Sociologia criminal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Ciências sociais.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição.

A sociologia criminal é um ramo da sociologia que estuda a motivação e a perpetuação do crime na sociedade.[1] A análise do crime pela sociologia vem desde os primórdios desta, com Émile Durkheim.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Cesare Lombroso publicou em 1876 o "Homem Delinquente", obra muito discutida na época. Tendo sido psiquiatra do manicômio de Pádua, realizou exames com centenas de doentes mentais e criminosos e catalogou informações que utilizaria para formular sua tese de que o comportamento criminoso é formado por uma tendência básica, que poderia ser identificada desde a infância do "criminoso". A verificação de características físicas nos indivíduos (formato do cránio, dos olhos, dos lábios, das mãos etc.) traria indícios suficientes para identificar o "criminoso", mesmo que ele ainda não tenha cometido crimes. Atualmente essa tese não é considerada válida.

Referências

  1. Salla, Fernando; Marcos César Alvarez (2000). [http://www.scielo.br/pdf/ts/v12n1/v12n1a06.pdf Paulo Egídio e a sociologia criminal em São Paulo] (PDF) (em Português). Tempo Social; Rev. Sociol pp. 122. Universidade de São Paulo. Página visitada em 14 de outubro de 2011.
  2. Barrionuevo Fabretti, Humberto. A Teoria do Crime e da Pena em Durkheim (PDF) (em Português) pp. 26. Universidade Prebisteriana Mackenzie. Página visitada em 14 de outubro de 2011.