Prinz Eugen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Prinz Eugen
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção 23 de abril de 1936
Lançamento 22 de agosto de 1938
Período de serviço 1 de agosto de 1940
Fatalidade Afundou após testes atômicos
Características gerais
Deslocamento 14.200 toneladas padrão e 19.000 toneladas a plena carga
Comprimento 200 m
Boca 21.8 m
Propulsão 136,000 shp (98 MW)
Velocidade 33.5 nós (62.04 km/h)
Tripulação 1.500 homens

Prinz Eugen foi um cruzador pesado utilizado pela Kriegsmarine durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi batizado homenagem ao príncipe Eugênio de Savoia (Prinz Eugen em alemão).

Sua construção iniciou-se em 23 de abril de 1936 nos estaleiros da Krupp em Kiel, foi lançado ao mar em 22 de agosto de 1938 e comissionado em 1 de agosto de 1940.

Ao final da Segunda Guerra o navio tornou-se parte da marinha americana, sob a série indicativa IX-300 e afundou em dezembro de 1946 em conseqüência de inundação provocada por avarias sofridas no segundo teste da denominada Operação Crossroads, ultimada em julho de 1946.

Batalha do Estreito da Dinamarca[editar | editar código-fonte]

Por ocasião da Operação Exercício no Reno (Rheinübung), o Prinz Eugen tornou-se o navio escolta do couraçado Bismarck. Em 24 de maio de 1941, os dois navios alemães foram interceptados pelo cruzador de batalha HMS Hood e pelo couraçado HMS Prince of Wales. Nesse combate, o Prinz Eugen teve a primazia de ser o primeiro navio a obter impactos, atingindo o HMS Hood no convés de baleeiras, iniciando um grande incêndio no navio inglês. Em circunstâncias até hoje não completamente explicadas, acredita-se que o navio inglês tenha sido atingido por uma salva de artilharia do Bismarck. De seus 1419 tripulantes apenas 3 sobreviveram. O Prinz Eugen saíra intacto, mas o Bismarck fora atingido por projéteis do Prince of Wales, um deles produzindo avarias nos tanques de combustível de proa, tornando inacessíveis mil toneladas de óleo. O comandante da frota alemã, almirante Günther Lütjens, comunicou ao comando alemão a necessidade de abortar a missão de ataque aos comboios e dirigir-se a Brest, na França, a fim de submeter o couraçado a reparos. O Prinz Eugen recebeu ordens de separar-se de seu companheiro de incursão e aproou para a França, debaixo de uma forte tromba d'água. Ludibriando a vigiância britânica e auxiliado pelas péssimas condições do tempo, o Prinz tomou o rumo de Brest. A Home Fleet foi mobilizada e aviões Swordfish lançados pelo porta-aviões HMS Ark Royal avariaram o Bismarck, que teve seus lemes atingidos e travados. Desgovernado, e à mercê de seus inimigos, o famoso couraçado alemão foi cercado e finalmente afundado pelos couraçados HMS King George V, HMS Rodney e pelo cruzador pesado HMS Dorsetshire após sofrer duríssimo castigo.

O porto de Brest era regularmente bombardeado pela RAF, e em 1 de julho o Prinz Eugen foi atingido provocando a morte 60 de seus tripulantes.

Canal da Mancha[editar | editar código-fonte]

Depois de perder o Bismarck, Hitler proibiu outras incursões no oceano Atlântico. Temendo uma invasão aliada na Noruega, uma nova operação foi organizada durante os dias 11 e 12 de fevereiro de 1942: Com os cruzadores de batalha Scharnhorst e Gneisenau, acompanhados pelo Prinz Eugen, atravessaram o canal da mancha - Operação Cerberus - para retornar à Alemanha. O propósito era deslocar os navios alemães de grande porte para a Noruega.

O Prinz Eugen deixou a Alemanha com destino a Noruega em fevereiro de 1942. No dia 23 ele foi interceptado e torpedeado pelo submarino britânico HMS Trident, destruindo parte de sua popa. Depois de alguns reparos em Trondheim o cruzador retornou a Kiel para receber uma nova popa. O Prinz Eugen não estaria novamente operacional até 1943.

Ataque no Báltico[editar | editar código-fonte]

A partir de agosto de 1944 o Prinz Eugen foi utilizado para atacar as unidades e alvos costeiros russos e impedir o avanço pela costa do Mar Báltico, além de transportar refugiados alemães. Em 15 de Outubro de 1944, devido a densa neblina no Mar Báltico, o Prinz colidiu com cruzador Leipzig, quase partindo-o em dois. Durante 14 horas as duas embarcações ficaram a deriva até que pudessem ser separadas. O Prinz Eugen foi reparado em Gotenhafen e depois continuou a disparar seus canhões contra as forças soviéticas. Em 29 de Março de 1945 o cruzador pesado deixou Gotenhafen pela última vez até chegar a Swinemünde aonde desembarcaria os refugiados. O navio então partiu em direção a Copenhague e devido à falta de combustível não deixaria o porto novamente.

Ao final da guerra, ele era um dos dois únicos cruzadores operacionais da Alemanha (o outro era o cruzador Nürnberg). O Prinz Eugen rendeu-se aos ingleses em Copenhague em 7 de maio de 1945.

USS Prinz Eugen[editar | editar código-fonte]

Teste atômico Baker

Os norte-americanos demonstraram vivo interesse pelo navio e planejavam um fim espetacular para o mesmo que serviria, juntamente com outros navios, de alvo para os testes da bomba atômica no atol de Bikini. Prinz Eugen foi formalmente incorporado a US Navy sob a numeração de série IX-300. O navio passou por avaliações técnicas no porto de Baltimore, EUA, e depois juntou-se a outras embarcações que foram utilizadas na Operação Crossroads, na qual seriam analisados os efeitos da explosão de artefatos atômicos. Foram retirados dois canhões de 8 polegadas da torre de artilharia "Graz" (torre "A") e todos os canhões de 4.1 polegadas do bombordo. Uma particularidade do Prinz Eugen foi a de adotar nomes diversos do comumente utilizado pela marinha de guerra alemã para as torres de artilharia principal ("Anton", "Bruno", "Caesar" e "Dora)", sendo batizadas com nomes de cidades austríacas, respectivamente como "Graz", "Braunau", "Innsbruck" e "Wien". O navio resistiu surpreendentemente bem aos testes atômicos denominados Able (atmosférico) e Baker(submarino), realizados em julho de 1946, mas estava muito contaminado pela radiação a fim de que fossem reparados os danos causados pelo teste submarino Baker, para o que seria exigido um dique seco. No mês seguinte foi rebocado para o atol de Kwajalein com vistas a ser submetido a testes de avaliação de radioatividade, sendo ancorado à frente da pequena ilha de Enubuj (Carlson). No dia 21 de dezembro de 1946, tendo sido inspecionado por uma comissão americana para fins de estimativa de radioatividade, foi notado um adernamento do navio para estibordo, com inundação na popa. Um LCI (um tipo de embarcação de desembarque) e mais dois pequenos navios acostaram a fim de esgotarem a água, mas as tentativas foram frustradas. No dia seguinte, o navio acentuou seu adernamento para estibordo e emborcou, deixando somente emersa parte da popa, ainda visível nos dias de hoje.

Oficiais de Comando[editar | editar código-fonte]

  • Helmuth Brinkmann - 1 Agosto 1940 - 1 Agosto 1942
  • Wilhelm Beck - 1 Agosto 1942 - 8 Outubro 1942
  • Hans-Erich Voss - 8 Outubro 1942 - 28 Fevereiro 1943
  • Werner Ehrhardt - 28 Fevereiro 1943 - 5 Janeiro 1944
  • Hans-Jürgen Reinicke - 5 Janeiro 1944 - 8 Maio 1945
  • A. H. Graubart, Marinha Americana - 1945 - 1946

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Prinz Eugen