Retrotransposão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um retrotransposão LTR

Retrotransposões são elementos genéticos que se podem amplificar a eles próprios num genoma, sendo componentes frequentes em muitos organismos eucariotas. São uma subclasse de transposões. São particularmente abundantes em plantas, onde muitas vezes são o principal componente do ADN nuclear. No milho, 49-78% do genoma é compostos por retrotransposões[1] . No trigo, cerca de 90% é composto por sequências repetitivas e 68% por elementos transponíveis[2] . Nos mamíferos, cerca de metade do genoma (45% a 48%) é composto por transposões ou reminiscentes de transposões. Cerca de 42% do genoma humano é composto de retrotransposões, enquanto que os transposões de ADN perfazem cerca de 2-3%[3] . Isto traduz-se em milhões de elementos, pelo que para gene no genoma humano existe, em média, cerca de 3 retrotransposões.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. SanMiguel, Phillip and Jeffrey L. Bennetzen (1998) Evidence that a recent increase in maize genome size was caused by the massive amplification of intergene retrotranposons. Annals of Botany 82 (supplement A): 37-44. [1]
  2. Li W, Zhang P, Fellers JP, Friebe B, and Gill BS (2004) Sequence composition, organization and evolution of the core Triticeae genome. Plant J. 40: 500-511. [2]
  3. Lander ES, Linton LM, Birren B, Nusbaum C, et al. Initial sequencing and analysis of the human genome. Nature, 2001; 409(6822): 860-921


Ícone de esboço Este artigo sobre Genética é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.