Poliglota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Poliglota, diz-se de uma pessoa que fala diversas línguas normalmente mais de três. Palavra de origem grega para polý, que significa numeroso e glossai (ou também glottai), para línguas [1] .

Quem fala duas línguas é bilíngue, e três é trilíngue ou triglota[2] .

São várias as teorias relacionadas com a capacidade da falar muitas línguas como a do nível de testosterona ou da formação da área de Broca do cérebro, mas todos os especialistas concordam em afirmar que:

  • Toda criança até aos sete anos pode aprender várias línguas ao mesmo tempo, sendo três ou quatro vulgares quando dois pais de idiomas diferentes falam uma terceira comum, e vivem num país onde se fala uma outra língua [nota 1]
  • A partir de um certo número de línguas tipo aprender mais uma é fazer variações das outras. Assim um português que vive na França vai aprender muito mais facilmente o espanhol e o italiano do que aquele que nunca saiu do país.

Hiperpoliglota[editar | editar código-fonte]

Hiperpoliglota[3] , é um termo que se refere a pessoas que falam vários idiomas como:

  • Ioannis Ikonomou (1964), tradutor chefe do parlamento dos EUA, que falava fluentemente 32 [4]
  • Giuseppe Caspar Mezzofanti (1774–1849), Cardial italiano que falava fluentemente 39 línguas [5]
  • Emil Krebs (1867–1930), poliglota e sinologista alemão que falava e escrevia em 68 línguas, e compreendia mais 120.
  • Uku Masing (1909–1985), linguistico da Estónia que dizia conhecer cerca de 65 línguas, e podia traduzir 20 [6]
  • Harold Williams (1876–1928), Jornalista da Nova Zelândia que dizia falar mais de 58 línguas [7]
  • Timothy Doner, jovem de 17 anos que aprendeu 23 línguas [8]
  • Otto Maria Carpeaux, multilinguista austríaco naturalizado brasileiro, fluente em 12 idiomas.
  • Rafael Lanzetti, professor brasileiro radicado na Alemanha que fala 11 línguas [9]
  • Alex Rawlings, britânico de 20 anos de idade, fala 11 línguas e pretende aprender outros idiomas.[10]

Notas

  1. Vulgar nas organizações internacionais em Genebra

Referências