era México. No que se considera a revelação divina que dirigiu ao éxodo, se começa dizendo que as instruções constituíam «a palavra e a vontade do Senhor quanto ao Acampamento de Israel» e chegou a ser para os pioneiros, a constituição que governou a jornada. Durante o inverno de 1846-47, os líderes Santos dos Últimos Dias em Winter Quarters, em outras partes de Nebraska, e em Iowa, planearam a migração da maior parte dos membros de sua igreja, seus pertences e ganhado. Esta enorme tarefa resultou ser um desafio significativo para a capacidade de liderança mórmon, bem como para a rede administrativa existente na recentemente reestruturada igreja.

Brigham Young pessoalmente compilou toda a informação disponível sobre o Vale do Grande Lago Salgado e a Grande Bacia norte-americana, consultando Mountain Men e caçadores que frequentavam Winter Quarters, e celebrando reuniões com o reverendo Pierre-Jean De Smet, um missionário jesuíta familiarizado com a área da Grande Cuenca. Brigham Young e seu grupo de fiéis não eram os únicos em viagem para o oeste dos Estados Unidos. Em 1845, já umas 5000 pessoas se tinham estabelecido no Oregon, enquanto muitas outras foram para o Texas ou a Califórnia. O cauteloso Brigham Young fazia questão de que os mórmones povoassem lugares que ninguém mais quisesse e que lhes proporcionassem suficiente isolamento para poder praticar livremente a sua religião: pensou que o Vale do Grande Lago Salgado cumpria esse requisito e que, além disso, teria outras muitas vantagens para os seus seguidores.